Aulas particulares Idiomas Música Apoio Escolar Esporte Artes e Lazer
Compartilhar

Francês: suas origens e novidades

De Carolina, publicado dia 22/08/2017 Blog > Idiomas > Francês > A maravilhosa história da língua francesa

O francês tem uma história rica e apaixonante como a história de seu país!

Como todas as línguas romanas, o primeiro passo para o seu nascimento foi as invasões do império romano como aconteceu na Península Ibérica (Portugal, Espanha – qual língua escolher entre o francês e o espanhol?) e em outras regiões que falam uma língua considerada romana atualmente.

Porém, com o declínio do império romano, o latim deixou de ser a língua oficial e outros povos invadiram o território como os germânicos, os francos, os vikings…

Cada um deixou sua marca na língua. Mas o que mais influenciou a formação da língua francesa (diferença entre o Quebec e França), além do latim e grego, foi o franciano, língua falada pelos francos.

Na verdade, o primeiro texto que se tem registro em em francês é o Juramentos de Estrasburgo datado de 842. Por isso, podemos considerar que a língua de Molière começou a ser desenvolvida ao longo dos séculos VII, VIII, IX e continua até nossos dias.

Numerosas invasões e trocas ao longo dos séculos resultaram no idioma que a gente conhece hoje nas distintas regiões francófonas do mundo.

O idioma evoluiu muito até se transformar no francês que conhecemos. Então, vamos contar parte dessa história.

Se tem curiosidade para saber mais sobre a cultura e a língua francesa, dê uma olhada neste post!

A história antiga da língua francesa

Para começar essa viagem na história da língua francesa, vamos voltar há alguns séculos, na época dos romanos. Quer dizer que nos situaremos em torno do século III a.C.

O francês é uma das linguagens mais importantes do mundo Os jardins dos palácios e os reinados franceses dizem muito sobre o país e seu idioma

Antes da aparição do francês como língua própria

Podemos dizer que o início do francês se dá com a invasão da Gália (com cerca de 10 milhões de habitantes) pelo exército romano liderado por Júlio Cesar. Entre os séculos III e o século I a.C., os romanos expandiram seu império e, consequentemente, impuseram sua língua (o latim vulgar, falado pelos soldados e comerciantes).

Assim, a língua falada em todo o território, o galo, foi caindo em desuso. O latim começou a ser usado como língua escrita no âmbito administrativo. Enquanto o galo continuou sendo a língua principal de intercâmbio até o século III.

Não podemos esquecer que, antes da chegada dos romanos, o território galo era povoado por quatro povos étnicos distintos: celtas, aquitanos, lígures e gregos. Cada um tinha a sua própria língua, mas foram desaparecendo em detrimento do latim devido a colonização romana.

Porém, todos esses idiomas deixaram suas marcas. Até hoje, podemos perceber restos do léxico galo no francês atual como em Burdeos, Carpentras, em nomes de árvores: bouleau – bétula, chêne – carvalho.

Até hoje, os franceses utilizam a referência dos gauleses para falar das origens da França. Mesmo se esses povos não influenciaram tanto a construção da língua francesa.

Com o declínio do império romano, alguns povos de origem germânica se estabeleceram na Gália, principalmente os francos e os visigodos. Consequentemente, esses povos falavam línguas distintas que, igualmente aos outros idiomas que precederam no território, deixaram suas marcas na língua que conhecemos hoje como as palavras jardin, baron, franc (veja algumas frases essenciais em francês).

Mas adiante, no século V, também se vieram povos de distintas origens: celtas britânicos no noroeste (que deram lugar aos bretões), vikings na região atual da Normandia, saxões na costa do Canal da Mancha e muçulmanos no sul.

O início do francês

O idioma falado no norte da Gália (considerado França) foi, durante muito tempo, uma variante do latim com alguns toques de frâncico (idioma dos francos) em todo o âmbito fonético. No entanto, houve uma evolução um pouco diferente no sul (diferentes sotaques do idioma francês) que resultou na língua d’oc ou língua occitana. Ela ficou limitada a uma região geográfica.

É difícil especificar quando exatamente o latim deixou de ser a língua dessa região. Porém, calcula-se que o idioma falado na França desde o século VII era diferente do latim. Com o tempo, começou a aparecer uma literatura escrita própria, com textos literários como famoso Cantar de Roldán.

Francês antigo e médio

A partir do século XI começa a se consolidar o chamado francês antigo, o idioma falado no norte do Loire. Como já mencionamos, a princípio não era mais que uma série de variantes regionais que foram se unificando.

Entre os séculos XIV e XVI foi consolidando a literatura nessa nova língua romana com obras Livre des Merveilles du Monde que teve grande repercussão na época.

Por outro lado, no final do século XV, princípio do século XVI, os conquistadores franceses chegaram na costa do continente africano e se instalaram nas regiões do Quebec e Montreal a fim de explorar as riquezas desse novo mundo.

A primeira colônia francesa se fundou em 1604 na Nova Escócia e anos mais tarde se criou o Quebec.

Mas adiante, o império colonial francês chegou ao continente africano, especialmente nas regiões norte, oeste e centro. Assim, o idioma foi se estendendo e se instalando nos outros continentes.

História moderna e contemporânea da língua francesa

Estima-se que quando se iniciou a Revolução Francesa, somente um quarto da população falava francês. O resto se comunicava em línguas regionais. No entanto, eles impulsionaram o francês como língua unificadora, igualadora e distintiva dos franceses.

