Aulas particulares Idiomas Música Apoio Escolar Esporte Artes e Lazer
Compartilhar

Ensinar em casa: qual valor cobrar como professor de reforço escolar?

De Fernanda, publicado dia 04/06/2019 Blog > Aulas particulares > Reforço escolar > Como definir o preço das suas aulas de reforço escolar?

Um professor é um especialista em transmitir conhecimento e informações, além de oferecer acompanhamento e orientação ao longo da vida escolar.

No entanto, quando o assunto é remuneração, salários e encargos sociais, a história se complica. Sobretudo no Brasil, país conhecido pela desvalorização dos profissionais da educação.

Mas não entre em pânico! No mercado das aulas particulares, você não precisa ser um especialista em economia para conseguir estabelecer um valor justo e rentável para suas aulas tão preciosas.

Para saber tudo sobre as atividades de reforço escolar e, o mais importante, para saber como definir um preço para o seu trabalho, leia nosso artigo.

É possível ganhar dinheiro dando aulas de reforço?

Do professor independente que recebe o aluno em casa às empresas especializadas em ajudar o estudante a passar de ano, o reforço escolar se tornou um negócio próspero. Sobretudo em famílias de classe média alta, as aulas extracurriculares são tão demandadas que alguns pais chegam a pagar no final do mês o mesmo valor de uma mensalidade escolar. Obter um bom desempenho escolar e boas notas no Enem são as principais razões que levam tantas pessoas a procurarem esse mercado.

Quanto às empresas do setor, saiba que a média cobrada no mercado da hora aula é cerca de 100 reais. É importante saber que uma vez que você é empregado em uma empresa de reforço escolar, certamente a empresa arca com os valores relacionados a benefícios sociais e contribuições para a previdência.

Por isso, para negociar seu salário, você terá que comprovar grandes habilidades na sua área. Após alguns anos de carreira, você pode pedir um aumento se sentir uma desigualdade muito grande entre o seu salário e o piso salarial do professor no Brasil.

Saiba que, juntamente com o setor público e ao contrário da educação básica privada, ser professor em uma empresa especializada em reforço escolar não é uma das profissões mais lucrativas do mundo. Bem, educação no Brasil nunca foi mesmo…

Mas uma pergunta que você pode se colocar é: é melhor ser contratado por uma organização de reforço escolar ou trabalhar como independente?

Vamos falar inicialmente do professor que escolheu entrar no mundo dos serviços educacionais por conta própria.

Ele pode formalizar a sua atividade de três maneiras diferentes: abrindo a sua própria micro ou pequena empresa, sendo contratado por uma empresa, ou sendo trabalhador autônomo.

A remuneração de um professor particular por conta própria

Quando você trabalha como independente, tem uma grande vantagem: é você quem determina sua carga horária e o preço que irá cobrar pelos seus serviços.

Então, se você quiser dar aulas particulares de matemática, aulas particulares de língua portuguesa ou de espanhol, é você que vai definir o quanto quer ganhar.

Como ser o melhor pago possível como professor de casa? Ser independente: o modelo ideal de profissão?

Claro, um jovem professor particular independente terá problemas se definir um preço muito elevado em comparação com um professor experiente de inglês, por exemplo.

Para chegar lá, você precisa investir em experiência e formação.

No entanto, depois de alguns anos de carreira, é possível cobrar valores mais altos.

Como curiosidade, fizemos uma pesquisa dos preços de uma hora de aula por área do conhecimento, em nosso portal do Superprof.

No que diz respeito ao reforço escolar, os preços cobrados estão na média de 50 reais a hora. Por exemplo: uma hora de aula de língua portuguesa e uma hora de reforço de matemática valem em média de 48 a 52 reais. Agora se a sua área é língua estrangeira, saiba que uma hora de aula de espanhol ou de inglês custa cerca de 55 reais.

Isso, naturalmente, não leva em consideração as contribuições sociais.

Mas com esses valores você já pode imaginar o quanto irá receber no final do mês, em função da quantidade de alunos que tiver.

Sim, é bem mais do que o salário mínimo: ufa!

Como ganhar renda extra dando aulas de reforço

Reforço escolar, acompanhamento do ano letivo, recuperação, aulas preparatórias para Enem e vestibular, revisão e produção de texto… Você sabia que dar aulas particulares pode ser uma atividade muito rentável?

Na tentativa dos pais em melhorar o desempenho dos filhos na escola, a procura pelo serviço de aulas particulares conheceu um grande crescimento nos últimos anos. Existem professores que chegam a cobrar mais de R$ 100 por hora/aula.

