Piano acústico, teclado arranjador, órgão, sintetizador.... Se você se interessa e deseja aprender um instrumento de teclas, ou então se pretende começar a fazer suas aulas de teclado, é muito importante conhecer todas as modalidades deste tipo de instrumento e saber identificar as características específicas de cada um.

A equipe da comunidade Superprof escreveu este artigo para esclarecer suas dúvidas básicas em relação a este maravilhoso universo das teclas!

Fernando
Fernando
Profe de Piano
5.00 5.00 (48) R$120/h
1a aula grátis!
Vitor
Vitor
Profe de Piano
5.00 5.00 (19) R$85/h
1a aula grátis!
Rebeca
Rebeca
Profe de Piano
5.00 5.00 (10) R$35/h
1a aula grátis!
Matheus
Matheus
Profe de Piano
5.00 5.00 (10) R$80/h
1a aula grátis!
Crhistoffer
Crhistoffer
Profe de Piano
5.00 5.00 (12) R$40/h
1a aula grátis!
Juliana
Juliana
Profe de Piano
4.76 4.76 (17) R$30/h
1a aula grátis!
Alberto
Alberto
Profe de Piano
5.00 5.00 (12) R$80/h
1a aula grátis!
Davi
Davi
Profe de Piano
5.00 5.00 (8) R$70/h
1a aula grátis!

Quais as diferenças entre o piano acústico e o teclado?

Você sabia que a Família Real Portuguesa incentivou enormemente o uso do piano (pianoforte) no Brasil?

Ao todo, o piano possui 88 teclas, 7 oitavas e 1/4 de oitava. Seu mecanismo de funcionamento é acústico: quando as teclas são acionadas, existe uma peça chamada martelo que atinge as cordas e faz as notas vibrarem.

Dentro do instrumento, há um prolongamento da tecla do piano, que forma uma espécie de alavanca. Quando a tecla está em repouso, o martelo permanece abaixado. Quando a tecla é pressionada, seu prolongamento sobe e o martelo atinge uma corda, que vibra e produz o som. Se o pianista bate forte na tecla, o martelo atinge a corda com força, gerando um som mais intenso.

Pedais são também um componente importante do piano. Os pianos têm geralmente dois ou três pedais:

  • Pedal de sustentação: sua função é a de prolongar a duração das notas.
  • Pedal central: responsável por deixar o som em menor intensidade.
  • Pedal surdina: sua função é suavizar os sons emitidos pelo piano.

Conheça os diferentes tipos de piano:

  • piano de cauda tem a armação e as cordas colocadas horizontalmente. Necessita por isso de um grande espaço pois é bastante volumoso. É adequado para salas de concerto com tetos altos e boa acústica. Existem diversos modelos e tamanhos, entre 1,8 e 3 m de comprimento e 620 kg.
  • piano vertical tem a armação e as cordas colocadas verticalmente. A armação pode ser feita em metal ou madeira. Os martelos não beneficiam da força da gravidade.
  • Há ainda o piano digital, que difere dos teclados digitais por simular a sensação das teclas dos pianos acústicos, e por simular também um piano comum em sua estrutura externa. Apesar de sua estreita semelhança com os pianos acústicos no que diz respeito ao som e às teclas, possui vantagens como a capacidade de alterar o volume do piano e também permitir o uso de fones de ouvido.

Já o termo genérico teclado se refere ao instrumento de teclas cujo mecanismo de funcionamento é digital e eletrônico. Ele surgiu no final dos anos 50 com os órgãos eletrônicos, instrumentos de dois teclados e pedaleira. Foi apenas no início dos anos 80 que alguns fabricantes criaram o órgão eletrônico portátil, que se tornou o teclado tal qual o conhecemos hoje.

Dotado de teclas bem mais leves que as do piano, o teclado tem no máximo 5 oitavas. Em geral, possui uma grande variedade de timbres e recursos digitais, podendo simular diferentes instrumentos como o cravo, o órgão e até o piano.

Bem, como podemos ver acima, a principal diferença esses dois instrumentos musicais é que o piano é um instrumento acústico (o som é produzido por cordas acionadas por pequenos martelos ligados às teclas), enquanto o teclado é um instrumento eletrônico.

