Aulas particulares Idiomas Música Apoio Escolar Esporte Artes e Lazer
Compartilhar

Como fazer uma boa redação em língua portuguesa

De Camila, publicado dia 28/07/2017 Blog > Apoio Escolar > Português > Redigir textos com ortografia correta no idioma de Camões

A ortografia é uns dos principais pontos a ser observado durante a escrita de um texto. Desde o início da alfabetização, as crianças fazem ditados em sala de aula para praticar a boa soletração das palavras.

Os jovens aprendizes aprendem através de listas de palavras organizadas por sons, por temas ou por similaridades na escrita. O ensino da ortografia acontece progressivamente e não de um dia para o outro. Alguns alunos, no entanto, encontram dificuldades face às primeiras provas oficiais dentro das escolas. Se o problema não é sanado desde o início, ele se prolongará até a idade adulta.

Erros ortográficos podem desestabilizar a nota final do aluno, seja ela em português (conheça o do meio jornalístico) ou em outras matérias. Se esse número for elevado, o dano será ainda maior, pois a atenção será voltada para essa deficiência específica ao invés do desenvolvimento diante do assunto abordado.

Se o problema chega até a carreira profissional, a falta de domínio da ortografia pode descredibilizar a seriedade e a competência da pessoa envolvida. Seja através da comunicação via e-mail ou em documentos administrativos, erros na escrita demonstram falta de domínio em um campo básico de aprendizagem.

A tarefa fica ainda mais difícil após a recente reforma ortográfica de português, que pode pregar várias peças quanto à acentuação e utilização de palavras compostas.

Possuir um bom dicionário

O dicionário é um fiel escudeiro na produção de texto. Enormemente utilizado por alunos em fase de aprendizado da língua escrita, ele não deixa de acompanhá-lo durante a vida adulta. Bom, pelo menos não deveria.

Erros ortográficos não são bem vistos no meio profissional. A prática escrita acompanha o jovem durante toda a sua vida estudantil e profissional.

Para ser utilizado por todas as idades, ele é o meio ideal e mais fiável para consultas caso uma dúvida apareça, seja ela quanto ao significado ou quanto à escrita correta de determinadas palavras.

A consulta ao dicionário deve se tornar um hábito frequente àqueles que pretendem alcançar um alto nível redacional, já que, muitas vezes, usamos equivocadamente um termo ou palavra por desconhecer o seu real significado.

Vale ficar atento ao ano de publicação do material utilizado. Os dicionários são constantemente atualizados de acordo com o desenvolvimento do português, uma língua viva e em constante mutação em conformidade ao seu uso quotidiano.

Adquirir um manual

Tão importante quanto o dicionário são os manuais de boa utilização da língua portuguesa. Mesmo se dedicando muito ao estudo da matéria, nunca sabemos tudo sobre tudo. Principalmente quando precisamos aplicar uma estrutura um pouco mais formal no texto produzido.

Tais manuais apresentam as principais regras ortográficas e gramaticais do português, normalmente divididas por temas.

Vários exemplares podem ser encontrados online, como o Manual de Redação do Estadão ou da PUC-RS. Confira o número de normas que podem ser encontradas dentro desses guias para se escrever um bom texto em português:

  • Abreviaturas
  • Acentuação Gráfica
  • Acordo Ortográfico
  • Como Elaborar Resumos
  • Concordância Nominal
  • Concordância Verbal
  • Crase
  • Datas e Horas
  • Formas de Tratamento
  • Formas Gráficas Variantes
  • Hífen
  • Homônimas e Parônimas
  • Maiúsculas
  • Pronomes Demonstrativos
  • Regência Verbal
  • Siglas

Publicações impressas também estão disponíveis no mercado e podem ser facilmente encontradas nas livrarias.

Nada melhor do que possuir um “gigante da língua portuguesa” como esse ao seu lado para te auxiliar durante a produção de texto, seja ela profissional, pessoal ou acadêmica.

