Aulas particulares Idiomas Música Apoio Escolar Esporte Artes e Lazer
Compartilhar

Quais são as modalidades básicas do Yoga?

De Myla, publicado dia 19/08/2019 Blog > Esporte > Yoga > Entenda melhor os diferentes tipos de Ioga

Um número cada vez maior de pessoas ao redor do mundo tem se interessado em aprender sobre e a praticar alguma modalidade de Yoga, devido aos muitos benefícios que essa prática oferece. E a boa notícia é que existem, hoje disponíveis, várias modalidades, vertentes, escolas e linhagens de Yoga!

O ideal, portanto, é que o praticante iniciante tenha claro para si mesmo quais são seus objetivos básicos nesse caminho. E, a partir daí, ir em busca de uma modalidade que mais se sintonize com as razões e intenções do praticante.

Nesse sentido, pesquisas indicam que entre 2012 e 2016, o número de americanos praticantes de Yoga praticamente dobrou e hoje eles são cerca de 36 milhões de pessoas. Pelo menos um em cada três americanos já experimentou algum tipo de aula de Yoga. E, ao redor do mundo, temos atualmente nada menos do que 300 milhões de praticantes de alguma das modalidades de Yoga.

Se você já é praticante e gostaria de saber mais a respeito, ou se, simplesmente, quer começar a praticar, mas ainda não sabe por onde, aproxime-se; puxe uma cadeira e venha tomar um delicioso chá com a gente!

Esse pequeno artigo traz os fundamentos das modalidades básicas do Yoga e, esperamos, que possa te ajudar na escolha da sua modalidade! Venha conferir!

As oito áreas presentes no Ashtanga Yoga são: Yama (auto-disciplina), Niyama (observância religiosa), Asana (postura psicofísica), Pranayama (controle da respiração), Pratyahara (abstração dos sentidos), Dharana (concentração), Dhyana (meditação) e Samadhi (estado de supra-consciência).

O que é Ashtanga Yoga?

Existe um mito, super infundado, de que o Ashtanga Yoga, por ser um Yoga “mais ativo”, não seria recomendado a todas as pessoas e nem aos iniciantes. Essa modalidade seria, portanto, de prática mais restrita. Nada mais longe da verdade!

Na clássica e seminal obra Bhagavad Purana, o Rishi Kapiladeva apresenta oito etapas modelares, ou “membros”, do sistema de Yoga. Em sânscrito, astha significa oito e anga, partes, etapas ou membros.

As oito áreas constituintes do Ashtanga Yoga são: Yama (auto-disciplina), Niyama (observância religiosa), Asana (postura psicofísica), Pranayama (controle da respiração), Pratyahara (abstração dos sentidos), Dharana (concentração), Dhyana (meditação) e Samadhi (estado de supra-consciência).

Tendo isso em mente, no século V, o sábio Patañjali, em sua fundamental obra Yoga-sutra, reafirma a existência dessas oito etapas modelares do sistema yogui e estabelece as bases do Yoga moderno, apresentando metodologia e teoria da prática yogui.

E é apenas no final da década de 1930, no século passado, que um importante mestre yogui, Krishnamacharya, e seu discípulo, Pattabhi Jois, descobrem na biblioteca da Universidade de Calcutá um antigo manuscrito sobre técnicas de Hatha Yoga aplicadas em seis séries específicas de posturas. Além dessas técnicas, o manuscrito trazia também referências sobre a sequência de asanas de Sürya Namaskar/Saudações ao Sol, explicitando detalhes de ritmo respiratório, que também é conhecido como Vinyasa.

E que tal você conferir dicas sobre o Bikram Yoga, também conhecido como Hot Yoga? Ficou curioso?

O Ashtanga Yoga popularizou-se rapidamente pelos EUA durante a década de 1990, ganhando muitos adeptos ao redor do mundo, sobretudo na Europa e Brasil.

Foi a partir desse material e de muita pesquisa e vivência no Yoga que o discípulo Pattabhi, falecido em 2009, aos 93 anos, desenvolve o seu sistema yogui conhecido como Ashtanga-vinyasa. Esse é um sistema de Yoga concebido como Hatha Yoga e seu foco é mais voltado à sequência rítmica dos asanas e pranayamas, o controle da respiração realizado de forma consciente.

Essa modalidade yogui populariza-se muito rapidamente nos EUA, durante a década de 1990 e, em seguida, na Europa e também no Brasil. Muitos estudiosos atribuem seu sucesso e boa aceitação ao estilo forte e dinâmico da prática dos asanas aliado a um acentuado ritmo da respiração. Algo até que se assemelha muito ao ritmo frenético dos grandes centros e megalópoles.

Aproveite e espie dicas sobre os fundamentos do Hatha Yoga!

O que é Yoga de Bikram?

Você já ouviu falar a respeito do Bikram Yoga, conhecido também como Hot Yoga?