Outra diferença importante é que o piano possui 7 oitavas, enquanto a maioria dos teclados possui apenas 5. Portanto, o teclado possui menos teclas e menos amplitude. No entanto, em geral o teclado consegue reproduzir o timbre de diversos instrumentos, inclusive o do piano.

Quais as diferenças entre piano e órgão

O órgão ocupa um lugar de destaque na Liturgia Cristã, quer na Igreja Católica, quer nas Igrejas Reformadas. Tem por objetivo o enriquecimento do culto através da arte musical.

Bem, já vimos as características do piano mais acima.

Já o órgão é considerado um dos instrumentos mais antigos de toda a música ocidental e o primeiro dos instrumentos de teclas.

E as diferenças entre os dois instrumentos são muitas. O órgão é um instrumento tocado por meio de um ou mais manuais (teclados) e uma pedaleira. O seus sons são emitidos graças à passagem do ar sob pressão por dentro de seus tubos, que tem seu mecanismo acionado pelos teclados.

As dimensões de um órgão podem ser muito variáveis, e se estendem desde um pequeno órgão de móvel até órgãos do tamanho de casas de vários andares. Um grande-órgão moderno tem normalmente 3 ou 4 manuais de cinco oitavas cada, e uma pedaleira de duas oitavas e meia. Mas as duas práticas são recorrentes: se constroem órgãos de pequeno teclado e instrumentos enormes de vários teclados e milhares de tubos.

O seu espectro sonoro é o mais amplo de todos os instrumentos: varia imensamente em timbre, altura do som e amplitude sonora (volume). Os diversos timbres encontram-se divididos de acordo com filas e são controlados pelo o uso de registros. O teclado não é expressivo, mas é possível criar variados efeitos através da articulação. O som de um tubo permanece constante enquanto a tecla é premida.

Além disso, devido a suas características acústicas e técnicas, o órgão é ideal para acompanhar vozes humanas: é por isso que é amplamente utilizado em cerimônias religiosas, governamentais, recitais e assembleias.

Já o piano, como o cravo, possui cordas, e para vibrá-las é preciso pressionar as teclas. É a vibração das cordas que gera o som. O mecanismo de funcionamento é mecânico: o martelo gera um impacto nas cordas toda vez que o pianista toca uma tecla. Além disso, é possível controlar a intensidade e força com a qual cada corda é percutida. Em geral, o piano possui 88 teclas, e também possui os famosos pedais, que servem para prolongar, suavizar e até abafar a vibração das cordas.

Existe diferença entre piano e cravo?

Quer fazer uma aula de teclado?

Existe diferença entre piano e cravo?
Conheça as características dos dois instrumentos de teclado.

As diferenças entre piano e cravo são relativamente simples. O piano e o cravo, por exemplo, são instrumentos de cordas, que se opõem ao órgão, que não possui cordas. Aliás, o mecanismo de funcionamento do órgão acontece pela passagem de ar por tubos, e cada um deles produz um timbre diferente.

Já o piano possui cordas, e para vibrá-las é preciso pressionar as teclas. É a vibração que gera o som. O mecanismo de funcionamento é mecânico: o martelo gera um impacto nas cordas toda vez que o pianista toca uma tecla. Além disso, é possível controlar a intensidade e força com a qual cada corda é percutida. Em geral piano possui 88 teclas, e também possui os famosos pedais, que servem para prolongar, suavizar e até abafar a vibração das cordas.

Por fora, a diferença do cravo em relação ao piano é o fato de este não possuir pedais e em geral ser menor. Na verdade, suas teclas são mais finas que as do piano. Mas a grande diferença reside no mecanismo de funcionamento. No cravo, em vez de serem marteladas, as cordas são “pinçadas – para se ter uma ideia, imagine a maneira com a qual beliscamos as cordas de uma harpa ou de um violão.

Repare que com esse mecanismo, não é possível para o cravista ter o controle da intensidade e da força do som emitido. O som é sempre o mesmo, não importa o quanto você pressione suas teclas. Esse fato faz com que o cravo forneça um som muito característico aos nossos ouvidos, algo que se torna aos poucos muito familiar e bem-vindo, mesmo quando de início haja algum estranhamento do timbre.

