"Se você caiu ontem, levante-se hoje."
HG Wells

O mercado de suporte escolar está crescendo a cada ano, o que indica que as pessoas estão a cada vez mais conscientes de que nunca é tarde para aprender.

E o que é o apoio escolar, se não uma segunda chance dada a quem, de certa forma, falhou?

Precisando de reforço escolar?

Resgate a sua criança
O insucesso escolar da infância pode ser recuperado na vida adulta.

A grande maioria dos alunos que procuram aulas particulares estão no ensino fundamental ou médio, ou ainda querem aprender um novo idioma. Mas os adultos também já têm participação significativa nesse mercado.

Eles estão cada vez mais voltando a estudar, desejam passar em um concurso público ou precisam conquistar uma nova colocação no mercado de trabalho.

Então, como funciona um curso com professor particular para adulto ?

Definição das metas do aluno

A educação em casa começa com um primeiro encontro: o professor particular e o aluno. Esta primeira reunião permitirá determinar os objetivos do aluno e promover um contato inicial entre duas pessoas.

Normalmente, essa primeira sessão não tem um propósito de aprendizagem, é puramente conversa. Tem como objetivo promover a comunicação entre professor e aluno. É aí que ambos vão decidir seguir juntos ou não por essa jornada.

Assim, durante a primeira consulta, o professor fará algumas perguntas do tipo:

  • Qual é o seu nível de educação?
  • Quais são seus objetivos (concurso público, viagem, mercado de trabalho...)?
  • Quanto tempo você tem para alcançá-lo (para verificar se há necessidade de um curso intensivo)?
  • Você precisa obter uma pontuação específica, um ranking?
  • Onde você prefere tomar aulas (em casa, em um espaço de coworking, no parque...)?

É claro que, dependendo da matéria que o adulto deseja estudar, essas perguntas podem variar um pouco. Mas o objetivo dessa primeira reunião é traçar o planejamento das aulas.

Ao final da primeira consulta e de acordo com os objetivos do aluno, o professor estabelece um cronograma e define o número de horas recomendadas que podem ainda mudar de acordo com o progresso do aluno.

Busque a si mesmo
Um coaching pode ajudar no processo de definição de metodologias de ensino.

Se a pessoa deseja se preparar para uma prova importante, ela pode ter aulas com um professor particular, mas uma boa dica é consultar um coaching para saber por onde começar e adquirir uma metodologia real de trabalho, que, de fato, vai funcionar com ela.

Uma aula particular clássica

Aulas individuais podem ser bastante tradicionais quando o objetivo está definido. Quando um adulto decide voltar a estudar, normalmente há algo que o levou de volta à escola (ou à sua sala de estar, acompanhado do professor).

Mas, depois de deixar o sistema escolar por algum tempo, o retorno aos estudos não é necessariamente fácil. É aqui que o apoio escolar pode ser necessário, como forma de retomar os conhecimentos já adquiridos, que servirão de base para dar continuidade ao curso.

Inicialmente, o professor experiente irá rever os conceitos estudados em cursos de idiomas, cursos de informática ou cursos de gestão coletiva.

Trata-se também de uma maneira de mensurar o que o aluno já aprendeu sobre o assunto e identificar as deficiências que ele pode ter. Quer se trate de noções vistas em sala de aula ou mesmo em aulas particulares já realizadas em algum momento da vida, esta é a hora em que o professor testa o conhecimento e memorização de seu aluno.

Obviamente, o objetivo não é desmoralizar, mas sim explicar novamente elementos mal integrados ou incompreendidos.

A tutoria é destinada a ser um complemento a cursos tradicionais. Ela deve ajudar o aluno a entender bem os conceitos abordados, a partir de uma metodologia de trabalho eficaz de acordo com suas habilidades e objetivos.

Ele também pode consultar as anotações que o aluno fez durante suas aulas anteriores e assim verificar se o aluno tem perfil de compreender melhor a partir de anotações.

