Aulas particulares Idiomas Música Apoio Escolar Esporte Artes e Lazer
Compartilhar

Você sabe reconhecer uma “voz de cabeça”?

De Fernando, publicado dia 26/03/2019 Blog > Música > Canto > O que é um falsete?

Desde o início dos tempos, o canto é uma área nobre da arte, muito apreciada por pessoas de todas as classes sociais e presente em todas as línguas. O ato de cantar também está presente no entretenimento, com programas de TV dedicados à busca por novos talentos e filmes baseados nas disputas de grupos vocais. Além disso, a música também está presente em bares, casas de espetáculo e até mesmo nas ruas.

Além de ouvir maravilhas como a voz inesquecível de Michael Jackson, é necessário conhecer algumas técnicas vocais para dominar sua voz , desenvolver seu próprio estilo e cantar bem em público.

Em termos de treinamento e aprendizado, existem possibilidades para todos. No conservatório, você aprende a teoria da música, notas e partituras quase que cientificamente, enquanto nas escolas de canto ou associações de coral, você deixa a sua criatividade fluir mais.

Se subir no agudo sem cantar mal parece impossível, então o tema do texto deve interessá-lo… Técnicas vocais sempre estarão no seu radar e é bom conhecer várias!

Aqui vão algumas dicas sobre a sua voz de cabeça, falsete e voz de peito, como descobri-las e explorar bem esse tema!

o falsete precisa ser bem colocado Cantar pode vir a ser uma atividade extremamente prazerosa! Treine bem sua voz para encantar o público.

Definindo a voz de peito

Também conhecida como voz plena, a voz de peito é a nossa voz falada. Na música brasileira, especialmente na MPB, é comum encontrarmos músicas inteiras cantadas apenas nesse registro, como é o caso de Garota de Ipanema.

Definindo o falsete

Do italiano falsetto = “tom falso”, o falsete é o registro vocal através do qual o cantor emite – de modo controlado, portanto, não natural, ou seja, “falso” – sons mais agudos ou mais graves que vão além dos da sua faixa de frequência acústica natural (sua tessitura vocal).

No falsete, não se tem o fechamento completo das cordas vocais, o que o torna (na voz masculina) audivelmente com um aspecto um pouco sussurrado, como se fosse com “ar na voz”. Por se tratar de músculos diferentes, não se é possível transitar entre a voz de peito e o falsete sem quebra na voz.

Definindo a voz de cabeça

O que é voz de cabeça? É uma definição que precisamos entender, pois existem diferentes explicações para essa maneira tão especial de cantar.

Às vezes podemos compreender esse conceito como a maneira de cantar de crianças no coral antes que o efeito do crescimento afete sua voz e as faça mudar. Ou quando os cantores suíços usam a técnica yodel a cantar ou a maneira de cantar de algumas tribos africanas, com seus agudos destacados.

No entanto, a definição que consideramos mais direcionada é a que considera a voz de cabeça um som que é obtido a partir da passagem para uma certa nota em homens, quando cantam,  usam uma voz de falsete, sendo percebida como uma voz mais parecida com a maneira de cantar de uma mulher. Assim são produzidos sons diferentes dos naturais. A voz de cabeça diminui a massa vibrante na corda vocal, com uma nota mais aguda e menos intensa, mas com potência e sem o “som de ar” que não são característicos do falsete.

Ficou confuso? Que tal explicarmos de outra maneira!

O falsete origina-se do italiano, falsetto = “tom falso”, e é criado quando o cantor emite sons mais agudos ou mais graves que vão além daqueles dentro de sua frequência acústica natural.

A voz de cabeça é um registro utilizado para notas agudas, muito confundido com o falsete. Embora eles tenham diferenças físicas, nas vozes femininas é mais difícil diferenciar os dois apenas ouvindo. Nas masculinas, é um pouco mais fácil.

