O alvorecer do século XX foi uma época de progresso e inovação sem precedentes: o homem descobriu que podia voar e o baquelite, um produto resistente, à base de petróleo, abriu novos mercados e mentes - cada implemento de plástico no mundo hoje se origina da fórmula de Leo Baekeland (1907).

Canos em baquelite
O baquelite é um exemplo de invenção do século XX.

Tudo, desde o ursinho de pelúcia (1902) até a iluminação artificial (1902), coisas tão presentes mas nas quais pouco pensamos, foi descoberto / inventado / criado por volta da virada do século. Até mesmo os saquinhos de chá surgiram em 1904!

Os tratores, as luzes de neón... o início do século XX viu o mundo evoluir em conhecimento, tornando a vida humana cada vez melhor e mais fácil. Quem poderia imaginar que a guerra para acabar com todas as guerras estava a apenas alguns anos de distância?

Agora, vamos voltar um pouco no tempo para examinar a agitação sócio-política latente e narrar os eventos que levaram à explosão, para examinar a destruição e contabilizar as perdas. Talvez esse assunto case bem com o que você estudou nas atividades de história 2 ano.

Aula de história: Os preparativos para a Primeira Guerra Mundial

A Europa foi marcada por grandes lutas. Felizmente, três impérios - o Otomano, o Prussiano e a dinastia Romanov na Rússia controlaram as coisas, mas por pouco tempo.

A Prússia incluía grandes áreas da Alemanha, bem como a Polônia e um pouco do leste da Rússia. O Império Otomano, embora diminuindo em importância política e militar, era economicamente poderoso e contribuiu muito para as negociações de paz do final do século XIX.

A Áustria-Hungria era uma incógnita. Embora chamado império, tratava-se basicamente de uma monarquia dual que administrava apenas as relações exteriores e os assuntos militares. Todo o resto, incluindo questões exclusivas das monarquias individuais, eram administradas por seus respectivos governos.

O chamado Império Austro-Húngaro ocupou a maior parte do sudeste da Europa, contando com o território russo a oeste e as terras alemãs ao norte. Algumas pessoas não gostaram do fato de seu país ter sido absorvido por esse rebanho; esse sentimento é o que deu início à Grande Guerra.

Continuemos desenhando nosso mapa...

Ninguém gostava dos franceses à época. Então, para evitar que a França tomasse qualquer tipo de poder, o chanceler da Alemanha intermediou a Liga dos três imperadores, uma aliança entre os três tronos principais da Europa.

Otto von Bismark é hoje o corretor creditado como intermediário desse negócio. Extremamente intuitivo e astuto, ele parecia ter o tino certo para praticamente qualquer negociação.

Ainda assim, as preocupações sobre o compromisso da Rússia com a Liga levaram a Prússia e a Áustria-Hungria a formar uma aliança, deixando os interesses do czar (e a força militar) fora de negociações futuras. Mais tarde, a Itália aderiu, tornando-a assim uma Tríplice Aliança.

A América, por sua vez, festejando sua prosperidade pré-depressão, estava ocupada em promover grandes avanços na indústria que mais tarde impactariam no resultado da guerra.

E o Império Britânico?

Até pouco depois da virada do século, estávamos desfrutando de nosso esplêndido isolamento - evitando quaisquer alianças de longo prazo e contando apenas com nossos vastos recursos coloniais para a força militar e também para nossa economia.

Embora houvesse relativa paz na Europa durante essa época, havia escaramuças: as guerras dos bôeres, por exemplo, que ilustravam claramente a vulnerabilidade da Grã-Bretanha, apesar do poder do Império.

Por essa razão, firmaram-se uma série de acordos que melhoraram muito as relações anglo-francesas. Mais tarde, foi assinada a Convenção Anglo-Russa. Enquanto isso, a França e a Rússia intermediaram seus próprios acordos.

Em 1914, havia Alemanha-Prússia, Áustria-Hungria e Itália (a  Tríplice Aliança) Grã-Bretanha, França e Rússia (a Tríplice Entente).