Em um segundo momento, devemos deixar espaço para a prática com exercícios de fixação, escritos e orais que permitirão ao aluno progredir, compreender e integrar bem as diferentes noções que lhe foram passadas.

Em seguida, vem a correção dos exercícios em que o professor apoia o aluno e destaca seus sucessos, mas também aponta e busca sanar suas dúvidas para que ele continue em constante evolução.

É claro que essa parte permite que o professor veja onde estão os pontos fracos e os pontos fortes do aluno.

O objetivo, entretanto, não é trabalhar sistematicamente os pontos fracos para não desencorajar o aluno, mas, ao contrário, mostrar a ele que ele pode fazer certas coisas e que ele conseguirá fazer o resto a partir do seu trabalho e dedicação.

Também é possível, neste momento do curso, obter ajuda do professor com os deveres de casa, se houverem, ou mesmo fazer uma revisão sobre os tópicos principais.

No final da sessão, o professor pode reservar alguns minutos para rever a matéria da aula e, por vezes, propor lições de casa, para que o contato com os estudos não fique totalmente estagnado entre uma sessão e outra.

Cada curso de tutoria é diferente

Professores particulares sabem que cada curso de tutoria é diferente. Isso é ainda mais verdadeiro quando se trata de aulas para adultos. Cada objetivo será diferente. Em algumas organizações, as abordagens costumam ser mais genéricas.

Aulas particulares são personalizadas
Assim como não existem dois grãos idênticos, uma aula particular nunca será igual à outra.

Considere, por exemplo, um adulto que queira uma atualização em inglês. Ele provavelmente já estudou inglês alguma vez na vida, ainda que durante o ensino médio e as primeiras aulas serão como uma forma de retomar o nível já adquirido. Assim, o curso será mais dedicado à prática oral, para que o aluno se sinta confortável falando inglês.

A menos que o seu objetivo seja passar em uma prova gramatical e escrita.

Assim, de uma sessão para outra, pode-se retomar conceitos não compreendidos, fazer exercícios específicos, identificar dúvidas...

Quando se fala em exames, inclusive, é importante que o aluno trabalhe os simulados. Dessa forma, ele vai se adaptando também ao modelo das questões propostas e ao tempo disponível para respondê-las.

Em qualquer caso, o professor particular é um verdadeiro guardião do aluno, que precisa confiar nele. Uma verdadeira relação de confiança, até de cumplicidade deve se estabelecer entre professor e aluno. Se você sentir que não é o caso, talvez seja melhor procurar por outro professor. Uma afinidade de perfis é importantíssima para o bom aproveitamento das aulas.

Você pode encontrar o professor ideal através de um anúncio de tutoria.

Um professor de apoio estimula a autoconfiança do aluno

Para alguns adultos, estudar parece algo distante. Muitas vezes, eles já frequentaram cursos da matéria em questão e tiveram experiências que não foram boas. Isso pode levá-los a pensar que aquele assunto não é para eles. É aí que começa o papel motivacional do professor particular. E isso não tem preço.

Pode ser que o fracasso anterior tenha acontecido pelo uso de uma metodologia que simplesmente não funcionou para aquele aluno.

Um professor de apoio mostra ao aluno que ele é capaz de aprender, a partir de algumas pequenas atitudes, que podem ser implícitas ou explícitas.