A voz de cabeça pode ser usada em relação a uma parte específica da extensão vocal ou o tipo de registro vocal ou ainda uma zona de ressonância vocal.

Voz de cabeça X Falsete

Qualquer discussão sobre voz de cabeça e falsete envolve uma consideração básica de fonação vocal. Existe a ressonância, é claro, e ela exerce um efeito sobre a fonação nestas áreas, como em todas as demais áreas do canto. Contudo, as principais diferenças entre o falsete e a voz de cabeça são fonatórias.

No falsete, a produção da voz ocorre em músculos vocais inativos e alongados. Então o som é gerado pelo sopro de ar sobre as bordas muito finas das cartilagens aritenoides, enquanto é controlada sobretudo através do controle do fluxo respiratório.

Ainda considerando o falsete, o ar é usado de forma menos eficiente e, portanto, não tem a potência da emissão normal. A prega vocal encontra-se esticada de forma diferente, mais alongada, criando uma fenda fisiológica paralela.

Dessa forma, o som da voz de falsete é fraco. Isso ocorre porque as bordas muito finas das cordas vocais alongadas não mostram qualquer tensão em oposição à ação tensora das aritenoides (par de pequenas pirâmides de cartilagem, localizado na laringe, no qual as cordas vocais estão anexadas). Assim essas bordas são facilmente golpeadas pelo sopro e oferecem pouca resistência ao fluxo de ar.

O som da voz em falsete é fraco enquanto que o som da voz de cabeça é mais rico em harmônicos e tem potencial para produzir um som mais puro e limpo. Fonte: YouTube: Davi Kalan – Divulgação.

O som da voz de cabeça, no entanto, é mais proficiente em harmônicos e tem o potencial para produzir, substancialmente, um som mais puro e limpo. A causa disso é o aumento da tensão das aritenoides, que criam uma borda “mais apertadinha” e mais substancial com as pregas vocais. Esta borda resiste ao fluxo de ar e gera uma pressão mais perceptível abaixo das cordas vocais.

O cantor ou cantora pode facil e nitidamente sentir essa diferença de pressão no ar, entre a verdadeira voz de cabeça e o falsete.

Transitar entre o falsete e a voz de cabeça

É possível mover-se graciosamente entre o falsete e a voz de cabeça e não é difícil identificar, na maioria das vezes, qual voz está sendo usada.

As vogais exercem um forte efeito sobre a transição da voz de peito para a voz de cabeça. Vogais fechadas, como “i” e “u” tendem a reduzir os pontos de mudança de registro. Considera-se que isso é causado pela diferença de “carga” acústica  destas vogais nas pregas vocais. Na realidade, essa carga acústica aumentada permite que as cordas vocais realizem seu ajuste mais facilmente, já que as mesmas não são obrigadas a serem as únicas a exercer resistência ao aumento da pressão da respiração quando o tom sobe.

Faz sentido dizer que existe falsete feminino? Por que esse assunto é tão polêmico?

Mulher tem ou não tem o falsete?

Essa é uma questão ultra polêmica, pois é aberta a vários tipos de intepretação. Muitos músicos e estudiosos entendem que não: que não é possível existir o falsete feminino. Segundo o músico Rômulo Bartolozzi, mulher não canta em falsete pois o mesmo trata-se de um artifício da voz masculina para se equiparar ao timbre e à tessitura da voz feminina.

Bartolozzi afirma que falsetto refere-se à voz falsa feminina, portanto não faz sentido nem por produção e nem por nomeclatura. É um termo relacionado à voz masculina. “O que chamam de falsetto feminino é simplesmente voz de cabeça, de que ambos os gêneros gozam perfeitamente. E o mecanismo é ligeiramente diferente. Harmonicamente é diferente e a ressonância no corpo é diferente.” O músico ainda aponta que faria mais sentido chamar de falsetto feminino notas graves para as mulheres, produzidas artificialmente.

