Aulas particulares Idiomas Música Apoio Escolar Esporte Artes e Lazer
Compartilhar

O essencial para aprender o espanhol

De Marcia, publicado dia 05/02/2019 Blog > Idiomas > Espanhol > Tudo sobre a gramática espanhola

Aprender a gramática espanhola pode ser considerada uma tarefa trabalhosa até mesmo para os falantes nativos do idioma. Imagine para nós, que fomos alfabetizados em português.

Por outro lado, saber outras línguas, além do inglês vem se tornando, a cada dia mais, uma necessidade para o mercado de trabalho.

Qua tal fazer cursos de espanhol online?

Algumas dicas para pronunciar o alfabeto espanhol

Costuma-se dizer que o espanhol é pronunciado da mesma forma que se escreve. De fato, é suficiente discernir a fonética e saber onde aplicar o sotaque tônico para pronunciá-lo corretamente.

No entanto, essa assimilação de fonemas e acentuação podem representar um fator de estagnação para alguns alunos.

É preciso aprender a distinguir o som do “r”, por exemplo do “j”. As palavras em espanhol  ratón e jirafa estão entre as palavras mais difíceis de pronunciar para um falante de outro idioma.

A letra “g” também traz a sua cota de dificuldades: antes de um “a”, é pronunciado como em “gato”, mas na frente de um “e” ou um “i”, “g” é pronunciado como um “r” vindo do fundo da garganta.

Outra sutileza: as letras “z” e “c” não têm a mesma sonoridade e devemos estar familiarizados com a pronúncia da  letra “v”. A principal dificuldade do espanhol é que o significado da sentença pode mudar se o falante não colocar o acento no lugar certo.

Finalmente, devemos considerar as diferentes variantes de pronúncia de acordo com a região onde estamos: Catalunha, Galiza, Andaluzia ou América Latina. Parece que a Colômbia é um país onde a pronúncia espanhola é a mais fácil de assimilar (porque os colombianos articulam mais do que seus vizinhos latino-americanos).

A história do alfabeto espanhol

Primeiramente, se você é um iniciante, é necessário se familiarizar com o alfabeto espanhol.

Usado por mais de 577 milhões de falantes no mundo, o espanhol é uma linguagem chamada SVO, seguindo a uma ordem gramatical “sujeito-verbo-objeto”. Isso significa que, em uma frase, o verbo e o objeto concordam em gênero e em número com o sujeito.

As letras espanholas Conhecer as letras espanholas é o primeiro passo para começar a estudar o idioma.

Devido ao prolongado contato com outras civilizações, a língua espanhola é um conjunto léxico de palavras emprestadas de muitas línguas paleo-hispânicas (ibérica, hispano-celta), gaulesa, basca, árabe, latina, línguas castelhanas e ameríndias (especialmente após os efeitos da colonização do império espanhol na América Latina).

Algumas palavras também são de origem germânica (devido à presença dos visigodos na Espanha).

Do século III ao século I aC, durante mais de 200 anos, a Península Ibérica foi submetida a invasões romanas da mesma forma que a Gália (atual França) sob Júlio César (século I aC).

Até a queda do Império Romano, as populações da Hispânia (nome dado à Espanha pelos romanos) e da Gália foram romanizadas e usaram o latim vulgar. Foram mais de 700 anos de dominação romana!

A derivação do latim para o castelhano é explicada pela distância geográfica entre a Hispania e Roma, e o isolamento da Península Ibérica (mar e montanhas difíceis de atravessar), retardando a penetração das inovações lingüísticas.

Os primeiros textos escritos no chamado castelhano, datam do século XII. É de 1200 que vemos aparecer textos religiosos inteiramente escritos em castelhano primitivo.

Durante a Idade Média, o dialeto castelhano desfrutou de uma importante expansão: o rei Alfonso X de Castilla fez o castelhano penetrar nos escritos científicos, dirigiu a escritura em importantes obras castelhanas em história, astronomia, direito e outras disciplinas.

Hoje, o alfabeto espanhol – um derivado do latim vulgar que foi usado na Cantábria – consiste em um total de 27 letras latinas, com diagramas e sinais diacríticos adicionais criados ao longo do tempo.