  • Encorajando o aluno a fazer perguntas durante a aula: muitas vezes, o aluno fica com dúvidas e tem vergonha de perguntar. Ele acredita que expor-se dessa forma os fará se sentir ridículos e dará margem para que o professor (ou outros alunos, se houver) riam dele. É um pensamento terrivelmente entrincheirado que pode não ter desaparecido mesmo na idade adulta. É necessário conscientizar o aluno de que, se ele não fizer perguntas, o professor partirá do pressuposto que ele entendeu a matéria e seguirá em frente;
Encorajamento do aluno
Há pessoas que saem das aulas com dúvidas por medo de perguntar e se tornar motivo de chacota.
  • Mostrando-lhe como usar as várias ferramentas disponíveis: o livro didático, as apostilas e anotações, a internet, o dicionário... As aulas em si não são a única ferramenta disponível. O aluno precisa saber como variar suas fontes de aprendizado para continuar progredindo e despertar sua curiosidade e seu desejo de aprender mais e mais;
  • Trabalhando sua motivação: o professor está lá para marcar as etapas do progresso do aluno. Ele mostra ao aluno o passo a passo, rumo ao progresso. Por exemplo, na resolução de problemas matemáticos, o professor colocará obstáculos cada vez mais difíceis no caminho do aluno para estimulá-lo, gradualmente a superá-los;
  • Ensinando o aluno a se auto-avaliar: o aluno deve aprender a identificar suas lacunas para preenchê-las. O papel do professor é ensiná-lo a fazer isso;
  • Identificando a melhor maneira de memorizar do aluno: memória auditiva, memória visual ou memória sinestésica (por movimento). Para relembrar datas, uma cronologia ou nomes de cidades, o professor fará com que você tente diferentes maneiras que ponham em jogo suas diferentes memórias. Assim, você descobrirá qual funciona melhor para você.

O objetivo do professor não é tornar seu aluno um gênio de uma hora para outra, mas acompanhá-lo em seu aprendizado para identificar dificuldades e resolvê-las. Eis a vantagem das aulas particulares.

Especialmente para um adulto, você precisa saber como se afastar da lição puramente acadêmica e encontrar outras maneiras de aprender e memorizar para um exame.

O objetivo da tutoria é, acima de tudo, construir confiança no aluno e dar sentido ao seu trabalho para que ele consiga dar o melhor de si sempre.

Mas para isso funcionar, você tem que escolher seu professor. No Superprof, cerca de 17.000 professores particulares estão presentes para oferecer aulas particulares nos mais diferentes assuntos e metodologias, para todas as idades.

Aula de reforço para adultos: como encontrar um bom professor de apoio?

As qualidades de um bom professor devem ser definidas apenas pelo desempenho do aluno?

Ou deveriam incluir características mais difíceis de medir,  como a capacidade de se conectar emocionalmente com os aprendizes?

Entre o mar de conselhos, dicas e citações sobre ensino, a melhor solução é recorrer à pesquisa.

Examinamos algumas fontes sobre o assunto para prepararmos algumas dicas sobre como reconhecer um bom profissional do ensino, ou seja, um bom professor.

Descobrimos alguns comportamentos-chave que formam um ótimo professor. Dentro deles, definimos ainda algumas maneiras específicas de como eles podem - e devem - aplicar esses comportamentos durante as sessões de ensino, seja dentro de sala de aula ou durante aulas particulares.

Um bom professor gerencia a sala de aula de maneira eficiente

Um professor pode ter conhecimento, estar preparado, e até ser um ótimo comunicador, mas ainda falhar simplesmente devido à incapacidade de lidar com o mau comportamento dos alunos dentro da sala de aula.

Escolher um bom professor para adultos pode ser uma tarefa difícil para alguns estudantes.

A gestão da sala de aula abrange várias estratégias que um professor utiliza para organizar os alunos, os materiais de aprendizagem, o espaço e o uso do tempo de aula para maximizar a eficiência do ensino e do aprendizado.

Tal habilidade do educador ajuda o aluno a desfrutar de um ambiente organizado e estruturado, com ênfase em um ambiente educacional positivo e propício ao aprendizado.

Abaixo mostramos algumas habilidades de um bom professor para uma gestão eficaz de suas aulas.

Definir regras

Em seu livro "Gerenciamento da sala de aula que funciona", o pesquisador Robert Marzano argumenta que professores eficazes “têm um número mínimo de regras da sala de aula, que tendem a se concentrar nas expectativas de como agir em relação ao outro, manter um ambiente seguro e participar do aprendizado.” Esses professores oferecem explicações claras das regras, modelam-nas, ensaiam as expectativas com os alunos e as aplicam durante a aula.

