Aulas particulares Idiomas Música Apoio Escolar Esporte Artes e Lazer
Compartilhar

Os diferentes caminhos para ser professor no exterior

De Joseane, publicado dia 22/02/2019 Blog > Aulas particulares > Dar aulas particulares > Como me candidatar para dar aulas em outros países?

Para você que já possui diploma ou está prestes a se formar na graduação ou na pós e quer dar aula no exterior, mas ainda não sabe se a escolha é a mais acertada, o presente artigo enfatiza a real importância do profissional que viaja para outros países em busca do desenvolvimento pessoal e profissional.

Assim como, traz as razões que motivam muitos profissionais a viverem plenamente a experiência imersiva de ar aulas para estudantes estrangeiros.

Mas quais são os programas que oferecem a mobilidade acadêmica? Quais são os países que eu posso me candidatar? Será que todos os profissionais da educação podem se candidatar?

Continue conosco até o final, pois nesse artigo você saberá as vantagens de passar pela experiência de dar aulas no exterior e qual será o passo a passo para conquistar seu objetivo.

Como dar aulas no exterior sendo concursado no Brasil?

Uma vez  incentivado a estudar através de aumento de rendimentos, o profissional da educação concursado está a cada vez mais ampliando seu direito de dar continuidade a seus estudos.

Muitos,aproveitando uma das principais vantagens de quem é concursado: o afastamento para estudar no curso de mestrado, doutorado ou pós-doutorado.

Durante o curso de pós-graduação, o funcionário pode ficar afastado de suas atividades por algum tempo. Isso permite ao funcionário continuar se dedicando plenamente a seus estudos.

Desmotivado com seu trabalho? Dar aulas no exterior pode ser o seu novo desafio para este ano.

Quando o afastamento pode ser solicitado?

A legislação é quem regulamenta quem pode e não pode fazer uso do benefício do afastamento e em quais condições o mesmo pode ser solicitado.

Qual é o tipo de pós-graduação?

  • Stricto Sensu

Qual é o tempo de serviço prestado?

  • De acordo a legislação, tem direito ao afastamento quem já finalizou satisfatoriamente o estágio probatório
  • Para quem vai ingressar no curso de mestrado,  é exigido a titularidade no cargo efetivo de no mínimo 3 anos.
  • Para o curso de doutorado e pós, quem pretende ingressar deve cumprir pelo menos quatro anos de trabalho efetivo.
  • Para usufruir da licença de qualificação, o funcionário não pode ter solicitado outros afastamentos nos dois anos anteriores a esse pedido, isso para o  curso de mestrado e doutorado. Se tratando da pós-doutorado, é importante que o servidor não tenha tirado nenhuma licença do cargo por quatro anos.

O concursado pode estudar nos mais diferentes programas de mestrado, doutorado e pós nas instituições de ensino superior do Brasil ou no exterior.

Mas como posso dar aulas no exterior sendo formado?

A formação em licenciatura é a mais adequada para quem almeja dar aulas, seja de português, matemática, física, biologia aqui no Brasil. No exterior, além do diploma de graduação pode ser cobrada a validação desse diploma.

Ou existe a possibilidade de fazer parte dos programas de mobilidade acadêmica, desde que o candidato cumpra com as exigência da seleção. Muitas vezes, será cobrado o curso de pós graduação stricto senso.

Se possui apenas a graduação, o concursado pode ingressar em outros programas de incentivo ao aperfeiçoamento pessoal e profissional para dar aulas no exterior, como o AIESEC.

Se liga nos tópicos a seguir e fique por dentro de nossas dicas!

Os melhores programas de mobilidade acadêmica

Se você faz parte da comunidade acadêmica ( professor, pesquisador ou gestor) e tem interesse em ampliar seu conhecimento na sua área de atuação, existe a possibilidade de concorrer a uma das vagas para professores visitantes, esse programa apresenta uma série de vantagens que corroboram em sua bagagem acadêmica e cultural.

Mas antes, verifique as exigências do edital ou se a sua instituição de ensino é membro de alguma rede ativa na sua área acadêmica de atuação. A sua instituição ou o próprio edital terá as informações necessárias sobre os programas de mobilidade.

Participar de um programa de mobilidade acadêmica é um passo fundamental na sua carreira.

Saiba mais sobre o programa Professores Visitantes no Exterior:

Programa Professor Visitante no Exterior – Capes

É um tipo de programa que tem como objetivo oferecer bolsa no exterior para realização de estudos avançados.

Quem pode se candidatar?

Pesquisadores ou docentes que possuem vínculo empregatício com alguma instituição brasileira de ensino ou pesquisa e após o doutorado.

Modalidade

Professor Visitante no Exterior Júnior – Professor ou pesquisador, com vínculo empregatício e que possui até 10 anos de doutoramento.

Professor Visitante no Exterior Sênior – Professor ou pesquisador com vínculo empregatício com alguma instituição brasileira e que possui mais de 10 anos de doutoramento.

De acordo com as regras, precisa ter como referência o último dia para a inscrição no processo seletivo, em ambas as modalidades.

Duração do programa:

  • De 4 a 12 meses

Vantagens do programa:

  • Auxílio moradia
  • Mensalidade
  • Auxílio seguro saúde

Como faço para me inscrever?

A inscrição é feita através do preenchimento de formulário online e gratuito. Mas precisa seguir alguns critérios:

  • O envio dos documentos precisa ser em formato pdf e entregue a até a data limite da inscrição, definida pelo processo seletivo.
  • Nas duas modalidades, o profissional precisa ter vínculo empregatício com alguma instituição brasileira.