Revisar as regras gramaticais e ortográficas básicas

O idioma falado no Brasil pode parecer fácil para aqueles que nasceram no país. No entanto, a parcela da população que o domina de fato é bem menor do que muitos imaginam.

Erros de concordância gramatical e ortográficos aparecem a todo momento na vida dos nativos, que muitas vezes nem os percebem.

Sendo assim, a revisão das regras básicas nunca é demais para aqueles que pretendem afiar suas capacidades de escrita.

Erros ortográficos mais comuns

A revista Exame fez uma pesquisa na qual detectou os 50 erros ortográficos em português que mais aparecem no mundo do trabalho. Superprof fez uma seleção com dez exemplos que podem ser encontrados não só no ambiente profissional, mas também no dia-a-dia de todo brasileiro:

  • “Em vez de” / “ao invés de”

Errado: Ao invés de elaborarmos um relatório, discutimos o assunto em reunião.
Certo: Em vez de elaborarmos um relatório, discutimos o assunto em reunião.
Por quê? Em vez de é usado como substituição. Ao invés de é usado como oposição. Ex: Subimos, ao invés de descer.

As falhas na ortografia do português são mais frequentes do que pensamos. Erros de ortografia estão presentes no nosso dia-a-dia.

  • “Faz” / “Fazem”

Errado: Fazem dois meses que trabalho nesta empresa.
Certo: Faz dois meses que trabalho nesta empresa.
Por quê? No sentido de tempo decorrido, o verbo “fazer” é impessoal, ou seja, só é usado no singular. Em outros sentidos, concorda com o sujeito. Ex: Eles fizeram um bom trabalho.

  • “Ao meu ver” / “A meu ver”

Errado: Ao meu ver, o evento foi um sucesso.
Certo: A meu ver, o evento foi um sucesso.
Por quê? “Ao meu ver” não existe.

  • “Senão” / “Se não”

Errado: Nada fazia se não reclamar.
Certo: Nada fazia senão reclamar.
Por quê? Senão significa “a não ser”, “caso contrário”. Se não é usado nas orações subordinadas condicionais. Ex: Se não chover, poderemos sair.

  • “Onde” / “Aonde”

Errado: Aonde coloquei minhas chaves?
Certo: Onde coloquei minhas chaves?
Por quê? Onde se refere a um lugar em que alguém ou alguma coisa está. Indica permanência. Aonde se refere ao lugar para onde alguém ou alguma coisa vai. Indica movimento. Ex: Ainda não sabemos aonde iremos.

  • “A” / “há”

Errado: Atuo no setor de controladoria a 15 anos.
Certo: Atuo no setor de controladoria há 15 anos.
Por quê? Para indicar tempo passado, usa-se o verbo haver. O “a”, como expressão de tempo, é usado para indicar futuro ou distância. Exs: Falarei com o diretor daqui a cinco dias. Ele mora a duas horas do escritório.

  • “Há dois anos” / “Há dois anos atrás”

Errado: Há dois anos atrás, iniciei meu mestrado.
Certo: Há duas formas corretas: “Há dois anos, iniciei meu mestrado” ou “Dois anos atrás, iniciei meu mestrado.
Por quê? É redundante dizer “Há dois anos atrás”.

  • “Retificar” / “Ratificar”

Errado: Estávamos corretos. Os fatos retificaram nossas previsões.
Certo: Estávamos corretos. Os fatos ratificaram nossas previsões.
Por quê? Ratificar significa confirmar, comprovar. Retificar refere-se ao ato de corrigir, emendar. Ex: Vou retificar os dados da empresa.

  • “Entre eu e você” / “Entre mim e você”

Errado: Não há nada entre eu e você, só amizade.
Certo: Não há nada entre mim e você, só amizade.
Por quê? Eu é pronome pessoal do caso reto e só pode ser usado na função de sujeito, ou seja, antes de um verbo no infinitivo, como no caso: “Não há nada entre eu pagar e você usufruir também.”

