Aulas particulares Idiomas Música Apoio Escolar Esporte Artes e Lazer
Compartilhar

Como estabelecer seu preço como professor de aula em grupos?

De Fernanda, publicado dia 22/02/2019 Blog > Aulas particulares > Dar aulas particulares > Quanto cobrar para dar aulas particulares em grupo?

“Quando você quer ensinar coisas demais aos alunos, você não lhes ensina nada.” – Jules Payot (1859-1940)

De todos os serviços prestados às pessoas, as aulas particulares estão entre as mais populares: aulas de reforço escolar, ajuda com dever de casa, cursos intensivos para melhorar o desempenho escolar ou passar em algum exame.

O abandono, a evasão e o fracasso escolar estão fortemente associados à exclusão social e às desigualdades socioeconômicas: fazer aulas particulares representa custos adicionais para famílias de classes menos favorizadas.

Neste contexto, como estabelecer o valor horário de aulas particulares, especialmente aulas em grupo? Este é o objetivo deste artigo.

Como determinar o preço das aulas em grupo

As formas mais comuns de remuneração das aulas particulares em grupo são cheque ou dinheiro, valores faturados pelo próprio professor, que possui estatuto de microempreendedor.

Como estabelecer preço de aula em grupo? Qual o preço da sua formação? Se você não souber estabelecer o valor de suas aulas, terá dificuldade para gerenciar sua renda mensal.

Nossos professores em Superprof são pagos principalmente dessa forma, mas existem também profissionais que trabalham em empresas, instituições ou escolas de reforço escolar, e são contratados sob o regime CLT, recebendo um salário fixo no mês.

Uma aula coletiva é geralmente organizada em pequenos grupos de até dez alunos: os professores particulares exercem sua atividade em uma sala de aula – ou em uma sala de reunião.

Existe um preço relativo de mercado que faz com que as tarifas sejam fixadas no mesmo valor, o que a economia chama de “preço de equilíbrio” (para aqueles que acreditam na teoria liberal da oferta e da demanda): esse valor varia entre 40 a 70 por hora.

Conheça agora alguns critérios importantes na hora de fixar de uma taxa horária para ministrar aulas individuais são:

  • A experiência do professor particular,
  • Sua formação (graduação, pós, mestrado, doutorado, especialização…)
  • Despesas de viagem (muitas vezes incluídas no valor horário),
  • O nível do aluno,
  • O preço pelo qual o próprio professor acredita ser capaz de oferecer suas habilidades em relação à sua experiência.

Mas e como isso funciona para as aulas particulares em grupo?

Tomemos o exemplo de uma aula em grupo para aprender uma língua estrangeira.

Um professor propõe dar aulas de inglês a 50 reais por hora para encontros individuais de 1 hora. No entanto, ele nunca poderia cobrar de cada aluno os mesmos 50 reais para encontros em grupo de 8 pessoas, por exemplo.

Imagine: por 30 encontros de 1 hora ministrados a 8 alunos, o professor embolsaria 12 mil reais!!

Dificilmente alguma família aceitaria pagar 1.500 reais por 30 encontros (30 horas de aula) além dos valores já pagos na escola regular (mesmo que pública, há material escolar e gastos suplementares).

Como resultado, os profissionais costumam praticar tarifação decrescente em função do número de alunos presentes em cada encontro: por exemplo 150 reais para 3 pessoas (50 por aluno), 200 reais para 5 pessoas (40 reais por aluno), 210 para 7 pessoas (30 reais por aluno).

Quanto mais atraente o preço for para a família, mais o professor aumenta o seu rendimento anual.

Qual preço estabelecer para aulas em grupo?

Quais são os preços de aulas de matemática, cursos de química ou física, aulas particulares de inglês, cursos avançados de português como língua estrangeira ou cursos preparatórios para o vestibular?

Aqui, novamente, os preços irão variar de acordo com a área geográfica e o custo de vida das diferentes regiões.

Quanto cobrar pelo seu curso coletivo? Aulas particulares em grupo no Rio de Janeiro têm valores diferentes do que aulas em grupo em Recife.

O custo de vida é diferente em São Paulo, Aracaju, Porto Alegre ou Vitória; os professores, portanto, alinham seus valores com a concorrência, com a demanda regional e procuram diversificar sua oferta de serviços para preencher seu cronograma e maximizar sua força de trabalho.

Não vamos dizer que as aulas particulares são exclusivamente baseadas em uma lógica microeconômica. No entanto, parece absurdo propor 200 reais por hora para um curso de música ou iniciação musical para um grupo de 8 crianças de 4 anos…

Por outro lado, um curso de português de ensino médio para 10 alunos não pode custar 10 reais por aluno, pois o professor receberia apenas 100 reais por encontros coletivos que exigem preparação e metodologia específica.

Nossos professores na plataforma de aulas particulares do Superprof estão bem conscientes disso: investir em conhecimento – que os economistas chamam de “capital humano” – tem um custo.

Este investimento é o preço do tempo do curso, dadas as qualificações do professor e o tempo gasto na preparação e organização das aulas.

Se a determinação dos preços é uma resposta à lei da oferta e da procura, as bases devem ser especificadas.

