Aulas particulares Idiomas Música Apoio Escolar Esporte Artes e Lazer
Compartilhar

A origem da letras latinas

De Joseane, publicado dia 14/01/2019 Blog > Idiomas > Latim > Alfabeto latino: História e Evolução

história da escrita data de milhares de anos quando o homem sentiu a necessidade de registar não só acontecimentos mas, também,  as operações primitivas de comércio.

A escrita é uma forma de manter viva a memória, evitando que algo ou alguma coisa caia no esquecimento. Dada a sua importância, a escrita marca o encerramento da Pré-História e o início da História.

Os primeiros registros escritos foram feitos em forma de pictogramas, outras formas de escrita também foram verificados como a escrita cuneiforme, a escrita hieroglífica, a escrita chinesa e também o nosso atual e conhecido alfabeto.

A representação fonética foi desenvolvida pelos fenícios. A análise promovida por esse povo deu origem a 22 sinais, aos quais foram acrescentadas as vogais pelos gregos, ao mesmo tempo que foram abandonadas as letras cujos sons não existiam nessa cultura, passando, assim, a ser representada por 24 sinais. Dessa evolução surge o nosso alfabeto, hoje composto por 26 letras, que tem origem no sistema greco-romano.

O alfabeto latino, base da língua latina nasceu por volta do século 6 aC na Itália. Ele é comum a quase todos os países ocidentais. Na época do surgimento do alfabeto latino, o sistema de escrita ainda não estava definido. Podia-se escrever da direita para a esquerda, da esquerda para a direita, ou mesmo alternando os dois sistemas.

O sistema gráfico latino é muito simples e possui origens mista fenícia, grega e etrusca.

Continue lendo para conhecer mais sobre a história e origens do alfabeto latino…

Etrusco: O ancestral do nosso alfabeto latino

Os sistemas de escrita nasceram em diferentes partes do globo e em diferentes momentos. Registros de escrita foram verificados na Mesopotâmia, no Egito antigo, na China e na América Central.

Como ler frases em latim Monumento romano com inscrições me latim

É preciso lembrar que nosso alfabeto vem da região de Canaã, que hoje corresponde ao Oriente Médio (Líbano, Israel, Síria, Jordânia, Sinai). Nosso alfabeto tem origem semítica.

De  base, os hieróglifos egípcios foram usados ​​para construir pouco a pouco o alfabeto que conhecemos hoje. Usamos um alfabeto pseudo-hieroglífico consonantal.

Ao mesmo tempo, e bem antes do surgimento do dicionário do latim moderno,  uma escrita cuneiforme nascia na região da Fenícia. As consoantes também eram dominantes.

Mais tarde, os gregos pegaram este alfabeto fenício adicionando vogais para se adaptarem à sua língua. O alfabeto grego deu origem ao alfabeto etrusco, que é a fonte do alfabeto que usamos hoje. Os etruscos vieram a priori da Ásia Menor de acordo com Heródoto, mas essa teoria não está confirmada.

Os etruscos chegaram à Toscana por volta do século VII aC e adotaram o alfabeto grego para transcrever uma língua ainda hoje misteriosa. De fato, os especialistas ainda não conseguiram entender e traduzir ainda que tenham aprendido a ler essa língua. A civilização etrusca se espalhou por toda a Itália e pouco a pouco o alfabeto etrusco foi imposto em toda a Europa, ao ritmo das conquistas romanas.

Todas as outras línguas e escrituras locais desapareceram. No século III aC, havia 19 letras no alfabeto. O, X, Y e Z serão adotados mais tarde diretamente na herança grega. O alfabeto etrusco continha letras inúteis de acordo com o sistema fonológico da língua etrusca. Sabe-se que a vogal “O” não foi usada, mas encontrará sua utilidade entre os romanos.

A história do alfabeto latino datando de milhares de anos, possui ainda muitos mistérios a serem desvendados.

Se você gosta da língua latina e quer melhorar o seu vocabulário de latim, conheça essa lista de dicionários de latim que vão impulsionar o seu aprendizado da língua de Virgílio!

Letras latinas: O sistema de escrita dos povos romanos

Na época dos romanos, a escrita é utilizada em função da memória dos grandes homens. Na verdade, encontramos com frequência epitáfios convidando as pessoas a glorificar a pessoa enterrada.

lista de provérbios latinos Para os dados à religião, que tal ler a bíblia em latim?

Assim, a democratização da escrita não ocorre e a taxa de alfabetização é estimada em apenas 30% dos homens adultos. Crianças, tanto os meninos como as meninas aprendiam a ler e escrever com a a ajuda de um magistrado, mas essa educação é reservada para as famílias de prestígio.

Muitas vezes o aprendizado da leitura e da escritura possuía um significado religioso nos tempos romanos. De fato, pensava-se que desenvolver o intelecto de alguém poderia garantir uma vida melhor após a morte para o falecido e até obter acesso à imortalidade.

Desse período, foram encontrados alguns artefatos onde a escrita e a declinação latina estão presentes: paredes e tabletes, frequentemente feitos de cera. Muito poucos pergaminhos foram encontrados especialmente porque era muito difícil conseguir muitos deles na época.