Que tal fazer um curso de teclado online?

Fernando
Fernando
Profe de Piano
5.00 5.00 (48) R$120/h
1a aula grátis!
Vitor
Vitor
Profe de Piano
5.00 5.00 (19) R$85/h
1a aula grátis!
Rebeca
Rebeca
Profe de Piano
5.00 5.00 (10) R$35/h
1a aula grátis!
Matheus
Matheus
Profe de Piano
5.00 5.00 (10) R$80/h
1a aula grátis!
Crhistoffer
Crhistoffer
Profe de Piano
5.00 5.00 (12) R$40/h
1a aula grátis!
Juliana
Juliana
Profe de Piano
4.76 4.76 (17) R$30/h
1a aula grátis!
Alberto
Alberto
Profe de Piano
5.00 5.00 (12) R$80/h
1a aula grátis!
Davi
Davi
Profe de Piano
5.00 5.00 (8) R$70/h
1a aula grátis!

Os diferentes tipos de teclado digital

Ao contrário do que muitos podem pensar, o teclado é um instrumento que surgiu há poucos anos e teve ume evolução muito rápida e ampla. Hoje em dia, o termo teclado abrange uma grande diversidade de instrumentos de teclas, cada um com sua função, suas características, sua forma e finalidade.

Dotado de teclas bem mais leves que as do piano, o teclado alcança, no máximo, 5 oitavas. Em geral, possui uma grande variedade de timbres e recursos digitais, podendo simular diferentes instrumentos como o cravo, o órgão e até o piano.

  • Teclado arranjador: mais popular no Brasil, é dotado de diferentes estilos de acompanhamento musicais (pop, jazz, rock, balada, samba, bossa nova, dance, e muitos outros), acompanhados por parte rítmica (bateria), baixo, strings, cordas (violão, guitarra), metais (trompete, trombone, etc.). Uma das grandes vantagens deste tipo de teclado é: seu preço acessível para iniciantes, a possibilidade de tocar sozinho e a portabilidade.
  • Teclado sintetizador: pode ser considerado como um teclado de nível mais avançado do que o arranjador. É um instrumento de teclas cuja função é produzir sons gerados artificialmente, usando diversas técnicas. Ou seja, enquanto um arranjador é especialista em ritmos e acompanhamentos, um sintetizador é voltado para timbres.
  • Teclado controlador: o controlador na maioria das vezes não possui timbres, e tem a simples finalidade de controlar outros instrumentos digitais através de MIDI (comunicação entre instrumentos digitais). Ele pode controlar uma bateria eletrônica, computadores, módulos de som, etc.
  • O objetivo do piano digital é produzir sons do piano acústico. Esses sons são guardados digitalmente na memória do teclado. Portanto, suas teclas são mais pesadas, os timbres são de piano e existem os pedais. A única diferença é que o instrumento não é acústico, mas digital. A desvantagem do piano digital em relação aos teclados é que ele tem poucos timbres, além de ser de difícil transporte, pois é pesado.
  • As workstations são estações de trabalho, ou seja instrumentos muito mais complexos. Além de serem teclados completos, envolvem síntese de sons e sequenciadores para composição, arranjos de partes musicais ou peças musicais completas.

Procurando por uma aula de teclado para iniciantes?

Lembre que existem vários tipos de instrumentos de teclas pelo mundo e não apenas o piano ou órgão, os exemplos mais famosos.

Entendendo os diferentes mecanismos de funcionamento

Só para que não fique nenhuma dúvida a respeito, um instrumento de teclas, lembre, é qualquer instrumento musical que seja tocado utilizando-se um teclado musical. Aqui no Ocidente, temos o piano e os diferentes tipos de teclado como os mais conhecidos. No entanto, as modalidades de instrumentos de teclas são bem numerosas ao redor do mundo, como você verá logo abaixo.

De forma genérica, clavier é um termo técnico referente a quaisquer instrumentos de teclas. Foi especialmente usado no século XVIII e também anteriormente, na Alemanha e restante da Europa, para se referir ao cravo, clavicórdio e órgão de tubos, indiscriminadamente.