  • “A fim” / “Afim”

Errado: Nós viemos afim de discutir o projeto.
Certo: Nós viemos a fim de discutir o projeto.
Por quê? A locução a fim de indica ideia de finalidade. Afim é um adjetivo e significa semelhança. Ex: Eles têm ideias afins.

Os ditados são uma boa ferramenta de aprendizagem para jovens e adultos. A prática de ditados auxilia no desenvolvimento ortográfico.

Fazer ditados regularmente

Pode parecer um pouco retrógrado ou infantil a ideia de praticar a língua portuguesa através de ditados. Afinal de contas, a lembrança que temos de tal prática nos remete ao aprendizado do idioma no Ensino Fundamental. No entanto, a metodologia do ditado é excelente para o aprimoramento dos conhecimentos ortográficos.

A técnica do exercício é a mesma para todas as idades e pode ser dividida em 3 etapas:

  1. Comece com a leitura integral de um texto. Esse primeiro contato servirá para detectar palavras que possam ser fonte de confusão na hora da escrita, assim como analisar o nível da redação;
  2. Siga com a leitura das palavras por grupos. Esse é o momento no qual sua atenção será voltada para todas as disciplinas a serem abrangidas na hora da escrita: ortografia, sintaxe, gramática, conjugação, etc.;
  3. Releia o que foi escrito após o ditado. Dessa forma erros poderão ser detectados (entre os alunos de português), tais como falta de letra maiúscula, vírgulas, pontuação e assim por diante.

Ler bastante clássicos

O hábito da leitura é algo que deve ser desenvolvido desde a primeira idade. O contato com as palavras e os textos contribuem, sem sombra de dúvidas, para a formação de bons utilizadores da língua portuguesa.

O domínio do idioma é baseado em quatro pilares: a escuta, a fala, a escrita e a leitura. Sendo assim, nada melhor do que montar uma biblioteca pessoal de peso para melhorar as capacidades redacionais.

Os clássicos da língua portuguesa são, sem dúvida, os melhores títulos para iniciar essa coleção. Confira algumas sugestões apresentadas pela Revista Bula como sendo os 10 livros mais importantes da literatura brasileira:

  • Memórias Póstumas de Brás Cubas (1881), Machado de Assis
  • O Ateneu (1888), Raul Pompeia
  • Recordações do Escrivão Isaías Caminha (1909), Lima Barreto
  • Macunaíma (1928), Mário de Andrade
  • Vidas Secas (1938), Graciliano Ramos
  • Fogo Morto (1943), José Lins do Rego
  • Grande Sertão: Veredas (1956), Guimarães Rosa
  • A Paixão Segundo GH (1964), Clarice Lispector
  • O Coronel e o Lobisomem (1964), José Cândido de Carvalho
  • A Pedra do Reino (1971), Ariano Suassuna

A seleção acima foi feita pelo Doutor em Teoria Literária pela Unicamp, Miguel Sanches Neto, ou seja, por quem entende muito do assunto!

 

Reler as redações

A pressa pode resultar em erros bobos e fatais no texto final. Mesmo se a escrita for feita com o auxílio de um corretor ortográfico, ela corre grande risco de não estar totalmente coerente e correta se não passar por um boa releitura.

A releitura do texto é essencial para a produção de um bom material escrito. Nada melhor do que releitura dos textos para garantir um bom resultado final.

Os corretores, mesmo sendo muito desenvolvidos, são programas computacionais que trabalham através de códigos. Eles conseguem detectar erros grosseiros, mas não possuem a capacidade de analisar as sutilezas da língua portuguesa.

Sendo assim, nada melhor do que um olhar humano – e do próprio escritor – para melhorar e refinar a versão final da redação.

Encontre as melhores aulas de portugues no Superprof!

 

 

Compartilhar

Nossos leitores adoram esse artigo
Este artigo te trouxe as informações que procurava?

Nenhuma informação ? Sério ?Ok, trabalharemos o tema num próximoNa média, ufa !Obrigado. Deixe suas dúvidas nos comentários.Estamos muito felizes em te ajudar ! :) (Seja o primeiro a avaliar)
Loading...
avatar