É somente entre os séculos I e V que os pergaminhos de papiro se espalharam dando origem a uma nova forma de trabalho: o códice. A pontuação não existia naquela época e para ajudar os palestrantes em sua fala, os intervalos eram simplesmente marcados por um retorno à linha.

A escrita depende da fala e não serve que para transcrever a expressão oral.

A princípio, existiam apenas letras maiúsculas no alfabeto latino até o período carolíngio (século IX), quando a palavra escrita gradualmente se separa da palavra falada e introduz letras minúsculas as quais aprendiam-se nas aulas de latim.

Para conhecer a gramática do latim, leia mais aqui!

Alfabeto latino: das maiúsculas à chegada das minúsculas

No contexto da conquista romana, a escrita se modifica e evolui. Os vestígios dos idiomas semítico e fenício estão cada vez mais distantes. Dois tipos de letras maiúsculas se verificam:

  • O capitalis rustica (século I aC), caracterizado por uma certa liberdade e uma linha delgada,
  • O capitalis quadrata (século IV), caracterizado por uma maior disciplina e uma forma quadrada.

Como escrever em capitalis rustica Letras capitalis rustica do latim

A escrita foi usada para transcrever poemas como os de Virgílio e histórias literárias, mas também é usada para falar sobre os méritos de um cidadão nas paredes da cidade e imortalizar seu discurso em bronze ou pedra.

Será na vida cotidiana que a escritura conhecerá sua maior evolução

Usada para a comunicação por cartas, diplomas ou contratos de vendas, a escrita ganha forma e simplifica a si mesmo e a ligação entre as letras se fazem gradualmente. As letras maiúsculas começam a serem grafadas de forma diferente dando origem à escrita chamada cursiva romana.

A minúscula surge somente no século terceiro através da escrita vulgar (do povo) nas línguas latinas. As letras, originalmente muito quadradas, tornam-se progressivamente redondas e especialmente em textos religiosos cristãos.

É Carlos Magno quem endossa o uso de letras minúsculas para estabelecer sua autoridade quando ele chega ao poder em 771. A escrita é então reformada. Todos os textos devem agora ser copiados em minúscula carolina.

Nossa redação atual decorre dessa padronização.

Veja aqui a lista de todas as línguas que tiveram origem no latim.

Curiosidades sobre o alfabeto romano

Nos primeiros séculos do uso do alfabeto romano, herdado dos fenícios e  bem longe da escrita hieroglífica de tradição egípcia, vários fatos podem ser notados:

Como escrever em latim Curioso para aprender a ler em latim?

  • Não se fazia distinção entre o U e o V. Apenas o V existia, sendo a forma das letras ainda muito quadrada na época,
  • V tinha o valor fonêmico de /u/ e /w/.
  • A letra G não existia. A consoante C representava ambos os fonemas / k / e / g /. Característica herdada diretamente do grego,
  • A letra K era usada como a letra C, tendo sido mantida apenas em poucas palavras e na frente de um A,
  • A letra Z não existia, sendo desnecessária devido a certas mudanças fonéticas,
  • A letra Q era uma variante da letra K, usada apenas na frente de um U.
  • I tinha o valor fonêmico de /i/ e /j/.

O alfabeto latino arcaico contava apenas com vinte letras, eram elas:

A, B, C, D, E, F, H, I, K, L, M, N, O, P, Q, R, S, T, V, X. 

Já na sua versão gráfica clássica, depois do século terceiro, o alfabeto contava com vinte e três letras, sendo elas:

A, B, C, D, E, F, G, H, I, K, L, M, N, O, P, Q, R, S, T, V, X, Y, Z. 

Como podemos notar, as letras U e W não existiam. Essas letras aparecerão mais tarde, como o arredondamento da caligrafia e, claro, com o uso.

Conheça essas vinte expressões do latim que vai te fazer parecer mais erudito!

Evolução do alfabeto latino

Depois do seu surgimento o alfabeto e a língua latina não pararam de evoluir.

Atualmente o nosso alfabeto latino conta com vinte e seis letras. Porém, existem algumas variações como é o caso do espanhol que possui 27 letras em seu alfabeto (acréscimo da letra Ñ).

Conhecer a história do latim é compreender a origem da língua portuguesa.

O apogeu do Império Romano e as guerras de conquistas levaram o latim popular, falado pelos soldados romanos, para outras regiões da Europa, onde interagindo com idiomas locais, deu origem às línguas neolatinas.

Atualmente, o latim é a língua oficial da Igreja Católica, utilizado na produção dos documentos oficiais do Vaticano, seja da Cúria Romana, seja das entidades agregadas. As Universidades Pontifícias de Roma, por exemplo, expedem seus Diplomas em latim ainda hoje. Os documentos oficiais da Igreja Católica, originalmente escritos em latim, são imediatamente traduzidos no próprio Vaticano e distribuídos pelos diversos países já no idioma vernáculo.

Quer ter aulas de latim? Encontre um professor de latim aqui no superporf!

 


 

 

 

 

Compartilhar

Nossos leitores adoram esse artigo
Este artigo te trouxe as informações que procurava?

Nenhuma informação ? Sério ?Ok, trabalharemos o tema num próximoNa média, ufa !Obrigado. Deixe suas dúvidas nos comentários.Estamos muito felizes em te ajudar ! :) (média de2,00 sob 5 de 3 votos)
Loading...
avatar