Aulas particulares Idiomas Música Apoio Escolar Esporte Artes e Lazer
Compartilhar

O que você precisa ver quando visitar o Japão

De Fernanda, publicado dia 22/08/2018 Blog > Idiomas > Japonês > Quais são os maiores monumentos japoneses?

“É preciso monumentos nas cidades do homem, caso contrário, onde estaria a diferença entre a cidade e o formigueiro?” (Victor Hugo)

Com mais de 3.000 locais históricos em todo o país, o Japão mistura maravilhosamente tradição e modernidade na sua sociedade de hoje. Dos mais antigos templos com uma atmosfera pacífica aos arranha-céus mais modernos, há uma variável comum: o estilo japonês.

Como curiosidade, saiba que o país do sol nascente também conta com “monumentos naturais” entre os quais se podem encontrar animais ou plantas.

O Japão é um país que fascina: forte cultura tradicional, rica história, vida repleta de regras sociais e encarnação de sabedoria e serenidade para muitos. É também um destino muito popular para os turistas ocidentais que viajam para a Ásia, que procuram por aulas de japonês.

Mas além da deliciosa culinária japonesa e do imperdível Monte Fuji, você também pode aproveitar e visitar uma infinidade de famosos monumentos japoneses! Vamos conhecer?

O palácio imperial de Tóquio

Quais monumentos são inevitáveis ​​no Japão? Todos querem saber onde o Imperador mora…

O Palácio Imperial de Tokyo é uma visita obrigatória ao viajar para o Japão. Foi a residência oficial dos xóguns Tokugawa a partir de 1868, quando Tóquio se tornou capital do país.

Parcialmente destruído durante a Segunda Guerra Mundial, o edifício foi reconstruído na década de 1960. O palácio imperial é agora a residência oficial do imperador do Japão (Akihito).

Mas não fique decepcionado ao chegar lá: provavelmente você não vai conseguir entrar no palácio! Na verdade, o monumento abre suas portas ao público apenas dois dias por ano: 23 de dezembro e 2 de janeiro (o aniversário do imperador).

No entanto, pode-se caminhar ou passear na área, especialmente nos jardins ou no ancoradouro do palácio. Na primavera, com flores de cerejeira, o cenário é mágico! A ponte do palácio (Nijubashi) é um lugar onde os japoneses adoram tirar fotos.

Monumentos Japoneses: o Skytree em Tóquio

A segunda torre mais alta do mundo (634 metros) foi inaugurada em 2012. A Skytree também é um passeio cultural. Por exemplo, lá você pode conhecer o aquário ou então o planetário.

Mas você também pode ir às compras nas mais de 300 lojas e restaurantes ali presentes. O edifício é muito visitado e muito animado durante todo o ano.

A torre é uma das encarnações da modernidade da megalópole japonesa e da sua influência em escala internacional.

Para os amantes de estruturas altas, a Torre de Tóquio (333 metros), que retoma as linhas da Torre Eiffel, também é muito famosa no Japão e muito mais antiga (inaugurada em 1958 para servir como antena de rádio e televisão). Do topo da torre, a vista da capital japonesa é incrível. No entanto, para chegar lá, você vai ter de encarar aproximadamente 600 degraus!… Haja ânimo!

A sede do governo de Tóquio

Na capital japonesa, você também pode dar um passeio ao lado da sede do governo japonês. O edifício é relativamente novo, pois foi inaugurado em 1990. Ele tem a forma de duas torres gêmeas de 48 andares cada.

Até 2006, o edifício era um dos mais altos da cidade, com seus 243 metros de altura.

A qualquer hora do dia, é possível contemplar Tóquio a partir do topo do observatório situado a 200 metros acima do chão. De cima, a vista da maior cidade do Japão é de tirar o fôlego. Podemos até ver o Monte Fuji.

Meu conselho para os viajantes: por que não fazer uma visita durante o dia para tirar fotos que alcancem a extensão da capital? Ao entardecer, a vista das luzes da cidade é tão deslumbrante!

Senso-ji em Tóquio

Este templo é o mais antigo templo budista em Tóquio e foi erguido em homenagem à deusa Kannon. É uma das atrações imperdíveis ao visitar a cidade ou mesmo em uma longa viagem pelo Japão.

Os turistas vêm em massa para admirar este belo monumento ou apenas para caminhar pelas vielas do bairro.

Alguns ainda criticam o local, afirmando que perdeu sua autenticidade pois foi invadido pelos comerciantes em massa. A melhor maneira de descobrir sua opinião ainda é visitando pessoalmente!

Quais são os locais de culto no Japão? Para entender melhor as religiões no Japão, visite os templos.

Visite o Japão: o Templo do Pavilhão Dourado de Quioto

Passagem obrigatória em uma primeira viagem à cidade de Quioto (ela era a antiga capital do Japão até 1868)! Você vai se sentir totalmente desconectado no Kinkaku-ji!

A residência original data do final do século XIV e foi a casa do xógum Askikaga Yoshimitsu.

Foi transformado em um templo zen em sua morte e reconstruído na década de 1950, depois que um monge o incendiou. A casa é hoje adornada com folhas de ouro, daí o nome de pavilhão dourado. O edifício também é um Patrimônio Mundial da UNESCO.