Apesar de o Brasil não ser conhecido pela qualidade de sua Educação em geral, os professores de português, física, informática ou música não precisam ter receio.

Para se ter uma ideia, podemos observar o valor médio cobrado pelos professores inscritos no Superprof (de todas as áreas do conhecimento): 51 reais. Imaginemos, por exemplo, que você consiga ministrar quatro aulas por semana, ou seja, 918 reais por mês. Ora, mais do que um salário mínimo em CLT, que está 880 reais por 40 horas semanais, em média!! Nada mal, não é mesmo?

Além disso, segundo pesquisa realizada pelo Superprof, há um aumento de 2 reais por ano nas tarifas praticadas pelos professores.

Bom, fora isso, infelizmente, como em muitos setores, os homens ainda são mais bem remunerados que as mulheres. Mas essa realidade tende a mudar com a conscientização da igualdade de gêneros, em debate recente pela sociedade brasileira.

Uma das principais vantagens do professor particular é sua liberdade para estabelecer seu preço. Mas isso depende de diversos fatores, como por exemplo:

  • O nível do conteúdo: disciplinas da educação básica são menos bem pagas que conteúdos específicos (como literatura ou preparação de exames);
  • A duração das aulas: cursos de longo prazo e com uma frequência regular são mais eficientes. Saiba que quase todos os professores do portal Superprof oferecem a primeira aula gratuita; 10% deles oferecem uma redução nos valores a partir de 10 horas de aulas;
  • A qualidade do educador: um professor particular com 15 anos de experiência pode certamente cobrar um bom preço por sua hora aula. Do mesmo jeito, por outro lado, um estudante vai ter de concorrer com muitos outros e seguir as leis do mercado. A experiência pode influenciar muito no quanto você cobra!
  • A especificidade do conteúdo: matérias raras e em voga como relaxamento, pilates e mixologia costumam ter valores mais altos. A formação dos professores e a particularidade do assunto são as razões principais.

Por ser um país extenso, e por sua desigualdade territorial e econômica, o Brasil comporta cidades com custos de vida diversificados.

Bem, agora que você já decidiu dar aulas de reforço em casa, está provavelmente pensando em como exatamente estabelecer os valores para suas aulas.

Para isso, você vai ter de seguir alguns passos! Vamos lá?

1º passo: se interessar pelo mercado

Antes de tudo, é necessário conhecer bem o mercado no qual você vai atuar.

Por exemplo, se você quiser ensinar matemática ou alemão, pesquise os preços específicos em sua área do conhecimento.

Alguns critérios importantes para isso: sua localização, o nível de seu aluno (o preço não será o mesmo de uma aula particular para acadêmicos, como para um estudante de ensino fundamental ou médio), e também o conteúdo ensinado.

Precisando de reforço escolar? Veja os anúncios do Superprof!

Precisa de orientação ou ajuda de casa para seus filhos? Quais os critérios para estabelecer o preço de uma aula de reforço escolar?

Uma variante de peso que podemos observar quando o assunto é preço da hora particular é a área do conhecimento em questão, ou seja, a disciplina, a especialidade e a abordagem do conteúdo que será dado pelo professor.

Que fique bem claro aqui: o Superprof, em nenhuma ocasião, valoriza ou desvaloriza nenhuma área do conhecimento. O fato de uma aula particular de português ser mais barata do que uma aula de química pode simplesmente significar que existe maior concorrência entre os professores dessa disciplina.

Aulas de assuntos mais exóticos ou incomuns no país, como por exemplo aula de esqui (vamos combinar que o Brasil não é o país ideal para isso?), certamente são mais caras do que outras mais recorrentes. Isso não tem nada a ver com relevância, importância, ou qualquer outro grau de hierarquia possível, ok?

Assim, isso quer dizer o mercado de aula particular atualmente valoriza mais os especialistas em línguas estrangeiras do que as disciplinas escolares fundamentais como português e matemática. Isso não significa que uma área do conhecimento seja menos importante do que a outra, longe disso. Ainda mais em tempos de polêmicas em torno da definição da Base Nacional Comum Curricular. Mas é o funcionamento do mercado.

Descubra também como declarar sua renda como professor de reforço escolar

Passo 2: saiba como valorizar seus diplomas e suas habilidades

Alguns profissionais, como você já pode perceber, cobram valores altos por suas horas. Para isso, eles têm argumentos bem fortes, como a especificidade do conteúdo.