Já o teclado é o nome dado ao grupo de alavancas, chamadas teclas, dispostas de forma ordenada para permitir que o músico trabalhe uma escala musical.

Como já dissemos, no teclado cada tecla ativa uma nota diferente. Na maioria das vezes, as teclas orientam-se das com as notas mais graves à esquerda às notas mais agudas, à direita. Devido a cada instrumento em específico, as teclas podem estar atreladas a um mecanismo de funcionamento diferente:

  • Quando ativam um mecanismo como um martelo para percurtir cordas (por ex., um piano), ou um mecanismo como uma tangente para a mesma finalidade (por ex., num clavicórdio),
  • Quando ativam um mecanismo como um martelo para percurtir lâminas metálicas (por ex., numa celesta),
  • Quando ativam um mecanismo como um plectro para beliscar cordas (por ex., num cravo),
  • Quando ativam uma válvula para permitir que o ar oriundo de um fole seja conduzido para e através de um tubo (por ex., num órgão),
  • Quando ativam uma válvula permitindo que o ar fornecido por um fole acione uma palheta a vibrar (por ex., num acordeão),
  • Quando instrumentos eletrônicos podem ativar certos componentes eletrônicos para que estes produzam uma determinada nota (por ex., num sintetizador),
  • Quando teclados de controle que não servem para fazer soar nota alguma, mas, sim, apenas para transmitir informação (por ex., por meio MIDI) para outros instrumentos a respeito da nota a ser tocada. MIDI: Musical Instrument Digital Interface se refere a um padrão de interconexão física (interface digital, protocolo e conexão) e lógica, criado por um consórcio de fabricantes de sintetizadores americanos e japoneses. Ele facilita a comunicação em tempo real entre os instrumentos musicais eletrônicos, computadores e dispositivos afins.
Você sabia que a forma das teclas também varia conforme o instrumento? As teclas de um piano são mais compridas e mais altas, muito bem adaptadas às técnicas de execução onde se exige uma maior sensibilidade ao toque ("teclado pesado"). Já as teclas do órgão, contrariamente, são adaptadas a outras técnicas de execução ("teclado ligeiro").

Entendendo os diferentes números de teclas dos instrumentos musicais

Quando o assunto é teclas, você já pode entender que essa é uma área bem ampla e diversa, nesse mundo dos instrumentos de teclas. O básico é sabermos que o número de teclas varia de instrumento para instrumento. E às vezes, varia até no próprio instrumento, mediante os modelos diferentes que ele possa vir a apresentar.

O teclado das celestas, por exemplo, geralmente costuma ter 49 teclas, organizadas em 4 oitavas, de Dó a Dó. Já o teclado dos cravos possue 61 teclas, organizadas em 5 oitavas, de Fá a Fá. Em compensação, os teclados dos pianos modernos vêem com 88 teclas, como já dissemos, organizadas em 7 oitavas, de Lá a Dó. E, por fim, o teclado dos sintetizadores costumam vir com 61 teclas, organizadas em 5 oitavas de Dó a Dó.

E é bom a gente lembrar também que existem instrumentos que possuem mais do que um teclado, e são denominados manuais. Existem alguns cravos, por exemplo, que possuem dois manuais. E, acredite ou não, certos órgãos podem ter até cinco manuais, além de um teclado especialmente destinado a ser executado com os pés, chamado de pedaleira.

Em relação ao formato das teclas, existem também variações. Normalmente são feitas em duas cores que se contrastem. A teclas maiores costumam ser claras e ficam dispostas de acordo com uma escala diatônica de Dó maior. As teclas menores geralmente são escuras e ficam alocadas entre algumas das teclas maiores, perfazendo uma escala cromática completa.

No entanto, nem sempre isso é regra. Em alguns instrumentos, como o cravo, por exemplo, as teclas maiores podem ser as mais escuras e as menores, as mais claras. Portanto, fique atento!

Outra característica das teclas que também pode variar é a sua forma. Observe que as teclas de um piano são mais compridas e mais altas e encontram-se adaptadas à técnicas de execução onde uma maior sensibilidade ao toque é exigida ("teclado pesado"). Contrariamente, por exemplo, às teclas do órgão, mais adaptadas a diversas técnicas de execução ("teclado ligeiro").