Pensando nisso, primeiramente devemos entender que na voz humana, fisiologicamente falando, existem três tipos de registros:

  1. Basal: utilizado por vozes graves em notas extremamente graves. É conhecido como voz de garganta, o som soa como um “arroto”.
  2. Modal: abrange as notas graves, médias e agudas com um som mais próximo ao da voz falada e mais pesado. Em relação aos homens, normalmente esse registro é mais amplo, com o uso do músculo TA, Tiro Aritenóideo, responsável pelo peso das notas e pelas notas graves. É nesse registro somente que o falsete ocorre.
  3. Head: registro de voz de cabeça; a musculatura usada nesse registro é completamente diferente da utilizada no registro anterior. Os homens nem sempre conseguem emitir notas nessa região, enquanto as mulheres o fazem sem tanta dificuldade. É aqui que encontram-se as notas mais agudas da voz humana. Aciona-se o músculo CT, Cricotireóideo, responsável pela leveza da voz e pelas notas agudas. O falsete não pode ocorrer nesse registro.

Fisicamente, o processo que ocorre na laringe feminina não é o que se denomina falsete. Portanto, se perguntado a um fonoaudiólogo se a mulher é capaz de emitir falsete, a resposta será não. Por outro lado, trata-se de uma voz fraca e com certa vazagem de ar, semelhante ao falsete masculino. Se perguntado o mesmo a um professor de técnica vocal, a resposta poderá ser que sim.

Conclusão: no estudo do canto, na técnica vocal, podemos estudar o falsete na voz feminina, pois podemos ouvi-lo, mas na fisiologia feminina ele não acontece.

Nas músicas dos Bee Gees o falsete rola solto!

Além disso, normalmente um cantor iniciante ainda não possui conhecimento sobre impostação de voz e, assim, ao emitir notas agudas, sua voz fica fraca e soprosa. Percebe-se, inclusive, uma quebra na passagem registro, pois ainda não existe controle preciso da emissão da voz.

Podemos notar esse acontecimento tanto na voz feminina quanto na masculina. É por causa disso que alguns professores tratam esse fenômeno como sendo o falsete em ambos. Contudo, o falsete ocorre na voz masculina quando a mesma não consegue mais manter o peso do registro modal.

Como recurso, as pregas vocais fecham-se pela metade, produzindo notas mais agudas até que se chegue ao registro Head. Enquanto a voz feminina, ela se encontra neste momento já nesse registro Head, apenas não tendo controle absoluto desse registro, pois não o utiliza em sua plenitude, infelizmente soando fraca e soprosa.

Para corrigir essa soprosidade, os dois precisam impostar a voz. O homem ainda estará em registro modal e deve mesclar voz de peito e voz de cabeça, enquanto a mulher deve usar todas as regiões da voz de cabeça permanecendo no registro Head.

E você já conhece a técnica do vibrato?

Exemplos de cantores, especialistas no uso da voz de cabeça na música

Muito popular nos anos 70 e 80 com bandas como a Bee Gees ou o romântico Cassiano, autor de Primavera (Vai Chuva) e um dos pilares da soul music brasileira, cantar com a voz de cabeça retorna aos poucos aos holofotes.

Artistas contemporâneos como o libanês Mika e no rock moderno com grupos como Muse, a voz de cabeça continua sendo um registro presente na música.

As diferentes maneiras de cantar com uma voz de cabeça

Essa noção é subjetiva e acho que muitos professores cantores podem ter opiniões mais formadas e bem explicadas sobre o tema, mas podemos, basicamente, pensar em três tipo de canto na voz de cabeça:

  1. Do peito, poderoso, mas um pouco “sujo”, não tão trabalhado: Matthew Bellamy seria um bom exemplo.
  2. Menos seguro, menos poderoso, mas bem mais trabalhado, mais limpo para se escutar: o líder do grupo U2, Bono Vox, seria um bom exemplo.
  3. Na versão mais próxima do “canto barroco” para cantores com disposições reais e com uma voz verdadeiramente treinada, o que dá um som agradável de ser ouvido.