A lei da oferta e da procura pretende coordenar o humor do mercado mediante as escolhas de seu público em relação aos produtos e serviços oferecidos. Do equilíbrio entre eventualidade e efetividade de compra resulta a quantidade e o preço razoáveis a que deve ser transacionado cada bem.

Esta lei define a quantidade de bens e serviços que uma quantidade de agentes (aqui, os pais dos alunos) estariam dispostos a comprar em troca de uma determinada quantidade de trabalho (aqui, a oferta de trabalho dos professores).

Em teoria, quando a demanda por cursos aumenta, a oferta de professores disponíveis se torna mais escassa e os preços sobem.

Pelo contrário, se diminuir (imagine que todos os alunos de repente melhorem seu desempenho escolar), o preço cairá, já que os professores (a oferta) estarão em abundância no mercado.

Em média, a taxa horária para as aulas em grupo nas principais cidades brasileiras gira em torno de 40 reais.

Preços das aulas em grupo: como calcular seu salário?

Vamos pegar o exemplo de um professor de matemática cadastrado no Superprof.

Se ele ensina para um pequeno grupo de 5 alunos do Ensino Médio, uma hora por semana de fevereiro a novembro (10 meses, 40 encontros), a uma taxa de 40 reais por aluno.

Quanto cobrar por sua aula de violino? Negociação salarial: um equilíbrio entre oferta e demanda? | Se a economia funcionasse pelo escambo? Quantos pães orgânicos para uma hora de piano?

Para esse grupo, ele vai receber 8 mil reais por ano, ou 800 reais por mês trabalhado.

Se ele dá aulas para 5 grupos de 5 alunos, ou seja, 20 encontros por mês, 5 encontros de uma hora por semana, ele receberia 4 mil reais por mês.

Sabendo que seriam 5 horas de aulas trabalhadas: 4 mil reais por 5 horas semanais é um bom salário em função da cidade onde se vive!

Se ele quiser aumentar ainda mais sua renda, deve ter a consciência de que nem sempre é fácil encontrar tantos alunos assim para fazer grupos de estudos particulares do mesmo nível.

Se ele por algum motivo só pode trabalhar com três grupos por semana, então ele terá que aumentar sua taxa fixa: por exemplo, 60 reais por aluno. Por encontro, ele receberá 300 reais.

A uma taxa horária de 60 reais, atingirá 900 reais por semana, 3.600 reais por mês para 3 horas semanais de trabalho. Mas os pais dos alunos podem achar esse preço um pouco alto …

Sim, você está cobrando um valor acima da média, mas como já dissemos acima, tudo vai depender da sua localidade, o custo de vida da região, mas também de suas qualificações, seus diplomas, experiência, metodologia, didática, recursos suplementares….

Por outro lado, alguns optam por cobrar menos por hora, o que pode ser mais atrativo para alunos e pais de famílias mais populares. Ao mesmo tempo, saiba que cobrar 2o reais por uma aula de física de Ensino Médio, por exemplo, em Brasília, onde o custo de vida é alto, pode parecer uma prática um pouco estranha. Você pode desvalorizar seu perfil e pode ser até um tiro no pé!

Algumas pessoas oferecem aulas de graça, ou quase isso, pensando que é um bom jeito de começar.

Esta é uma ideia muito ruim por 2 motivos:

  • Em primeiro lugar: não legitima as suas habilidades de ensino.
  • Em segundo lugar: você terá problemas para sair deste espiral de preços baixos e, assim, nunca vai conseguir aumentar seu preço.

Quanto cobrar pelo seu curso particular? Como definir o valor de uma aula particular por skype?

Então, se você acaba de começar a trabalhar como autônomo (provavelmente é o motivo que o trouxe aqui), é muito importante saber exatamente o preço mínimo, abaixo do qual você não pode praticar.

Por quê?

Para evitar que você se esgote mentalmente e fisicamente.

Muitas vezes vemos jovens empresários em princípio de carreira e que são otimistas demais.

E muitas vezes eles acabam completamente frustrados com o trabalho independente e autônomo. Trabalhar como freelancer ou ter sua própria empresa nem sempre é fácil como imaginamos.

Portanto, antes de ingressar no mercado de reforço escolar, é importante conhecer os encargos e a quantidade de impostos relacionados ao seu negócio.

O segredo é reunir todos os critérios e encontrar um equilíbrio lógico e coerente com o seu perfil e com o seu público. Sabendo que os preços também podem ser negociáveis!

Lembre-se que além de todos esses cálculos, os professores ainda precisam deduzir despesas relacionadas às suas aulas particulares: para uma hora de aula, pode-se contar entre 2 e 4 horas de preparação, mais as despesas de deslocamento (para ir à sala de aula), além de outras despesas como impressão de materiais e documentos.

Compartilhar

Nossos leitores adoram esse artigo
Este artigo te trouxe as informações que procurava?

Nenhuma informação ? Sério ?Ok, trabalharemos o tema num próximoNa média, ufa !Obrigado. Deixe suas dúvidas nos comentários.Estamos muito felizes em te ajudar ! :) (média de5,00 sob 5 de 2 votos)
Loading...
avatar