Imagem da Hungria
A Hungria firmou aliança com a Itália e outros países durante a guerra.

Agora que nossas linhas de batalha estão traçadas, vamos à luta!

O tiro ouvido ao redor do mundo

O arquiduque Francisco Fernando, herdeiro do trono austríaco, estava viajando por Sarajevo, sendo a Bósnia um território que o império Áustria-Hungria havia anexado ao declínio do Império Otomano.

Entre a multidão que ladeava o percurso da carreata, havia seis membros da Jovem Bósnia, um corpo de dissidentes políticos particularmente ativos nas escolas. Eles pretendiam assassinar o arquiduque para forçar a renúncia das províncias eslavas do sul.

A granada arremessada no carro no qual ele estava passando errou o alvo, ferindo vários espectadores. Notavelmente, esse foi o único atentado contra a vida do arquiduque durante a procissão.

Por mero acaso, ao regressar do hospital, após visitar os feridos da explosão, um atalho errado levou-o à mira de um dos assassinos, que estava armado com uma pistola.

Dois tiros, um para o arquiduque e um para sua esposa, disparados por um jovem de quase 20 anos, fizeram a Europa mergulhar no caos.

Embora os ventos da guerra dificilmente tenham agitado a sociedade vienense, o efeito político foi profundo.

Os distúrbios anti-sérvios em Sarajevo encorajados por líderes austro-húngaros e a prisão e extradição de sérvios proeminentes levaram à Crise de julho: demandas intencionalmente inaceitáveis ​​feitas ao governo sérvio com a intenção deliberada de provocar a guerra.

Imagem de Sarajevo
Durante a guerra, também aconteceram conflitos em Sarajevo.

Essas demandas têm uma maneira de causar eventos que abalam o mundo; pense em como elas contribuíram para a origem da Alemanha nazista!

Há períodos da história em que todo mundo se envolve

Como se estivessem apenas esperando por uma chance de lutar, cada país mobilizou seu exército após a declaração de guerra da Áustria-Hungria à Sérvia (28 de julho de 1914).

  • A Rússia marchou em apoio à Sérvia em 29 de julho;
  • A Alemanha declarou guerra à Rússia pela mobilização (1 de agosto);
  • A França, que foi solicitada pela Alemanha a permanecer neutra, retirou suas tropas da fronteira ocidental, mas mobilizou suas unidades militares de reserva.

As ações conflitantes da França causaram problemas na Alemanha. Eles pretendiam enviar o grosso de suas tropas para a frente ocidental, mas, em resposta à mobilização da França, a Alemanha foi forçada a ativar suas reservas militares e mandá-las para o leste.

Houve mais confusão entre a Áustria e a Alemanha, que eles pensaram que os ajudaria contra a Rússia. A Alemanha tinha outro plano em mente: conteria os franceses enquanto a Áustria lutava contra os russos e sérvios por conta própria.

Uma falha de comunicação adicional informou ao Kaiser Wilhelm da Alemanha que os britânicos permaneceriam neutros se a França não fosse atacada. Ao receber informação em contrário, o Kaiser deu carta branca geral para proceder como quisesse.

Em 3 de agosto, já tendo conquistado Luxemburgo, a Alemanha declarou guerra à França. Os britânicos então declararam guerra à Alemanha por dar uma resposta insatisfatória às suas exigências de respeitar a neutralidade da Bélgica.

Primeira Guerra Mundial e o resto do mundo

Os combates das Potências Centrais e das Forças Aliadas não foram as únicas hostilidades; afinal, aquela era uma guerra mundial; houve combates em praticamente todos os continentes e ainda em mar aberto!

Ásia

A Alemanha detinha grandes extensões de território - na China e o que era então chamado de Samoa Alemã. A Nova Zelândia e a Austrália entraram em ação ao libertar aquele território samoano, bem como a ilha que mais tarde veio a ser conhecida como Nova Grã-Bretanha. Enquanto isso, o Japão se ocupou da Micronésia e então passou a capturar Qingdao, na província do noroeste da China. Ambos eram territórios alemães.

