Aulas particulares Idiomas Música Apoio Escolar Esporte Artes e Lazer
Compartilhar

Qual a verdadeira relação do violino com o continente europeu?

De Marcia, publicado dia 02/10/2018 Blog > Música > Violino > Como ser um violinista na Europa?

Com a tradução de antigos e clássicos violinistas como Paganini, muitos entusiastas embarcaram na ideia de aprimorar suas técnicas com o instrumento. A Europa, berço cultural e histórico do violinismo, também foi palco de diversas competições relacionadas à ele. Não é à toa que o continente reúne os maiores violinistas do mundo. Alguns desses concursos, inclusive, recebem artistas de todas as idades, a partir dos 6 anos. A grande maioria, ainda não chegou aos 25.

Talento desde pequeno Alguns festivais de música europeus são abertos à crianças.

Entretanto, a tradição de tocar violino se espalhou pelo mundo. Hoje em dia, existem artistas de diversas nacionalidades, que encontraram no violino o caminho de mostrar seu talento ao mundo. Se você deseja entender melhor a história dessa vertente musical, continue lendo. Preparamos abaixo um post especial sobre o assunto.

A origem do violino na Europa

Você sabia que o violino surgiu na Itália? É por isso que o primeiro continente que nos vêm à mente quando pensamos no instrumento é a Europa: trata-se de uma questão de origem. Mas afinal, como exatamente foi criado o primeiro violino do mundo?

Violino na Europa: berço cultural e musical

Dentre os instrumentos musicais que utilizam cordas, o violino é, sem dúvidas, um dos mais antigos. Ele foi criado no século XVI, em Milão, na Itália. O primeiro violino do qual se tem conhecimento foi encontrado na cidade de Cremona, hoje famosa internacionalmente.

Embora não haja um consenso sobre datas, acredita-se que ele foi tocado pela primeira vez entre 1523 e 1540. Em Lyon, na França, existem documentos datados de 1560, que relatam artistas tocando violino. Diz a história que, nessa ocasião, Carlos IX, então rei do país, teria encomendado 24 violinos para a música popular da época.

Depois da Itália, da França e de outros países do Sul europeu, o violino foi emprestado para a porção nórdica do continente, com um estilo muito particular. À época do Renascimento, o instrumento dispersou-se ainda para os países germânicos. E foi por lá que os primeiros concertos buscaram inspiração em grandes nomes da música clássica, como Mozart e Vivaldi.

Tocar violino na Europa Concertos de violino emocionam o público há séculos.

O período Romântico foi uma era virtuosa para sua expansão: Paganini, Bazzini, Kreutzer e Vieuxtemps podem ser considerados os primeiros violinistas europeus. A partir daí, um verdadeiro repertório específico para o instrumento foi criado, incluindo as obras de Beethoven.

No século XIX, a Europa estava na idade de ouro para o violino: ele estava entre os mais famosos instrumentos de corda do repertório clássico. E foi a partir daí que surgiram outros novos artistas, empenhados em mostrar seu talento.

A Europa, entretanto, não foi único local onde o instrumento se difundiu. A Ásia também pode ser considerada uma grande rival do continente quando o assunto é violino.

A evolução do violino na Europa

Ainda falando em classicismo, podemos dizer que o violino sofreu profundas transformações na Europa. O objetivo, em sua maioria, era melhorar a caixa de som ou tornar o arco mais flexível. Entre os descendentes diretos do violino europeu estão:

  • violino de Savart;
  • violino de Chanot;
  • violino de Suleau;
  • violino Latim;
  • violino Stroh;
  • violino Tolbecque;
  • violino eletrônico.

A maioria desses instrumentos adaptados fazem parte de uma orquestra sinfônica difundida na Europa. O violino de Chanot, por exemplo, foi criado para melhorar o som emitido, tornando-os semelhantes aos de um violino Stradivarius. O latim que citamos é, nada mais, nada menos, que uma paródia realizada pelo grupo argentino Les Luthiers.

Mas, além das diferenças de estilo e técnicas, que outras variáveis envolvem o mundo do violino? Será que existem tipos específicos que se adaptaram a determinadas regiões?

Práticas europeias sobre o violino

Todos os países da Europa mantêm uma relação própria com o violino: pode ser que em algumas regiões ele seja considerado mais relevante que em outras. Mas, de modo geral, podemos dizer que ele permanece muito presente.

No século XVII, o violino estava por toda parte, ganhando espaço até mesmo nos países nórdicos: Noruega, Suécia, Finlândia, Estônia e Lituânia se renderam aos encantos do instrumento, lançando grandes talentos no mercado da música.

Na porção leste, podemos dizer que houve influência da música cigana, trazida pelos nômades, já que se trata de um instrumento pequeno, de fácil transporte. Bulgária, Moldávia, Polônia, Romênia, Sérvia e Ucrânia fazem parte dos países que também aderiram à cultura do instrumento. Esses dois últimos, baseados em influências folclóricas.

Irlanda e Reino Unido também não ficaram de fora: porém, o seu uso por lá é um tanto mais antigo. Podemos considerar que os primeiros indícios surgiram logo na Idade Média. E ainda assim, por lá também existem variantes.

Países como Itália e França têm o violino barroco como uma de suas principais peças: ele é associado, sobretudo, a uma ideia de nobreza. Em Portugal, entretanto, ele pode ser considerado um instrumento de grande popularidade.

Origens musicais italianas Além dos vinhos e massas, a Itália também é a terra onde surgiu o violino.