Em anos recentes, essa modalidade tem bombado na França e em outros países europeus. Ela foca no desejo de cuidar do corpo e de se manter em uma condição física irrepreensível, ao mesmo tempo em que trabalha a mente, com a finalidade de se transformar em uma pessoa melhor.

Observe que o Yoga é uma prática milenar de integração entre corpo, mente e espírito, catalisadora de muitos benefícios para a vida e visão de mundo do praticante. Dito isso, o Bikram Yoga, em especial, tem se tornado uma das modalidades yoguis mais procuradas quando se trata de relaxar e se exercitar o corpo ao mesmo tempo.

Por utilizar o calor e se basear nas altas temperaturas praticadas na Índia, nação onde foi concebido, esse sistema permite maior flexibilidade ao realizar seus movimentos. Em outras palavras, torna-se muito mais fácil praticar o Yoga e não existe dor ao executar os diferentes asanas, as famosas posturas psicofísicas.

Esse sistema, aconselha-se, requer alguma prática prévia do praticante, pois envolve graus de dificuldade nos asanas. Portanto, não é muito recomendado a praticantes iniciantes. Segundo o praticante e estudioso Jonathan Martín, “as posturas de Yoga são pensadas para a temperatura na Índia e os benefícios que a vasodilatação causa pelo calor. O que tentamos fazer é reproduzir essas condições.” Por isso, a temperatura do ambiente é um fator diferencial em relação aos demais sistemas yoguis.

Em sua prática, Bikram, seu fundador, acabou descobrindo que os exercícios realizados em um ambiente em alta temperatura contribuem para uma maior conexão entre corpo e mente. Com o passar do tempo, ele foi notando significativa melhora em sua condição física e espiritual, assim como a diminuição da dor que sentia devido ao acidente sofrido.

Assim, ao longo dos anos e da vivência de sua própria técnica, Bikram desenvolveu um programa de 90 minutos de duração e 26 asanas, a serem realizados de maneira integral. Ademais, deve-se aliar as posturas a exercícios de respiração, executados também em um local com temperatura elevada.

Confira ainda dicas a respeito dos fundamentos do Vinyasa Yoga!

Esse sistema yogui consiste em 26 asanas e 2 exercícios respiratórios, pranayamas, realizados em um ambiente que simule as condições de partes da Índia, entre 38 e 40º Celsius.

Em suma, cada um dos asanas visa tratar um sistema do corpo diferente. Essas posturas psicofísicas são concebidas especificamente por reunir equilíbrio, respiração e diferentes exercícios de alongamento sob o tapete de Yoga. Embora não seja considerada uma modalidade muito difícil, é necessário o cultivo da força nos braços e pernas a fim de se realizar os asanas de forma adequada.

Além disso, recomenda-se muita hidratação antes à prática, como já dito, e o uso de roupas confortáveis e leves, para que o praticante sinta-se à vontade e suporte o calor do ambiente.

A média de perda de líquido durante uma aula é de um litro, portanto, hidratar-se bem antes é fundamental. Note que o corpo encontra um ambiente mais propício para a eliminação das toxinas através do suor e do aquecimento interno.

Agora que você já conhece um pouco melhor sobre essa modalidade yogui, que tal alavancar ou aprofundar sua própria prática? Uma das melhores formas de se encontrar um professor ou instrutor experiente para começar suas aulas de Yoga para iniciantes, ou curso de Yoga em qualquer nível, é em nossa comunidade Superprof!

E quem sabe você não anima a também praticar Yoga online ou Yoga em casa? Com a orientação de bons professores, seu curso de Yoga pode avançar bastante! Já pensou nisso?

Quais são os princípios do Hatha Yoga?

O Hatha Yoga, sistema de Yoga introduzido pelo Yogui Swatmarama, nos idos do século 15 na Índia, é o mais popular do mundo e também o mais fácil de ser praticado, já que se adapta a todo tipo de pessoa e a qualquer idade.

Essa modalidade embasa-se muito no fortalecimento do corpo físico e assim o faz através dos asanas, cujo repertório de posturas pode vir a ser bastante diversificado.

Os asanas são diferentes posturas psicofísicas criadas com o objetivo de melhorar a saúde e remover ou evitar o desenvolvimento de doenças no corpo físico, energético e sutil, já que os mesmos trabalham também o prana, a energia sutil distribuída pelo corpo humano.

De origem no sânscrito, a palavra asana significa “sentar” e, superficialmente, se refere à postura adquirida pelo corpo durante sua execução. Além disso, “sentar” também assume um outro significado em relação à posição do nosso corpo e a divindade.

“Sentar” os nossos pensamentos e a nossa mente também pode se aplicar a esse caso, já que os asanas foram criados para atingir um estado mental mais calmo, facilitando se atingir estados meditativos.

A prática do Hatha Yoga integra posturas psicofísicas (asanas), exercícios de respiração (pranayamas), meditação, concentração e relaxamento (dhyana e dharana).

Em resumo, os estudiosos dizem que, por meio da prática frequente e disciplinada dos asanas, é possível desenvolver flexibilidade, força de vontade e concentração e, em decorrência, essa atividade contribui para atingir estágios avançados de meditação.