África

Grande parte do continente havia sido colonizado por potências europeias; agora era a hora em que essas colônias se levantariam em armas umas contra as outras. Os franceses e britânicos se uniram contra os alemães, assumindo seus protetorados Togolândia (atual Togo) e Camarões. Os alemães, posicionados no sudoeste da África, atacaram a África do Sul, onde as forças britânicas estavam acampadas.

Índia

Apesar dos melhores esforços da Alemanha para incitar revoltas, a Índia permaneceu leal à Coroa. Homens alistados em número recorde (mais de um milhão de soldados indianos) serviram na África, Europa e Oriente Médio.

Notamos que seus esforços foram uma tentativa de obter sua independência da Grã-Bretanha. Eles ficaram profundamente desapontados quando, após o fim das hostilidades, não conseguiram. As Américas entraram na luta bastante tarde.

Os Estados Unidos adotaram uma postura de não intervenção até 1915, quando um submarino alemão afundou o Lusitânia. Os 128 americanos a bordo que morreram fizeram com que o presidente Woodrow Wilson exigisse que a Alemanha não visasse navios civis.

A Alemanha concordou, mas, à medida que a guerra avançava - agora em seu terceiro ano, eles retomaram a guerra submarina irrestrita com plena consciência de que os EUA reagiriam.

O chanceler alemão enviou um telegrama convidando o México a se aliar à Alemanha para lutar contra os americanos, mas as forças britânicas interceptaram a missiva, que foi apresentada ao presidente americano por meio da embaixada dos Estados Unidos, em Londres.

Isso e o naufrágio de seis navios mercantes americanos foram todo o incentivo de que o presidente Wilson precisava: em 6 de abril de 1917, os Estados Unidos se juntaram às potências aliadas na luta contra a Alemanha.

Talvez o seu professor de história já tenha lhe dito isso, mas por sua escala, a Primeira Guerra Mundial está entre os eventos históricos mais famosos do mundo.

O que a história estuda? Análise da Primeira Guerra Mundial

A Áustria sofreu pesadas baixas nos primeiros dias do conflito. Na verdade, a derrota das forças sérvias contra as forças austro-húngaras é considerada uma das maiores surpresas da história moderna.

Com mais de 35 milhões de mortos, a Primeira Guerra Mundial é considerada uma das guerras mais sangrentas de toda a humanidade.

Muitas mortes provavelmente vieram do fato de que a guerra começou com muitas tropas usando armamento do século XIX e táticas de campo de batalha mas, conforme a guerra avançava, as inovações tornaram a luta muito mais mortal:

Explosão por granada
A granada causou muitas explosões e mortes.
  • Os tanques da British Ladyship foram lançados em setembro de 1916;
  • Artilharia e aeronaves trouxeram novas ameaças do céu;
  • Rádios, telefones e aparelhos sem fio permitiram a comunicação entre as linhas de frente e os tomadores de decisão que permaneceram distantes dos combates;
  • A guerra de trincheiras, possibilitada pelo desenvolvimento e aprimoramento da granada, tirou vidas indiscriminadamente - por doença ou explosão;
  • O poder da Marinha britânica não conseguiu superar a furtividade dos submarinos alemães.

As coisas poderiam ter continuado indefinidamente se não fosse pela Revolução Russa, cuja conclusão culminou com a assinatura de um tratado com a Alemanha.

Não é preciso ir a uma faculdade de história para entender que, um por um, todos os aliados da Alemanha capitularam. Deixado sozinho para enfrentar os inimigos em todo o mundo, o Kaiser Wilhelm II abdicou em 9 de novembro, deixando para os demais assinarem o armistício.

Foi realmente uma guerra para acabar com todas as guerras... até o início da Segunda Guerra Mundial.

Precisando de um professor de História ?

Você curtiu esse artigo?

5,00/5 - 1 nota(s)
Loading...

Marcia

Jornalista. Professora. Tradutora. Bailarina. Mãe. Mulher. Dedicada às minhas lutas diárias. Em constante transformação. Quando não há mais nada a dizer, escrevo!!!