Além disso, existe um segmento de teclados adaptados às crianças, de dimensões mini e micro, fruto do desenvolvimento de tecnologias de miniaturização.

Hoje em dia os teclados atuais vêm com várias facilidades, como as telas de cristal líquido (LCD), vozes e estilos altamente realísticos e até mesmo gravações MIDI sintéticas.

Lista de instrumentos de teclas

Você sabia que o órgão, o clavicórdio e o cravo estão entre os instrumentos de teclas mais antigos já inventados? Entre eles, o órgão, sem dúvida, é o mais antigo, surgindo por volta do século III a.C. À época chamado de hidraulo, ele ainda não utilizava um teclado no sentido moderno de como o conhecemos hoje.

E é interessante notarmos que desde sua invenção até o século XIV, o órgão permaneceu como o único instrumento de teclas. E, em algumas vezes, ele nem possuía teclas, mas botões e alavancas que podiam ser operados com a mão. De forma em geral, quase todo o teclado até o século XV contava com sete notas naturais – sem sustenidos ou bemóis – em cada oitava.

Já o clavicórdio e o cravo surgiram no século XIV, sendo o primeiro, provavelmente, o mais antigo. Várias pesquisas apontam que durante o seu desenvolvimento, uma tecla Si bemol foi adicionada para remediar o trítono ente o Fá e o Si. Com o tempo, outros semitons foram igualmente acrescentados.

Esses instrumentos imperaram, sendo muito utilizados, até a adoção do piano a partir do século XVIII, que revolucionou os instrumentos de tecla. A partir de agora o pianista poderia variar o volume, a dinâmica, variando o vigor com o qual cada tecla é pressionada.

O nome completo que o piano ganhou foi gravicèmbalo con piano e forte, o que significa cravo com suave e forte. Sendo encurtado para piano-forte ou suave-forte em italiano.

Pensando nisso, segue abaixo uma lista de instrumentos de teclas. Observe, cuidadosamente, a farta oferta de instrumentos dessa modalidade:

  1. Cordofones (clavicórdio, cravo, clavinet, espineta, cembalo, piano);
  2. Aerofones (acordeão, concertina, harmônico, escaleta, órgão);
  3. Idiofones (carrilhão, celesta);
  4. Eletrofones (piano digital, órgão eletrônico, mellotron, ondas Martenot, sintetizador, sampler).

Além disso, já há muitas décadas, um intenso esforço tem sido voltado à busca de um instrumento que soe como o piano, mas sem seu peso e tamanho. Tivemos o piano elétrico e o piano eletrônico que, embora tidos como esforços iniciais, ainda não foram bem sucedidos em reproduzir de maneira convincente o timbre do piano.

E aí, agora que você já está um pouco mais versado nas diferenças e características dos principais instrumentos de teclas, que tal ir um pouco mais a fundo e experimentar por si mesmo ou mesma?

Em nossa vibrante comunidade Superprof você poderá encontrar os melhores profissionais da área e professores de piano ou teclado ou sintetizadores que circulam próximos à sua casa, de forma segura, rápida e descomplicada. Basta que você faça uma busca um pouco mais detalhada em nossa plataforma e escolha uma das opções dos profissionais disponíveis.

Entre em contato com ele ou ela, agende sua primeira aula gratuita e se inicie nesse mundo tão fantástico dos timbres e notas de piano clássico, teclado, acordeão, e qual mais seja o instrumento de teclas de sua preferência!

E, lembre-se, aprender um novo instrumento é algo que opera a nossa criatividade, motivação, disciplina, foco, atenção, assim como experimentação e superação de nossos próprios conhecimentos e habilidades na área.

Enfim, tocar piano clássico ou teclado, além de estimular seu cérebro e sua criatividade, é algo, ainda hoje, muito bem cotado entre todos. Amigos, namorados, esposas, família, conhecidos, todo mundo se derrete ao som de um piano bem tocado e imagine se tocado por você!

Precisando de um professor de Piano ?

Você curtiu esse artigo?

5,00/5, 1 votes
Loading...

Fernanda

Apaixonada por educação, música e cinema, é especialista nos encontros e desencontros das línguas.