Embora não haja um número mágico de regras que governem uma sessão de ensino, é sempre bom que o professor estabeleça de regras justas e razoáveis, deixando-as claras aos alunos antes de aplicá-las de forma consistente.

Estabelecer uma rotina

Em um estudo para avaliar as características de professores eficazes, pesquisadores descobriram que os instrutores que usam as rotinas da sala de aula como um meio de impor altos padrões de comportamento dentro dela desfrutam de maior sucesso.

Para cultivar um ambiente de aprendizado positivo e ordenado, estabelecer uma rotina e um sistema sempre que necessário para as tarefas, assim como requisitos diários - do geral ao específico - é uma atitude benéfica para todos.

Considerar um arranjo flexível de lugares

Pesquisas mostraram que o ajuste físico do ambiente da sala de aula pode promover maior colaboração, comunicação e interação entre alunos e professores. Os assentos flexíveis, no caso de aulas com mais de um aluno, podem facilitar a interação professor-aprendiz em um nível além do que é comumente visto nas configurações tradicionais de ambientes educacionais.

Um bom professor se preocupa com o bem-estar do aluno, proporcionando um local de aprendizado apropriado.

Além disso, a novidade e a estimulação que os alunos desfrutam por meio de um ambiente de sala de aula interativo impactam positivamente o comportamento, de acordo com o livro de Sheryl Feinstein, "A aprendizagem e o cérebro". As salas de aula com assentos flexíveis podem resolver um problema geralmente observado em organizações fixas, nas quais os alunos tendem a procurar sua própria estimulação através de movimentos, conversas fora das tarefas ou comportamentos perturbadores.

Um bom professor chega preparado à aula

Um professor eficaz é aquele que chega preparado para ensinar nos dias de aula.

Como James Stronge escreve em seu influente livro "Qualities of Effective Teachers" ("Qualidade de Professores Eficazes"), a organização do tempo e a preparação dos materiais antes da aula foram apontadas como um dos aspectos mais importantes do ensino eficaz.

Mas "preparação" pode ser um termo confuso. Isso porque dois professores diferentes podem ter definições completamente distintas do que, exatamente, constitui um instrutor verdadeiramente "preparado". Considere os itens de ação abaixo para reforçar sua análise sobre a preparação do seu professor

Conhecimento e domínio do conteúdo

No livro "Educating Teachers of Science, Mathematics, and Technology" ("Educando professores de ciências, matemática e tecnologia"), os autores argumentam que a preparação de conteúdo é fundamental para um ensino de alta qualidade. Eles mencionam que tal atitude está positivamente relacionada ao desempenho do aluno em matérias específicas, especialmente em matemática e ciências.

Mas como saber se o seu professor está realmente preparado para transmitir um bom conhecimento sobre o conteúdo das aulas de reforço de matemática ensino fundamental ou médio? Uma boa dica é considerar os três pilares destacados abaixo sobre as expectativas do conteúdo dos professores:

Conhecimento

O professor entende os principais conceitos, premissas, debates, processos de investigação e formas de conhecimento que são centrais para a(s) disciplina(s) que ensina.

Um professor está no caminho certo para o sucesso quando ele chega preparado para dar suas aulas de reforço.
Disposição

O professor percebe que o conhecimento do assunto não é um corpo fixo de fatos, mas é complexo e está sempre em evolução. Ele procura acompanhar as novas ideias e entendimentos no campo de pesquisa em questão.

Apresentação

O professor usa várias representações e explicações de conceitos disciplinares que capturam ideias-chave e as vincula aos entendimentos anteriores dos alunos.