Etapas do processo:

  • Inscrição e envio de documentos
  • Análise documental
  • Análise de mérito acadêmico e do projeto
  • Classificação
  • Homologação
  • Divulgação do resultado

 O programa Erasmus Mundus

O programa de mobilidade Erasmus Mundus é uma excelente oportunidade de estudar em Universidades renomadas na Europa, com o financiamento da União Europeia.

Com o Erasmus Mundus você tem acesso a diferentes culturas.

Objetivo:

Assim como o programa oferecido pelo Capes, o objetivo principal do Erasmus Mundus é promover ensino de excelência da educação superior e pesquisa, assim fortalecer os laços acadêmicos com os países de todo o mundo.

Quem pode participar?

Apesar do Erasmus Mundus estar mais focado em mestrado, algumas instituições ainda mantém parcerias para programas de doutorado.

Conheça os requisitos para fazer um intercâmbio docente.

Outros programas para dar aula no exterior

Escola de Fronteira

O Projeto Escola Intercultural Bilíngue – PEIBF – teve como ponto de partida a parceria bem sucedida entre o Brasil e a Argentina, em 2005. Um dos objetivos do projeto é promover um ambiente ideal de bilinguismo para os alunos, através do intercâmbio entre professores dos países do Mercosul.

Objetivo:

Tem por objetivo promover a integração de estudantes e professores brasileiros com outros alunos e professores de países vizinhos. O principal foco desse projeto é a integração e criação de oportunidade de aprendizado de um segundo idioma, através da quebra de fronteiras culturais.

Quem pode participar?

Professores de ambos os países  que pertencem a faixa de de fronteira.

Metodologia adotada:

Os professores que participam do projeto, se reúnem, pelo menos uma vez por semana, para realizar em conjunto o planejamento das aulas. Assim determinam as diretrizes do intercâmbio.

O programa de Talentos Globais da AIESEC

O programa de Talentos Globais da AIESEC destina-se a quem deseja ter experiência de sala de aula em outro países como Colômbia, México, Chile, Rússia, Índia, Polônia, Egito entre outros países.

A organização do AIESEC promove intercâmbios profissionais e sociais com a colaboração de jovens interessados em trabalhar como professor no exterior.

Graças ao programa de Talentos Globais, você pode ter a experiência de dar aulas na Índia.

O que precisa ter para participar?

  • O programa se destina a jovens de 18 até 30anos
  • Estar formado há até 2 anos, ou ser estudante de graduação ou pós
  • Ter um nível avançado no idioma de interesse
  • 6 meses de experiência na área de atuação, ou estar nos semestres final da graduação de letras ou pedagogia.

Como funciona?

Existe um processo seletivo para fazer parte do programa de Talentos Globais AIESEC, no qual os aprovados no processo passam a trabalhar como professor no exterior.

A partir desse momento esses jovens são auxiliados por um dos membros do programa em todas as etapas:

  • Busca de vagas no sistema
  • A formulação do currículo em inglês
  • Preparação para as entrevistas
  • Processo de obtenção do visto
  • Seguro saúde
  • Preparação cultural para o país de interesse

No entanto, os gastos com passaporte, passagem, visto e seguro saúde são de responsabilidade do candidato. Veja mais como se preparar para o seu intercâmbio no exterior.

Como é a experiência de dar aulas no exterior?

Muitos dos profissionais recém formados da área da educação não fazem a menor ideia da diferença que faz conter no seu currículo a experiência em uma instituição no exterior, seja na Europa, na América ou em qualquer outro lugar.

Por exemplo,  a experiência de dar aulas em um instituição na Inglaterra faz total diferença para o professor de inglês em relação a outros professores que nunca saíram do país.

Da mesma forma que para o um professor de francês faz toda diferença dar aulas na França. A experiência no exterior assegura ao profissional vivência na língua.

Podemos então afirmar que a experiência de dar aulas no exterior é muito salutar para o professor.

Tenho pleno domínio da língua portuguesa: posso dar aulas de português para estrangeiro no exterior?

A formação em Letras é sempre a mais adequada para quem almeja dar aulas de português, seja no Brasil ou no exterior.

Por quê?

Quando o estudante presta vestibular para o curso de Letras, escolhe uma segunda habilitação que poder ser literatura brasileira ou um idioma de escolha: inglês, francês, alemão, espanhol, árabe, chinês, entre outros.

O estudo acadêmico de um idioma envolve o estudo da língua, literaturas, cultura dos povos, filologia, o que prepara o futuro professor para a formação plena.

No Brasil, ter o curso de Letras viabiliza dar aulas para o Ensino Fundamental, Ensino Médio e alguns cursinhos de idiomas (para quem estudou outra língua).

Quem deseja dar aulas em outro país, necessita muitas vezes validar seu diploma com estudos complementares. Muitas vezes, fazer um curso de formação para dar aulas em instituições de ensino, a depender das regras do país ao qual deseja residir.

Mas isso não significa dizer que você não possa dar aulas de português para estrangeiro. Muitas vezes, ter didática, compromisso com o ensino e pleno domínio na língua portuguesa e outro idioma estrangeiro passa ser bons critérios para quem almeja se destacar como professor particular.

Alguns aspectos fazem muita diferença para quem se destaca oferecendo aulas particular em outro país, como:

  • Interesse em conhecer diferentes culturas
  • Interesse em conhecer e respeitar os hábitos do lugar
  • Os valores predominantes e a história

Aproveite as oportunidades de enriquecer sua formação acadêmica com os programas de mobilidade!

Compartilhar

Nossos leitores adoram esse artigo
Este artigo te trouxe as informações que procurava?

Nenhuma informação ? Sério ?Ok, trabalharemos o tema num próximoNa média, ufa !Obrigado. Deixe suas dúvidas nos comentários.Estamos muito felizes em te ajudar ! :) (Seja o primeiro a avaliar)
Loading...
avatar