Por exemplo: um professor de inglês poderia muito bem se especializar em preparação para o TOEFL (ou o TOEIC), ou então em reduzir o sotaque na língua, ou até quem sabe em dar aulas de literatura anglo-saxônica (Ser ou não ser, eis a questão… – já dizia Shakespeare).

Além disso, se é possível provar a qualidade da prestação do serviço, com uma formação reconhecida ou dezenas de anos de prática, você pode sim aumentar o valor de sua aula. Seria tolice ignorar uma pós-graduação na USP ou na França na hora de calcular o quanto você vai ganhar com suas aulas particulares, certo?

Esse critério certamente aumenta a média das aulas no portal do Superprof. Outro fator de peso nesse cálculo são os anos de experiência. Podemos observar professores com 40 anos e muitos anos de trabalho cobrando cerca de 40% a mais do que professores jovens de 19 anos de idade. Nada mais coerente, não é mesmo?

A experiência traz sabedoria, conhecimento de metodologias diferentes, perfis variados de alunos, flexibilidade, habilidade… Tudo isso pode justificar preços mais elevados.

No portal do SuperProf, é o próprio professor particular que determina o valor de sua hora/aula. Entre sua experiência, sua formação, sua metodologia e sua disponibilidade, ele fixa um valor que considera justo dentro do mercado de aulas particulares.

No perfil de cada professor é possível visualizar sua experiência, sua formação, sua metodologia de ensino, além dos comentários e nota deixados por estudantes anteriores. Um recurso simples, funcional e prático! Bem diferente de outras alternativas, não é mesmo?

Por isso, aqui está o segundo passo para saber estabelecer um valor justo: conheça o valor de mercado do seu diplomas e de suas habilidades.

Com isso, queremos dizer que um jovem consultor pedagógico de reforço escolar tem mais dificuldade de encontrar alunos se praticar um preço superior à média.

Por outro lado, um professor com anos de experiência pode aumentar seu preço com mais facilidade e confiança, especialmente em aulas particulares no nível de ensino fundamental e médio.

Dependendo de suas habilidades, você pode com certeza oferecer serviços adicionais que vão valorizar o seu preço.

Por exemplo: você pode se especializar em transtorno de aprendizagem, ou então implementar uma metodologia revolucionária ou uma pedagogia que ajude os alunos a passarem em exames como o Enem – Exame Nacional do Ensino Médio ou o vestibular. Existem educadores especializados em psicologia que oferecem serviços para reestabelecer a autoconfiança em crianças com dificuldades de aprendizagem.

Quanto mais especializado for o serviço proposto, mais elevado será o valor de sua hora aula.

Na realidade, quanto mais raras forem as habilidades e mais experiência você tiver na profissão enquanto consultor pedagógico, mais valor você terá no mercado.

Veja aqui aulas de reforço escolar!

Você é um bom pedagogo? Dê o seu conhecimento a um preço justo. Saiba como valorizar sua formação e sua experiência!

Passo 3: não pratique um valor muito baixo

Mais especificamente: já que estamos falando de preço, tenha cuidado para não se desvalorizar demais, sobretudo quando você estiver entrando no mercado. Algumas pessoas oferecem aulas de graça, ou quase isso, pensando que é um bom jeito de começar.

Esta é uma ideia muito ruim por 2 motivos:

  • Em primeiro lugar: não legitima as suas habilidades de ensino.
  • Em segundo lugar: você terá problemas para sair deste espiral de preços baixos e, assim, nunca vai conseguir aumentar seu preço.

Então, se você acaba de começar a trabalhar como autônomo (provavelmente é o motivo que o trouxe aqui), é muito importante saber exatamente o preço mínimo, abaixo do qual você não pode praticar.

Por quê?

Para evitar que você se esgote mentalmente e fisicamente.

Muitas vezes vemos jovens empresários em princípio de carreira e que são otimistas demais.

E muitas vezes eles acabam completamente frustrados com o trabalho independente e autônomo. Trabalhar como freelancer ou ter sua própria empresa nem sempre é fácil como imaginamos.

Portanto, antes de ingressar no mercado de reforço escolar, é importante conhecer os encargos e a quantidade de impostos relacionados ao seu negócio.

Na nossa opinião, este é um passo crucial para iniciar com total tranquilidade.

Uma vez resolvida todas as suas dúvidas financeiras e sobre as possibilidades de formalização como trabalhador independente, você pode se concentrar completamente na resolução das dificuldades escolares do seu aluno e assim lhe oferecer um excelente reforço escolar em português ou em qualquer outra disciplina de sua especialidade.