Já em relação ao pranayama, a disciplina do controle da respiração, muito também pode ser dito e experimentado. Em sua origem também no sânscrito, prana significa “energia vital” e ayama,controle ou disciplina“.

Portanto, podemos dizer que pranayama é a ciência do controle da respiração e um dos pilares fundamentais do Hatha Yoga, assim como o de muitas modalidades de Yoga.

Como o Vinyasa Yoga é praticado?

Muitos estudiosos codificam a palavra sânscrita Vinyasa como contendo o prefixo vi, que significa “variação” e o sufixo nyasa,colocar, fixar“, resultando em tipos de “arranjos, disposições; conectar, colocar junto“. De forma geral, seria como se Vinyasa Yoga juntasse diversas partes em um todo conciso, fluido, dinâmico, no qual cada pedaço encontra-se bem conectado e alinhado com o todo.

Talvez fique mais fácil caso você imagine uma escada com muitos degraus. Caso você queira chegar ao último degrau, não poderá pular nenhum anterior, pois o mesmo faz falta. Então, o que fazer? Resta-nos subir degrau por degrau até alcançarmos o patamar final.

Em outras palavras, essa “progressão” inteligente, que conta com início-meio-fim, se chama Vinyasa Krama. Para que ela tenha efeito, existem três passos importantes: 1) saber onde se está, 2) saber aonde se deseja chegar e 3) estipular o caminho ou o que deve ser feito para se chegar lá.

De forma análoga, o Vinyasa Krama ou a progressividade é a própria essência do Vinyasa Yoga, pois quem o pratica procura aproveitar ao máximo possível as diferentes combinações que um asana ou conjunto de asanas podem resultar em benefícios ao praticante. Ademais, as sequências são desenvolvidas de forma que cada um dos asanas anteriores sirva como preparação ou contribuição para as posturas que se seguirão.

Outra especificidade do Vinyasa Yoga é a super atenção depositada no processo respiratório. Normalmente, uma pessoa, sem a devida atenção, realiza cerca de 15 a 20 respirações por minuto. Contudo, nessa modalidade em específico, o número de respirações tende a cair significativamente, já que seus movimentos são lentos e conscientes.

Aproveite e confira nossas dicas sobre o Ashtanga Yoga!

Como muitas outras modalidades de Yoga, o Vinyasa Yoga tem sua origem no Hatha Yoga, mas distingue-se desse através das suas transições e planejamento das posturas, de características bem próprias.

É interessante observar que muitas pessoas reclamam não possuírem a concentração ou paz de espírito necessárias para controlar os pensamentos e, dessa forma, adentrarem um estado mais profundo de consciência.

Contudo, quando se pratica Vinyasa Yoga de forma constante e adequada, o praticante ultrapassa essa dificuldade, já que a mente é fortemente trabalhada através do emprego de uma respiração controlada, com fluxo dinâmico e contínuo dos asanas, o que contribui para a liberação das tensões físicas, e amarras mentais. Esse estado auxilia na apreciação da tão desejada felicidade interior.

A médio e longo prazos, essa prática yogui pode ajudar você a desenvolver e cultivar uma conexão corpo-mente-espírito muito mais profunda e, assim, trabalhar significativamente os aspectos físico e mental. Ademais, pelo fato de a respiração ser também parte fundamental à prática, a capacidade pulmonar, cardíaca e a resistência aumentam consideravelmente.

A curto prazo, o Vinyasa Yoga, além de aprimorar a força e a flexibilidade físicas, melhora a concentração na respiração e no corpo físico. Já nas primeiras aulas você perceberá o surgimento de uma nova atitude mais consciente e pacífica no seu dia a dia.

Note que a estrutura da aula é de sequência fluida e vai em um progressivo crescendo. Cada movimento sincroniza-se com a respiração numa composição previamente preparada a cada aula. Seu principal objetivo é o de alinhar a respiração com o corpo e a mente.

As inspirações e expirações são, cada uma, guiadas através da atuação criativa do Flow, como também, às vezes, é chamada essa modalidade yogui.

E você, gosta de movimentos rítmicos? Não liga para o suor? Quer conhecer melhor as posturas e o ritmo constante e fluido da prática de Vinyasa Yoga?

Opa, agora que você já sabe um pouco mais a respeito dessa modalideda de Yoga, que tal arregaçar as mangas, preparar o tapetinho e comecar a praticar? Com toda a certeza essa prática lhe trará vários benefícios e poderá até mudar o seu olhar sobre o mundo e a vida!

Compartilhar

Nossos leitores adoram esse artigo
Este artigo te trouxe as informações que procurava?

Nenhuma informação ? Sério ?Ok, trabalharemos o tema num próximoNa média, ufa !Obrigado. Deixe suas dúvidas nos comentários.Estamos muito felizes em te ajudar ! :) (Seja o primeiro a avaliar)
Loading...
avatar