Esteja ciente de que o Pavilhão de Prata, o Ginkaku-ji, também é visitável na cidade de Quioto. Muito menos famoso que o Pavilhão Dourado, ele merece, no entanto, uma ou duras horas de visita para contemplar seus esplêndidos jardins japoneses.

Ao contrário do Templo do Pavilhão Dourado, o Pavilhão de Prata leva o nome da cor da areia encontrada no jardim zen na borda do edifício.

O palácio imperial de Quioto

O palácio imperial original é uma das construções mais antigas do Japão, já que sua primeira construção data do século VIII (794). Vários incêndios levaram a algumas mudanças da sua fachada.

O palácio, como podemos ver hoje, data de 1855, mas é uma reconstrução fiel ao edifício original.

Quando Quioto ainda era a capital do Japão, o palácio era a residência da família imperial, assim como o palácio imperial de Tóquio hoje em dia.

Embora negligenciado pela família imperial, o palácio permanece em funcionamento hoje. Muitas cerimônias oficiais ainda são realizadas lá, como as saudações de Ano Novo no pavilhão central (shishinden).

O parque ao lado do palácio também é uma atração à parte, com as cores da primavera e as famosas cerejeiras.

Para visitar o palácio, é preciso pedir uma autorização à agência da casa imperial que se localiza no parque do palácio. Saiba que você também pode fazer esta solicitação por meio de um formulário na Internet.

Fushimi Inari Taisha em Quioto

Construído em 711 em homenagem à deusa do arroz Inari, é também o maior santuário xintoísta do Japão. Para ver e contemplar o santuário, é necessário percorrer o caminho no qual estão presentes (aos milhares) os famosos portões vermelhos: estes são chamados de torii.

Você sabia que esse local foi cenário do filme “Memórias de uma gueixa” e que também serviu de inspiração para a série de videogames da Nintendo “Star Fox”?

Para visitar todas essas maravilhas, você vai precisar de um visto japonês.

Parque Memorial da Paz em Hiroshima

A história do Japão não se resume apenas a xóguns e samurais. O país também conheceu horas sombrias na Segunda Guerra Mundial, e isso faz parte de sua história. Se você passar por Hiroshima, é interessante parar no Memorial da Paz, que presta homenagem aos milhares de mortos.

A atmosfera é certamente pesada e emocionalmente carregada, mas permite que todos questionem as atrocidades que podem ser cometidas em tempos de guerra.

Castelo de Osaka

A capital econômica de Kansai também é repleta de tesouros arquitetônicos. Este é particularmente o caso do Castelo de Osaka, que continua a ser passagem obrigatória se você está visitando a cidade.

Dentro do castelo há um museu que conta a história de Osaka e a história do castelo desde a sua construção. Do andar de cima do prédio, a vista da cidade de Osaka também é muito interessante.

O edifício original foi construído no século XVI (1583) e destruído e reconstruído várias vezes. A última “versão” do prédio data de 1997. Note que as muralhas e os fossos são idênticos ao que eram durante a primeira construção.

Além do castelo, há também um parque no local onde os japoneses adoram ir e relaxar.

Lugares japoneses: Castelo de Himeji

O que fazer no sul do país do sol nascente? Quem não gostaria de morar aqui?

Localizada a oeste de Quioto e Osaka, Himeji provavelmente não é a cidade mais conhecida do Japão. E, no entanto, é o lar de um dos monumentos mais visitados do país: o seu castelo.

Por seu tamanho mas também por sua belíssima arquitetura, o monumento é a própria encarnação dos castelos japoneses e das suas principais características:

  • Revestimento de cal,
  • Bases de pedra muito altas,
  • E ainda o uso de gesso.

Também conhecido como o “Castelo da Garça Branca” devido ao revestimento visível nas paredes externas, faz parte dos três maiores castelos do país, ao lado de Kumamoto e Matsumoto.

É altamente recomendável visitar este castelo, especialmente na primavera, quando os jardins e as cerejeiras florescem. Uma verdadeira imersão na cultura japonesa do passado.

Definições de “monumentos japoneses”

Os monumentos japoneses testemunham a história deste país, misturando tradição e modernidade.

O que é um xógum?

Como título, é a abreviação de Seii Taishōgun (征夷大将軍, lit. “Grande General Apaziguador dos Bárbaros”), nomeação que até 1192 fora temporária e utilizada para se referir ao general que comandava o exército enviado a combater os emishi, que habitavam no norte do país.  Posteriormente, por alguns séculos (do século 12 ao século 19), o xógum era o verdadeiro governante do Japão e ele era o comandante-em-chefe dos exércitos.

O que é xintoísmo?

O xintoísmo é a principal religião no Japão. É uma religião politeísta e animista, ligada à mitologia japonesa.

Compartilhar

Nossos leitores adoram esse artigo
Este artigo te trouxe as informações que procurava?

Nenhuma informação ? Sério ?Ok, trabalharemos o tema num próximoNa média, ufa !Obrigado. Deixe suas dúvidas nos comentários.Estamos muito felizes em te ajudar ! :) (Seja o primeiro a avaliar)
Loading...

Deixe um comentário

avatar