Como já mencionamos na parte anterior, essa linguagem tinha alcançado as colônias e tinha começado a ser utilizado como língua de comércio. Aos poucos, ela se expandia e se se internacionalizava tal como a língua francesa como a conhecemos hoje.

A língua francesa é tão importante quanto os monumentos do país Ponte Alexandre III, em Paris, é uma obra prima da arquitetura francesa como a Torre Eiffel. O francês a gente nem comenta!

Dada a sua distribuição geográfica através dos continentes, não é difícil imaginar que a língua francesa tenha evoluído de maneiras diferentes.

Portanto, podemos perceber hoje certas diferenças entre o francês falado na França e no falado em outros países como Bélgica, Suíça, Canadá, Marrocos, Burundi…

Na atualidade, o francês é um dos idiomas mais significativos no panorama internacional, especialmente graças ao papel que ele desempenha em grandes instituições como a ONU, OMC e União Africana. Ele é utilizado como a língua oficial de todas essas instituições. Aproximadamente 212 milhões de pessoas o utilizam diariamente. Ele é considerado o décimo terceiro idioma mais falado e é a língua oficial em 30 países (em termos de habitantes nativos).

O francês é um dos idiomas mais relevantes no panorama internacional.

Gírias e francês contemporâneo

Como em todo o mundo, o francês também sofre mudanças informais que podem ser introduzidas na língua tradicional ou jamais.

Por exemplo, o verlan, típica gíria francesa que inverte as sílabas das palavras sempre estará na língua informal, nunca na formal.

Já o anglicismo, um fenômeno que atinge todas as línguas modernas, pode eventualmente entrar no dicionário devido ao uso constantemente profissional, principalmente no meio da comunicação.

Verlan

Conhecida por ser a linguagem dos jovens, principalmente, o verlan data de muito tempo. Sem ter esse nome, há registros de mudança na forma das palavras desde a idade média. Mas o verlan como conhecemos hoje se popularizou na França principalmente após a Segunda Guerra Mundial.

A palavra vem de invers, inverso, em francês. A gíria consiste em inverter a ordem das sílabas das palavras, como já dizemos acima.

O idioma de Molière tem uma relação direta com a história da França A capital do país e a língua francesa têm suas origens muito próximas. O povo franco habitava nos arredores da cidades

Porém, no caso de algumas palavras, não há somente a inversão das sílabas, mas uma elisão (supressão de palavras) para tornar a palavra foneticamente pronunciável.

Por exemplo:

  • Fou (louco) = ouf
  • Arabe (árabe) = rebeu
  • Choper (pegar, muito utilizado no sentido de “ficar”) = pécho
  • Femme (mulher) = meuf
  • Fête (festa) = teuf
  • Bizarre (bizarro) = zarbi

Argot

Outra gíria que ficou muito conhecida durante as guerras mundiais na França foi o argot. Porém, a utilização dele remonta a mais tempo.

Nela, muitas palavras mudam completamente de sentido. Normalmente, os argots se referem a tabus da sociedade como o sexo, violência, etc. Por isso, o uso do argot é bem vulgar.

Ex: Argent (dinheiro): balles, beurre, biftons, blé, boules, douille, fafs, fafiots…

Policier (polícia): archer, bœuf, bignolon, bleu, bourdille, cochon, cogne, condé, coyotte, flic, keuf, matuche, pandore…

Pénis (pênis) = bite, teub (verlin), queue, quéquette, zizi, zigounette, zguègue, zob, bistouquette, biroute, gourdin, barreau…

Relação sexual: baiser, niquer, emmener le petit au cirque, farcir la mottelette, planter le mont-velu…

Muitas figuras de linguagem como a metáfora são utilizadas para compor os argots.

Anglicismo

O anglicismo é a utilização de uma palavra em inglês em outra língua, inclusive no francês.

Um anglicismo muito comum na França é o uso da palavra “cool” para expressar algo “legal”: C’est cool (Que legal!).

Mas em francês, o anglicismo ganha uma pronúncia completamente adaptada à pronúncia da língua francesa. Se você pronunciar uma palavra em inglês usualmente falada na língua francesa, você terá que adaptá-la ao francês. Caso contrário, ninguém vai te entender.

Alguns meios profissionais utilizam mais o anglicismo que outros. Por exemplo, a comunicação: briefing, marketing, “checker” (verbalização de checker – verificar), “up dater” (verbalização de up date – atualizar), feedback, “twister” (verbalização de twist – mistura), “boring”…

Os jovens também utilizam muito o anglicismo para falar de moda: “loké” (look), fashion, sexy…

Como você pode ver, toda língua passa por várias mudanças ao longo dos anos, séculos. Elas são influenciada pelos povos, pelo contexto, etc.

Não deixe de visitar outras cidades do país de Molière A ponte da Normandia é uma obra arquitetônica recente da França. A língua francesa também não para de evoluir como suas edificações!

Com o francês, não poderia ser diferente. Então, você não acha que seria uma boa ideia aprender o frances basico?

Saiba como encontrar um bom profe para seu curso de frances presencial ou para seu curso de frances online no Superprof!

Compartilhar

Nossos leitores adoram esse artigo
Este artigo te trouxe as informações que procurava?

Nenhuma informação ? Sério ?Ok, trabalharemos o tema num próximoNa média, ufa !Obrigado. Deixe suas dúvidas nos comentários.Estamos muito felizes em te ajudar ! :) (Seja o primeiro a avaliar)
Loading...

Deixe um comentário

avatar