Outras generalidades da gramática espanhola

Durante o processo de aprender espanhol, ninguém pode prescindir dos fundamentos da gramática. Por exemplo, as formas para abordar alguém são “tú”  no singular e ” vosotros”  (masculino) ou ” vosotras”  (feminino) no plural.

Os pronomes reflexivos são usados ​​com certos verbos: são os verbos pronominais onde o infinitivo é acompanhado por “se”:  levantarse, despertarse, llamarse, vestirse, alquilarse e outros.

Condizentes em gênero e número com o nome que substituem, os pronomes possessivos servem para evocar a posse sem recordar o nome.

Eles são: mio,  mia,  mios,  mias,  tuyo,  tuya,  tuyos,  tuyas,  suyo,  suya, suyos,  suyas,  nuestro,  nuestra, nuestros, nuestras, vuestro, vuestra, vuestros e vuestras .

  • ¿De quién es este libro?  Es mío. (De quem é este livro? É meu.);
  • Mi padre tiene más dinero que el tuyo. (Meu pai tem mais dinheiro que o seu.);
  • ¿Es vuestro este gato? Sí, es nuestro. (Este gato é seu? Sim, é nosso.).

Finalmente, o último componente dos pronomes: o pronome demonstrativo é usado para designar diretamente uma coisa ou uma pessoa. Eles concordam em gênero e número com o nome.

Resta apenas saber a conjugação de verbos e as sutilezas da conjugação espanhola para ser um verdadeiro falante do espanhol!

Como dominar a entonação do espanhol?

Como na ortografia portuguesa, o espanhol requer respeitar a acentuação. Em nossas regras ortográficas, temos o acento agudo, o acento grave, o acento circunflexo e o trema. O desafio para quem estuda espanhol é entender o acento gramatical ou diacrítico.

Para conseguir isso, deve-se entender que esse acento determina o lugar da sílaba tônica em cada palavra.

Nesse caso, três regras principais prevalecem:

  • Se a palavra termina em vogal ou “n” e “s”, então o acento fica na penúltima sílaba (cerveza, bebida, camino, barrio, barrios);
  • Se a palavra termina em vogal ou ou outras consoantes e não inclui acento escrito, a tonicidade é focada na última sílaba (cantar, caminar, ordenador, doctor, autoridad, facultad, nivel, papel, etc).

Encontrando a sílaba tônica Falar espanhol requer o conhecimento das entonações corretas.

E quanto às palavras que terminam com ” ión”  (attención, sección, acción, emoción, evaluación, liberación, lección, capitalización, etc.)? Essas são irregularidades de acentuação.

Finalmente, algumas palavras devem ser acentuadas na antepenúltima sílaba: sílaba (sílaba), bolígrafo (caneta), párajo (pássaro), paréntesis (parênteses).

Aqui estão as três funções do acento gramatical:

  • Dissociar adjetivos demonstrativos de pronomes demonstrativos;
  • Indicar as formas exclamativa e interrogativa de certos advérbios;
  • Diferenciar a natureza gramatical de alguns homônimos.

Algumas palavras do vocabulário espanhol têm a mesma pronúncia, a mesma ortografia, mas não o mesmo significado: outras recebem um acento escrito para se distinguir de outras por sua natureza gramatical. Para um nativo de espanhol, erros nesse sentido são inaceitáveis.

Para melhor memorizar a entonação do espanhol – ou até mesmo falar fluentemente – recomendamos imergir-se na cultura hispânica: literatura espanhola ou latina, música espanhola e sul-americana, programas em espanhol, etc.

Ditongos e tritongos espanhóis

Podemos ler e entender espanhol sem necessariamente conhecer a gramática do idioma ibérico, sabia? Mas estudar essa questão implica em uma pronúncia e escrita muito mais precisa. Quer ver outra sutileza da gramática ibérica? O ditongo e o tritongo. Isso implica conhecer basicamente algumas conjugações verbais.

Lembremo-nos que o idioma de Cervantes tem vogais fracas (“i” e “u”) e vogais fortes (“a”, “e” e “o”).

