Aulas particulares Idiomas Música Apoio Escolar Esporte Artes e Lazer
Compartilhar

O mundo masculino também sabe costurar!

De Camila, publicado dia 26/06/2018 Blog > Artes e Lazer > Costura > Homens no mundo da costura

A costura é uma atividade “historicamente” e culturalmente considerada como uma prática feminina, mesmo com as mulheres nunca tendo apresentado nenhuma predisposição particular para a atividade.

Muitos pesquisadores trabalham para entender a relação de gênero que existe entre estas duas partes. Exemplo disso no Brasil é o texto publicado por Frasquete e Simili intitulado “A moda e as mulheres: as práticas de costura e o trabalho feminino no Brasil nos anos 1950 e 1960”. 

A partir da análise de publicações da época destinadas ao sexo feminino, tais como “O Jornal das Moças” (periódico com orientações sobre moda, costura, casa, etc.) e o “Método Vogue” (curso de corte e costura distribuído pelos Correios), as pesquisadoras objetivam “compreender as concepções que nesse período relacionaram o ensino do corte e costura às mulheres“, explorando “o corte e costura associado à imagem feminina, sua difusão midiática e sua contribuição para a educação e para o trabalho feminino profissional e doméstico.”

O cenário atual é bem diferente daquele de algumas décadas atrás: a costura tornou-se muito mais jovem e nunca houve tanto interesse em se costurar, bordar ou fazer roupas (na tendência do famoso DIY (Do It Yourself): faça você mesmo).

Hoje em dia, a costura também é cada vez mais praticada pelos homens.

A disciplina tornou-se mais aberta e democrática, um pouco como cozinhar.

Saiba tudo sobre o mundo de corte e costura!

Descubra como a costura evoluiu, de suas origens para as tendências atuais, e como os homens começaram a fazer parte deste grupo, antes considerado unicamente feminino.

Costura e mulheres: uma história antiga

Costurar é coisa de mulher” ou “homens não entendem de corte e costura nem de moda“. Essas são frases que ainda hoje escutamos sair da boca de várias pessoas.

Conservadores costumam definir uma mulher “virtuosa” como:

“Reservada, discreta – até mesmo um pouco apagada – e que fale pouco. No entanto ela é uma ótima costureira.”

Mulheres modernas, independentes e com um mínimo de feminismo dentro de si devem ter começado a tremer (de raiva e indignação) ao ler tal afirmação.

Para aqueles que ainda têm um mentalidade do século XIX, temos apenas uma verdade a contar: tal afirmação é extremamente FALSA!

Além de generalizar todo e qualquer tipo de mulher como obrigadas a possuir as mesmas habilidades para serem consideradas “virtuosas”, tal afirmação deve ser colocada em um contexto sexista e atrasado no qual eram consideradas destinadas a se tornarem donas de casa, a ter um belo casamento e a cuidar de várias tarefas domésticas cotidianas como costura, cozinha e manutenção da casa.

Que tal aprender a manusear uma máquina de overlock?

A costura antigamente: ao redor do mundo

Na Grécia antiga, uma sociedade patriarcal, a costura era uma atividade reservada exclusivamente às mulheres.

Lembre-se de que, na Idade Média, as meninas tinham acesso diferente à educação, dependendo de sua posição social.

As mães eram as principais professoras das filhas, às quais ensinavam costura, história religiosa e bordados.

Te ajudamos a decifrar o vocabulário do universo de corte e costura

Homens não só costuram como também bordam e tricotam! Muitos homens no mundo da costura são muito bons de trabalho!

Quanto aos meninos, eles eram igualmente educados de maneira diferenciada, o que também dependia da posição social em que suas famílias se encontravam. O mais nobres recebiam uma educação “letrada”, enquanto os mais simples eram treinados pelos pais no cultivo de plantações e na criação de animais.

França, o país que abriga a capital mundial da costura!

Como a costura se desenvolveu na França – e mais especificamente em Paris, atualmente considerada a capital da moda?

Durante o Segundo Império (1852-1870), fora criada a primeira escola profissionalizante para meninas no país de Napoleão.