Na Grécia, ele ainda é tocado tanto no peito quanto sob o queixo, acompanhando a música cigana da região. Na Espanha e na Albânia, seu uso pode ser considerado um tanto mais discreto, mas ainda em larga escala.

Já está sonhando em embarcar para a Europa para tocar violino? Vá com calma! Antes de mais nada, você precisará de algumas aulas para desenvolver seu talento com o instrumento.

Onde aprender a tocar violino na Europa?

Se embarcar para a Europa já tocando violino pode ser fantástico, imagine ter a oportunidade de estudar o instrumento exatamente no continente onde ele se originou? Mas afinal, como ter acesso a um curso de renome em algum país europeu? Quais são os estabelecimentos que oferecem os melhores cursos, ministrados por professores realmente qualificados e renomados?

Os melhores cursos de violino normalmente são oferecidos nos conservatórios nacionais. O de Paris, na França é um dos mais conhecidos, ao lado do de Viena, na Áustria e de Roma, na Itália. Entretanto, podemos dizer que a grande maioria dos países do continente oferece ótimas opções.

  • Na Alemanha, há o Conservatório de Hoch, em Frankfurt;
  • Na Áustria, a Mozarteum University of Salzburg;
  • Na Bélgica, o Conservatório Real de Bruxelas;
  • Na Bulgária, a Academia de Dança e Artes de Plovdiv;
  • Na Croácia, a Academia de Música de Zagreb;
  • Na Dinamarca, a Academia Real Dinamarquesa de Música;
  • Na Espanha, o conservatório profissional Arturo Soria de Madrid;
  • Na Finlândia, a academia Sibelius de Helsinque;
  • Na França, a Escola Normal Superior de Música de Paris;
  • Na Grécia, o conservatório de Atenas;
  • Na Hungria, o Instituto de Musicologia de Budapeste;
  • Na Irlanda, o Trinity College Dublin;
  • Na Itália, o conservatório nacional Giuseppe Verdi, de Milão;
  • Na Letônia, a Academia de Música de Riga;
  • Na Macedônia, a Escola de Música de Skopje;
  • Em Mônaco, a Rainier III Academy of Monte Carlo;
  • Na Holanda, o Conservatório Real de Haia;
  • No Reino Unido, a Edinburg Music School;
  • Na Suíça, o conservatório de Genebra.

No total, podemos dizer que a Europa conta com mais de 1500 instituições dedicadas ao ensino da música de alto nível, especialmente, do violino.

Quem são os violinistas europeus mais famosos?

Não são somente as figuras que ajudaram na difusão do violinismo no continente que devem ser consideradas importantes. Existem também artistas contemporâneos que tiveram um papel fundamental quando o assunto é o uso do instrumento na Europa.

Dentre os mais famosos, podemos citar:

  • André Rieu – Nascido nos Países Baixos,  é um violinista clássico popular desde 1978. Também é regente da prestigiada Orquestra Johann Strauss;
  • Svend Asmussen – Violinista dinamarquês que marcou o século XX (1916-2017). Foi apelidado de “viking viking” por causa de seu estilo único de tocar, cujas influências poderiam ter vindo do sul e do jazz de Smith;
  • Didier Lockwood – Um grande violinista de jazz francês (1956-2018), ganhou o Victoires de la musique em 1985. Também é co-fundador do Festival des Puces, um festival de jazz cigano;
  • Yehudi Menuhin – Maestro e violinista talentoso (1916-1999), foi uma criança prodígio, considerada por muitos como o maior violinista do século XX. Sua música profunda e vibrante o tornou famoso. Embora seja americano, seu nome foi dado a uma das mais prestigiadas competições européias de violino, que acontece todos os anos em Genebra, na Suíça;
  • Kevin Burke – Violinista tradicional irlandês, nascido em 1950, é hoje uma referência na música e vive em Londres;
  • Cathy Heidt – Violinista luxemburguesa, a jovem foi escolhida para fazer parte da prestigiada Orquestra da Juventude da União Europeia;
  • Andres Mustonen –  Violinista e maestro estoniano, ele é conhecido na música tradicional. Também conduziu a Orquestra Sinfônica Nacional da Estônia;
  • Dorota Anderszewska – Renomada violinista polonesa, ganhou inúmeras competições de prestígio. Atualmente, é solista e trabalha em dueto com seu irmão pianista.

Da Europa, a partir de todas essas e muitas outras inspirações, o violino expandiu-se para o mundo. Hoje em dia, podemos dizer que ele tem um papel significativo também na África.

Faça um curso de violino As aulas de violino podem prepará-lo para tocar profissionalmente.

Para você, que deseja mostrar seu talento ao continente, também há a opção de aulas particulares, a partir da plataforma Superprof. Basta consultar a disponibilidade de professores na região para a qual você deseja embarcar (ou mesmo aqui no Brasil para começar a se preparar). E ainda há a opção de fazer aulas online, para as quais não existem barreiras geográficas.

Você pode começar a consultar agora mesmo, sem sair de casa, a partir do seu computador.

 

 

Compartilhar

Nossos leitores adoram esse artigo
Este artigo te trouxe as informações que procurava?

Nenhuma informação ? Sério ?Ok, trabalharemos o tema num próximoNa média, ufa !Obrigado. Deixe suas dúvidas nos comentários.Estamos muito felizes em te ajudar ! :) (Seja o primeiro a avaliar)
Loading...

Deixe um comentário

avatar