Falamos sobre ditongo quando uma vogal fraca é ligada a uma vogal forte, ou quando duas vogais fracas são unificadas. O verbo irregular poder no infinitivo é conjugada como “puedo, puedes, puede, podemos, podéis, pueden”.

O ditongo é assim aplicado à primeira pessoa, segunda pessoa e terceira pessoa do singular e à terceira pessoa do plural, de acordo com as regras da conjugação espanhola.

Os ditongos mais comuns são :

  • “Ei” ou “ey”;
  • “Ui” ou “uy”;
  • ” Ie “, como em ” pienso” e “cielo”;
  • “Ue”, como em ” cuesta”  ou ” puedo”.

O ditongo espanhol  modifica a sonoridade e pronúncia de uma palavra, serve para suavizar o tom da vogal forte. Quanto ao tritongo, ele é formado pela inserção de uma vogal aberta – que recebe o acento tônico – entre duas vogais fechadas em uma ordem de vogais fraca-forte-fraca.

Encontro entre vogais Vogal fraca-forte-fraca é a combinação que acontece quando há um tritongo em espanhol.

Ela pode ser encontrada na combinação da segunda pessoa singular (vosotros): despreciáis, habíais, estudiáis, apreciáis.

Nosso conselho para revisar o tritongo e o ditongo:

Para evitar surpresas com falsos cognatos e erros de ortografia, você pode consultar exercícios corrigidos, escrever folhas de revisão, fazer aulas particulares de espanhol em casa, matricular-se em um curso convencional, dentre outras medidas de estudos.

Os verbos do ditongo sempre serão úteis durante uma viagem a um país de língua espanhola (México, Colômbia, Argentina, Espanha, etc.).

Como construir uma frase em espanhol?

Outro aspecto crucial das regras gramaticais espanholas é a construção de sentenças. A língua ibérica é governada pela ordem SVO (sujeito-verbo-objeto), assim como todas as demais línguas românicas.

Mas para dominar a ordem e a natureza das palavras na frase espanhola e conhecer cada tipo de frase, não há uma receita milagrosa: é necessário multiplicar os exercícios de espanhol.

Isso deve tornar possível assegurar que sabemos conjugar o verbo em tempos diferentes corretamente (presente, futuro, passado, presente do subjuntivo e imperfeito do subjuntivo, condicional, imperativo).

Para aprender a formar uma frase, é necessário conhecer a ordem das palavras, saber colocar o adjetivo e conjugar a parte verbal. Além disso, aprender os elementos de comparação (más e menos) é importante.

Como regra, comparações de superioridade ou inferioridade são colocadas antes do adjetivo.

Em espanhol, os adjetivos concordam em gênero e em número e são escritos após o nome que descrevem: por exemplo, ” el pájaro guapo” (o belo pássaro), ” Elena es una mujer muy guapa”  (Elena é uma mulher muito bonita).

Podemos escrever: “Elena é uma mujer guapa  y es más alta que Maria, su amiga.”  (Elena é uma mulher bonita, e mais alta do que Maria, sua amiga).

Palavras e sentenças Construir frases demanda o conhecimento de algumas regras gramaticais.

O passo final antes de fazer frases afirmativas, negativas, interrogativas, exclamativas ou passar para o discurso direto e indireto será revisar:

  • As tabelas de conjugação espanhola;
  • Verbos irregulares;
  • A concordância.

Nossas dicas finais para se aperfeiçoar: estudar gramática, vocabulário, exercícios, ouvir podcasts e assistir a vídeos,  estudar espanhol on-line ou planejar uma viagem à Espanha ou à América Latina.

Finalmente, para evoluir rapidamente no idioma, por que não fazer aula de espanhol com um de nossos professores do Superprof?

Compartilhar

Nossos leitores adoram esse artigo
Este artigo te trouxe as informações que procurava?

Nenhuma informação ? Sério ?Ok, trabalharemos o tema num próximoNa média, ufa !Obrigado. Deixe suas dúvidas nos comentários.Estamos muito felizes em te ajudar ! :) (Seja o primeiro a avaliar)
Loading...
avatar