Se você for um profissional de qualidade, graças ao boca a boca, você vai encontrar seus clientes com bastante facilidade.

Saiba que também é possível fazer reforço escolar online.

Passo 4: professor particular por conta própria ou contratado em escola?

Depois de identificar seus recursos internos, é hora de avançar para implementar sua metodologia contra as dificuldades de aprendizagem para alunos de todos os níveis.

Para isso, você tem duas opções: ser professor particular ou ser contratado em uma organização ou instituição especializada.

Ambas são boas escolhas porque cada modalidade tem seus prós e seus contras.

O professor particular

No que diz respeito ao trabalho por conta própria, você ganha liberdade e, acima de tudo, pode definir o preço que quiser para suas aulas – claro, dentro da faixa de valor praticada no mercado.

Sem mencionar a possibilidade de gerenciar sua agenda conforme desejar.

Mas o assunto que nos interessa aqui é: como estabelecer o seu próprio preço? Boa notícia: você é totalmente livre para fazer o que quiser. No entanto, saiba que você está num mercado altamente concorrido e que não pode sair cobrando preços absurdos em relação aos seus companheiros de trabalho. Sobretudo no começo de sua carreira.

Por isso, é fundamental fazer uma pesquisa de mercado (em especial os valores praticados pelos professores da mesma disciplina) e identificar assim a faixa de preço cobrada – mínimo e máximo. Dentro desse intervalo, faça um cálculo de preço levando em conta: o mínimo necessário para seu custo de vida, sua formação e sua experiência.

Confira aulas de reforço escolar 3o ano e outras séries.

Professor contratado em escola

Hoje em dia você encontra uma infinidade de escolas e instituições especializadas em reforço escolar. Sobretudo na modalidade online, existem muitos portais na internet que oferecem esse serviço dentro e fora do período letivo.

De fato, o reforço escolar on-line está se tornando cada vez mais importante. Mas qual organização paga mais?

Como exemplo ilustrativo, podemos citar o Reforço Escolar oferecido pelo portal Terra, o reforço escolar gratuito oferecido pelo próprio MEC – Ministério da Educação, ou então o portal Aprendizado Online.

A vantagem de trabalhar nessas empresas especializadas em auxílio no desempenho escolar é a possibilidade de praticar sua profissão, independentemente da sua experiência, e não precisar buscar por alunos particulares.

Na verdade, esse tipo de empresa recruta profissionais ao longo de todo o ano letivo (mesmo durante as férias escolares em alguns casos).

Então, se você está procurando uma vaga de professor particular, há muita opção no mercado.

Mas saiba que os preços são geralmente estabelecidos pelas empresas; você não pode exigir um determinado valor por sua hora aula.

É você que vai avaliar se a proposta é justa e se ela atende às suas necessidades pessoais e financeiras.

Em todos os casos, o valor da aula também varia em função do nível do aluno – esteja ele no ensino fundamental, ensino médio ou ensino superior.

Seu salário não será o mesmo se você der aulas de apoio universitário, ou se tiver alunos que estão se preparando para prestar o vestibular ou o Enem.

E você, já decidiu como formalizar a sua atividade de professor de reforço escolar?

Descubra onde praticar a atividade de reforço escolar. Qual é o melhor estatuto para se trabalhar como professor de reforço escolar? Qual é o mais rentável?

Passo 5: conheça todos os critérios não financeiros que podem pesar na balança

Pode até parecer estranho: mas para definir o valor da sua hora aula, você também precisa levar em conta em critérios não financeiros.

Para ser mais específico: dependendo da sua situação pessoal, você certamente precisará de mais ou menos dinheiro.

Por exemplo, um estudante que entra no mercado de trabalho e ainda mora com seus pais vai precisar de menos dinheiro do que um professor com filhos dependentes.

Então suas necessidades não são as mesmas. E seu preço tampouco.

É claro que um universitário pode dar aulas de física ou de línguas para alunos do ensino médio que procuram por reforço escolar.

Por outro lado, uma pessoa com experiência que cobre um valor baixo para dar aulas de francês ou de matemática é uma situação mais rara.

Além disso, se você mora em Brasília, São Paulo ou Rio de Janeiro, seu custo de vida certamente não será o mesmo que se morar em cidades menores ou no interior do país. Você, portanto, pode cobrar mais ou menos em função da sua localização geográfica, sua situação pessoal e familiar.