O que os professores costumam fazer para se preparar para a aula

De acordo com o Centro de Ensino e Aprendizagem da famosa universidade de Yale, você pode conferir alguns dos hábitos que os bons professores utilizam na hora de preparar suas aulas: 

  • Fazer conjuntos de leitura e problemas;
  • Fazer anotações sobre o material;
  • Revisar as anotações da semana;
  • Preparar um esboço das questões a serem abordadas na aula;
  • Fazer uma lista de perguntas para usar na aula ou as escrever no quadro;
  • Fazer uma folha de tópicos a serem discutidos em sala de aula;
  • Fazer um guia de estudo a ser distribuído;
  • Criar tarefas ou perguntas de lição de casa para os alunos se prepararem para as futuras aulas;
  • Compilar bibliografias ou outras informações externas relacionadas ao material;
  • Montar material visual;
  • Preparar leitura suplementar;
  • Preparar folhetos com dicas de escrita, métodos de pesquisa, resolução de problemas, técnicas de laboratório, etc.;
  • Analisar as perguntas dos alunos para antecipar suas preocupações, problemas, interesses;
  • Preparar provas;
  • Elaborar debates, discussões ou outros projetos interativos;
  • Utilizar matérias de jornais e outros periódicos relevantes para a discussão durante a aula.

Quanto mais dessas qualidades o seu professor de reforço tiver, mais chances ele tem de ser um bom profissional.

Um bom professor estabelece grandes expectativas

Professores eficazes não estabelecem limites para seus alunos. Eles têm altos padrões, desafiam constantemente os alunos a darem o melhor de si e são profissionais atenciosos que ensinam os alunos a acreditar em si mesmos.

Um bom educador, geralmente espera o melhor de seus alunos, incentivando-os a aprender o máximo possível. Como saber se o seu professor segue esse caminho? Existem várias maneiras úteis de definir grandes expectativas sem esgotar os alunos. Abaixo citamos algumas delas. Vale a pena tê-las em

Ele não elogia um trabalho de baixa qualidade

Elogiar o trabalho de baixa qualidade comunica baixas expectativas. A comunicação dessa mensagem pode ter consequências graves. Ao comunicar baixas expectativas aos alunos com baixo desempenho escolar, o professor não está pressionando-os para que cumpram os padrões que eles realmente podem alcançar dentro do processo em um nível fundamental. Isso destaca a importância de usar elogios e recompensas estrategicamente, além de enfatizar a importância dos comentários positivos utilizados corretamente - e na hora certa - pelo professor.

Deixar o aluno terminar a aula cheio de dúvidas sobre a matéria dada não é uma boa característica para um professor de reforço escolar.

Ele verifique se o aluno compreende o assunto da aula

Professores com grandes expectativas não querem que os alunos saiam pela porta sem saber onde eles estão no conteúdo do dia. Por isso, eles verificam a compreensão dos alunos (por exemplo, fazendo uma avaliação formativa) após as lições.

Por exemplo, fazer perguntas e observações sobre trabalho do aluno e estar aberto para ouvi-lo são estratégias utilizadas pelos professores para para comunicar suas altas expectativas.

Resumindo

Como resumo das boas qualidades que um professor para adultos deve ter, segue uma lista com as principais perguntas que você deve fazer sobre o seu professor antes de contratá-lo, seja para reforço escolar, aula de reforço de matemática ou até mesmo aulas de reforço escolar desenho:

  1. Ele gerencia a aula de maneira eficiente?
  2. Ele chega sempre preparado para dar o conteúdo da aula?
  3. Ele tenta nivelar o aluno por cima, estabelecendo objetivos adequados que não estejam abaixo das suas capacidades?
  4. Ele possui uma boa química, ou seja, uma boa interação com você?

Agora você já está pode dentro do que procurar em um bom professor de apoio para adultos, independentemente da matéria a ser estudada!

Então, que está esperando para encontrar o seu professor ideal?

Precisando de um professor de Reforço escolar ?

Você curtiu esse artigo?

5,00/5, 1 votes
Loading...

Marcia

Jornalista. Professora. Tradutora. Bailarina. Mãe. Mulher. Dedicada às minhas lutas diárias. Em constante transformação. Escrevo para vencer as inquietações e incertezas da vida.