Solo ou em uma banda, seu talento precisa ser trabalhado Como você cuida da sua voz?

Cantando bem com sua voz em três passos

Ser um cantor principal é uma performance que requer esforço, trabalho em cordas vocais e postura corporal.

1. Aquecer sua voz

Em primeiro lugar, é importante aquecer sua voz. É bom trabalhar tempo suficiente para a preparação e não tanto que deixe o seu corpo e voz cansados.

Entre 30 e 45 minutos seria um bom volume para esse trabalho. Fazer isso com bastante calma e técnica pode fazer toda a diferença na sua maneira de cantar corretamente.

2. Trabalhe em sua postura

Muitas vezes, os cantores populares levantam ou abaixam a cabeça para tentar alcançar os agudos ou marcar bem as suas notas sérias… É um erro que você não deve reproduzir sob nenhuma circunstância. Inclinar a cabeça ou o queixo é apenas um truque!

De fato, esse posicionamento do corpo causa tensão adicional nos músculos que suportam o pescoço, cervical e/ou laringe (mastoide esterno-cleido, escaleno anterior e médio, omo-hioideo, cleido-occipital) e desvia a trajetória desejada da voz principal, esticando as pregas vocais mais do que é preciso. E você não vai querer que isso aconteça, não é mesmo? A sua saúde deve estar em primeiro lugar sempre!

Para cantar bem em uma voz de cabeça, é necessário:

  • Boa posição vertical de pé com ombros baixos, cabeça olhando para a frente, joelhos ligeiramente dobrados e pelve alinhada com seus ombros.
  • Inspire usando seu diafragma com o abdômen ligeiramente inflado.
  • Mantenha a laringe tão baixa quanto possível de forma natural. Em outras palavras, sem tentar modificar tanto a posição do seu maxilar. Esta parte do seu corpo otimiza, com segurança para as pregas vocais, o aumento no alcance dos agudos.
  • Comece a cantar com uma nota não muito alta e toque seu plexo (região logo abaixo do esterno) para tentar tirar o som agudo com mais qualidade.

3. Trabalhe na sua voz de peito!

Para avançar rapidamente no canto, é aconselhável seguir o mestre no assunto conhecido por seu grupo The Police ou – em menor medida – seu dueto com o argelino Cheb Mami com Desert Rose: o cantor Sting.

O princípio é escalar o máximo que puder sem usar sua voz de cabeçaQuanto mais você treinar, mais se fácil torna, e até mesmo natural, alcançar notas altas com sua voz de peito

Quais os exercícios certos para o falsete? Como recuperar o conforto ao cantar?

Como se mover da voz do peito para a voz da cabeça sem inconvenientes?

Antes de começarmos, é bom saber que há outra voz…

Essa voz mista é um fenômeno diferenciado, uma vez que que a laringe vibrante usa apenas duas maneiras naturais de fazer as cordas vocais funcionarem:

  • Voz do peito,
  • Voz de cabeça.

Diferenciando a voz mista

Cantar com voz mista, também conhecida como voz média, nada mais é do que combinar as vozes da cabeça e do peito ao mesmo tempo. Como resultado, isso produz um som cheio e vibrante. Esse método costuma ser usado para acabar com a separação entre os registros de voz de cabeça e de voz de peito.

Quando você passa dos sons da voz de cabeça (notas mais agudas) para os sons da voz do peito (notas mais graves), praticar a voz mista permitirá que você transite suavemente e sem intervalos ou mudanças súbitas de tom.

A voz mista é, portanto, um terceiro registro falso, também produzido pelo “mecanismo leve”, compreendendo a laringe ou relacionado à laringe, que se encontra tanto em homens quanto nas mulheres.

Na verdade, sua existência poderia ser considerada impossível de acordo com a pesquisa científica, pois a voz mista é uma ilusão criada pelo ouvido e a laringe, uma atração vocal criada pela técnica hábil, que consiste em passar do registro de peito ao registro de cabeça sem interrupção.