Te damos uma única chance para tentar adivinhar qual a especialidade do ensino….. Costura, claro!

Elisa Lemonnier, educadora francesa e senhora culta, fora a responsável não só pela escola de costura, mas também pela criação de outras escolas vocacionais para mulheres como as de comércio, artes industriais de luxo e música.

Quer fazer um tour pela grande história da costura e da moda?

Sexismo

Atualmente, com o desenvolvimento e avanço da sociedade francesa – e da nossa também! – é preciso entender que reservar atividades que sejam exclusivas para meninos ou meninas é uma atitude sexista! E isso, sem a menor sombra de dúvidas, já está mais do que comprovado que é um erro!

Qual o problema de uma mulher trabalhar em uma construção e um homem em um ateliê de costura?

Por que um homem que gosta de costurar seria melhor em um campo de obras do que uma mulher que adora a área de construção civil?

Por que um mulher deve saber costurar, cozinhar e limpar e não um homem?

Depois de muita luta e de muita “água por debaixo da ponte” em debates sobre o sexismo, hoje, praticamente todos os negócios estão abertos a homens e mulheres.

Independente do sexo, qualquer um pode abrir um atelier de costura e isso não choca ninguém.

Homens também sabem costurar! A presença masculina é cada vez maior no mundo da costura.

Conheça um pouco mais sobre a vida de grandes personalidades que marcaram a alta costura.

A costura cada vez mais jovem

Um levantamento feito recentemente em uma escola parisiense (mais uma vez, nada melhor do que citar dados da capital da costura quando o assunto é corte e costura) mostrou que existe uma rejuvenescimento acontecendo dentro da área de corte e costura.

Dos 2.000 alunos, temos todas as gerações, de mulheres ativas com menos de 35 anos sem filhos, passando por futura mãe em licença maternidade, à mulher em reciclagem vocacional e à jovem que quer entrar para uma escola de moda“, contou Isabelle Szedleski, uma das fundadoras do ateliê “Cours des Créateurs“.

No entanto, as turmas do ateliê ainda são predominantemente femininas, com uma média de 1 homem para cada 9 mulheres.

Você já escutou falar em entretela termocolante nas suas aulas de corte e costura?

Por que os homens não vão às aulas de costura?

Muitos têm medo de se ridicularizar frequentando um curso “majoritariamente feminino”; outros preferem seguir o “fluxo”, se conformando com uma formação “mais masculina”. Tal mentalidade pode, muitas vezes, gerar infelicidade por a pessoa não se permitir a dedicação a uma ocupação à qual realmente se gosta e se tem o dom.

Nem todos os grandes estilistas eram especialista em costura antes de começarem seus estudos na área. Muitos aprenderam o básico e fizeram aulas de costura no início da carreira, assim como todo jovem profissional que se forma em uma determinada profissão!

As máquinas de costura também rejuvenesceram

As vendas de máquinas de costura também passaram por uma onde de rejuvenescimento. Pelo menos é o que dados de uma pesquisa indicam:

“80% da clientela de Signer tinha mais de 50 anos na década de 2000. Hoje, mais e mais adolescentes e pessoas entre 30 e 40 anos compram de máquinas de costura, que também tiverem seu preço médio reduzido.”

Como Philippe Lerutih, um dos presidentes da famosa marca Singer na capital mundial da costura, explica tal fenômeno:

Em 2013, a marca vendeu mais de 219 mil máquinas de costura na França, com preços variando de 100 a 2.500 euros. A máquina do século 21 é eletrônica, fala, tem uma tela ‘screentouch’, um ‘enfiador’ automático de linha nas agulhas, um portal USB, e ainda pode-se baixar programas de bordado via internet.

As máquinas de costura, portanto, se atualizam para atender uma clientela cada vez mais digital. Esta é também uma excelente maneira de atrair jovens consumidores, entusiastas de tecnologia e de equipamentos de informática de ponta.

Ainda bem que o mundo da moda não é mais sexista. Hoje em dia, ambos os sexos podem obter sucesso no mundo da moda e da costura.