Veja a seguir um panorama da média de preço da hora/aula nas principais capitais brasileiras de aulas particulares:

  • Em São Paulo: 59 reais
  • No Rio de Janeiro: 53 reais
  • Em Belo Horizonte: 46 reais
  • Em Curitiba: 48 reais
  • No Recife: 48 reais
  • Em Brasília: 50 reais
  • Em Porto Alegre: 50 reais
  • Em João Pessoa: 42 reais
  • Em Florianópolis: 49 reais
  • Em Vitória: 46 reais
  • Em São Luís do Maranhão: 42 reais
  • Em Fortaleza: 45 reais
  • Em Aracaju: 39 reais

Se tornar um professor particular: isso é o sonho de muitas pessoas que não querem entrar no sistema de Educação Nacional ou não fizeram uma formação específica para ingressar no sistema público ou particular de ensino.

Se você está preocupado com o desempenho escolar de crianças e jovens brasileiros e quer desenvolver métodos de ensino e exercícios interativos que os ajudem a progredir, aqui vai nossa dica: não perca mais tempo e entre para esse mercado já!

Agora que você já tem todas as dicas para definir o valor da sua aula, você pode começar sem medo.

Não se esqueça de fazer uma boa pesquisa de mercado para descobrir quais são os preços praticados atualmente. Boa sorte!

Compartilhar

Nossos leitores adoram esse artigo
Este artigo te trouxe as informações que procurava?

Nenhuma informação ? Sério ?Ok, trabalharemos o tema num próximoNa média, ufa !Obrigado. Deixe suas dúvidas nos comentários.Estamos muito felizes em te ajudar ! :) (média de4,47 sob 5 de 15 votos)
Loading...
avatar
7 Comment threads
7 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
10 Comment authors
Anne MirandaIsabel Cristina de lima de OliveiraMATHEUS SOUSA REISValériaCelina juliano Recent comment authors
Mas recentes Mais antigos Mais populares
Fabiana
Convidado
Fabiana

Estou ingressando agora na faculdade de pedagogia porém coloquei uma faixa p dar aulas de reforço escolar e até agora nada vieram perguntaram e não voltaram eu coloquei p valor de 70,00 moro no RJ e vou dar aulas de alfabetização ao 7 ano.

Celina juliano
Convidado
Celina juliano

Pode ficar tranquila que os alunos aparecem….

José Henrique
Convidado
José Henrique

Bom dia, pessoal!

Fabiana
Convidado
Fabiana

Bom dia José Henrique

Maria
Convidado
Maria

É legal cobrar matrícula para reforço escolar ?

Louizy Costa
Admin
Louizy Costa

Olá Maria,
isso fica a critério do professor.
Caso você forneça livros, materiais exclusivos, uma estrutura própria para as aulas e etc é normal que seja cobrado uma “matricula” do aluno. Caso você não forneça essa estrutura os pais (e alunos) possivelmente irão questionar o motivo da cobrança de uma matricula.

Boas aulas!

Valéria
Convidado
Valéria

Sou formada e sempre trabalhei em escolas, agora quero começar com reforço escolar para ensino fundamental, mas não sei que valores cobrar e tbm estou perdida em relação ao materias didáticos que posso usar para as aulas, tipo algumas coisas básicas pra começar… vcs podem me ajudar com indicações?

Louizy Costa
Admin
Louizy Costa

Oi Valéria!
Esse artigo contém links que te levarão para alguns matérias e também para a média de preço de aulas em cada estado do Brasil. (:

Boa sorte e boas aulas!

MATHEUS SOUSA REIS
Convidado
MATHEUS SOUSA REIS

Cobro 40,00 faz dois anos e ainda não consegui almentar o valor

Louizy Costa
Admin
Louizy Costa

Vai aumentando aos poucos, assim os alunos se adaptam. Lembrando que isso depende do valor médio aplicado na sua região.

Boas aulas !

Isabel Cristina de lima de Oliveira
Convidado
Isabel Cristina de lima de Oliveira

Gostaria de saber se durante as férias devo pagar a explicadora.????

Louizy Costa
Admin
Louizy Costa

Isso depende do contrato entre ambas. (:

Anne Miranda
Convidado
Anne Miranda

Devo cobrar o mês de julho ( férias) e acrescentar tempo de aula no próximo mês ?

Louizy Costa
Admin
Louizy Costa

É necessário que ambos estejam de acordo. O importante é você calcular um valor que consiga suprir também seu período de férias.