Apreciado pelos cantores antigos, esta técnica vocal, quando dominada, permite escalar nas alturas, incluindo um máximo de harmônicos sérios.

É, portanto, seguindo estes princípios técnicos que podemos definir a voz mista como sendo:

  • A voz de peito que sobe nos agudos para tentar conseguir um tom mais leve, mais fino, reduzindo gradualmente a dar lugar a uma voz de cabeça.
  • Uma voz de cabeça que desce para o baixo para produzir um tom mais pesado e mais grosso, gradualmente ficando mais alta para abrir caminho para uma voz no peito.

Qual é o propósito da voz mista?

Essas mudanças de ressonância permitem superar os limites do registro do peito. Na verdade, ao tentar cantar o mais alto possível, o som da voz inaudível pode tomar um rumo para ouvir que pode se tornar desconfortável para o cantor.

Assim, em vez da mudança abrupta de registro que se chama iodelei (o canto tirolês), é possível ir passando da voz do peito para a voz da cabeça, modificando sutilmente alguns parâmetros relacionados ao tom da voz e ao poder.

Como resultado, mais conforto laríngeo é alcançado, incluindo o ato de cantar e uma musicalidade mais adequada aos nossos ouvidos.

Para mudar da cabeça para o peito, vá com calma Não é necessário forçar a passagem da voz.

Faça aulas particulares para aprender a voz de cabeça

Assim como todo ser humano é diferente, toda voz e seus resultados são diferentes. Por consequência, é essencial abordar caso a caso para desenvolver este instrumento da maneira mais simples e correta possível.

Para isso, você pode usar aulas de canto em escolas e conservatórios, aulas particulares em casa ou até mesmo cursos online através de ferramentas de comunicação à distância. Permitindo o acompanhamento de perto de seu tutor, esse atendimento é considerado uma forma acessível e muito prática de aprender, já que todos esses cursos permitem avançar rapidamente no canto, melhorar sua técnica vocal e treinar para performances.

Sabendo que os órgãos da voz são muitas vezes partes do corpo que ainda não foram bem usadas e que esperam ser descobertas, ter aulas é sempre uma boa maneira para as pessoas de níveis iniciantes, intermediários e avançados abordarem os graves e agudos.

Pratique o canto com calma e disciplina. Se praticar um pouquinho todos os dias e não deixar a ansiedade te atrapalhar, você vai evoluir em sua prática e estudo, ficando cada vez mais próximo de ser o cantor que sonha!

Procure com atenção o melhor perfil de profissional para ser o seu professor – um graduado de uma escola de música, um professor de canto experiente, um ex-diretor de conservatório – e tente colher bem as opiniões deixadas pelos alunos anteriores. Assim, podemos ter certeza de não estarmos escolhendo mal quem será responsável pelo desenvolvimento de nossas habilidades de canto.

Dificilmente você conseguirá evoluir no canto, especialmente nos agudos e falsetes, sem o acompanhamento e supervisão de um profissional experiente no ramo. É o seu professor quem ouve sua voz e observa a sua técnica. É junto a ele que vocês traçarão um cronograma de práticas e estudos, levando em consideração seus objetivos, a curto e longo prazos e o seu progresso individual.

Portanto, busque por um professor para aulas de canto presencial ou aulas de canto online! Aqui na comunidade Superprof você encontra o lugar ideal para dar esse ponta pé inicial e escolher seu professor de aulas particulares de canto! Venha com a gente!

Compartilhar

Nossos leitores adoram esse artigo
Este artigo te trouxe as informações que procurava?

Nenhuma informação ? Sério ?Ok, trabalharemos o tema num próximoNa média, ufa !Obrigado. Deixe suas dúvidas nos comentários.Estamos muito felizes em te ajudar ! :) (média de1,00 sob 5 de 1 votos)
Loading...
avatar