Aprenda a fazer uma costura francesa!

Os homens também são grandes costureiros

Costura não tem sexo. Os estilistas que marcaram – e ainda marcam – o mundo da moda com sua criatividade e talento são uma prova viva disso. Karl Lagerfeld, Giorgio Armani e Tom Ford são alguns dos nomes masculinos que se destacaram no século XX e são inegavelmente parte da história da alta-costura.

Uma prova viva de que a alta costura e a moda não são exclusividade das mulheres, são os 5 grandes estilistas apresentados abaixo.

Valentino Garavani

Estilista italiano, fundador da empresa e da marca Valentino. Ele estudou na Escola do Sindicato da Câmara de Costura.

Se você for interessado em se aprofundar na história da costura, aqui vai um ótimo tema para pesquisa: com 85 anos, em 2002, a marca foi comprada por Marzotto, embora Valentino tenha mantido o cargo de diretor artístico de todas as coleções por mais 5 anos.

O estilista ainda fez uma ponta no filme “O Diabo Veste Prada“, interpretando nada mais, nada menos que… ele mesmo!

Você sabia que o Pinterest pode ser ótimo para ideias em corte e costura?

Karl Lagerfeld

Este nativo de Hamburgo (Alemanha) e conhecido por sua aparência inimitável (cabelos grisalhos puxados em rabo-de-cavalo, óculos escuros e terno cinza), é diretor artístico da casa de alta costura Chanel.

Na época em que Lagerfeld se tornou o homen à frente da casa de moda mais famosa do mundo em 1983, a marca Chanel estava à beira da falência.

Ele é quem escolhe a modelo Innès de La Fressange para dar uma nova vida às coleções da marca. Esta jovem modelo é também a primeira a assinar um contrato exclusivo com uma casa de moda e a tornar-se uma grande celebridade do mundo da moda.

Lagerfeld consegue, então, colocar a casa Chanel de volta ao topo, tanto no meio da costura como em outras atividades ligadas à ela.

O estilista alemão também dirige sua própria marca de moda, que leva seu nome, assim como a marca italiana Fendi.

Lagerfeld parece insaciável, pois também é editor de livros e, quando lhe apetece, atua de fotógrafo de moda e publicidade.

Além da Chanel, Lagerfeld ainda comanda sua marca própria e a italiana Fendi. A gigante Chanel possui um homem no comando e ele se chama Karl Lagerfeld!

Tom Ford

Este estilista americano se tornou famoso ao assumir a posição de diretor artístico da marca de luxo Gucci. Antes disso, ele era  responsável pela criação da linha prêt-à-porter da marca Yves Saint Laurent.

Em 2005, Tom Ford cria sua própria linha de roupas, artigos de couro e óculos de sol.

Sua atuação artística se estende até ao cinema, com duas produções cinematográficas, uma em 2009 e a outra em 2016.

Giorgio Armani

Armani é um grande estilista italiano conhecido principalmente por suas coleções masculinas.

A marca que leva seu nome, criada em 1975, está em constante crescimento: 1,6 bilhão de dólares em volume de negócios em 2001. Isso sem falar na riqueza pessoal do estilista, estimada em bilhões de dólares!

Dolce & Gabbana

Você sabia que por trás desta famosa sigla – D&G – estão dois estilistas italianos, Stefano Gabbana e Domenico Dolce?

Esta grande marca de luxo italiana que possui sede em Milão é, além de tudo, a responsável pela criação das camisetas do AC Milan desde 2004!

Fique por dentro das figuras que ficam constantemente na mira dos holofotes no mundo da alta costura.

Compartilhar

Nossos leitores adoram esse artigo
Este artigo te trouxe as informações que procurava?

Nenhuma informação ? Sério ?Ok, trabalharemos o tema num próximoNa média, ufa !Obrigado. Deixe suas dúvidas nos comentários.Estamos muito felizes em te ajudar ! :) (Seja o primeiro a avaliar)
Loading...

Deixe um comentário

avatar