Música Reforço escolar Idiomas Aulas particulares Artes e Lazer Esporte
Compartilhar

Saiba o estilo do professor particular de outro lugar

De Carolina, publicado em 14/05/2018 Blog > Aulas particulares > Ter aulas particulares > Como são as aulas particulares em outros países?

As aulas particulares não são nenhuma novidade… Elas são ministradas em todo o mundo. Hoje, elas estão se expandindo em países onde o sistema educacional parece não ser suficiente para obter os melhores resultados.

Você sabia que a França é o país europeu nº 1 para aulas particulares. Depois vem os países do sul e leste da Europa. Nos países nórdicos e na Alemanha, as aulas particulares são bastante raras. Em países asiáticos ou africanos, como o Egito ou o Zimbábue, cursos individuais são comuns.

A competição entre estudantes é presente para entrar nas melhores universidades de cada país e de integrar as classes preparatórias. Além disso, com uma taxa de desemprego variável entre os países, os pais ficam ansiosos com relação ao futuro de seus filhos. Por isso, quando têm condições, querem dar a melhor educação possível para eles.

Para superar essa crescente ansiedade, as aulas particulares (saiba tudo sobre elas) aparecem como uma solução eficaz.

França, campeão europeu de aulas particulares

Embora as aulas particulares não declaradas sejam em torno dos 80%, o volume de negócios anual de reforço escolar excede os 2,5 mil milhões de euros na França. Estamos falando de um volume crescente de 40 milhões de horas de aulas por ano. Esses cursos são ministrados por estudantes e professores. Na maioria das vezes, é uma forma de arredondar as contas do mês e não de um emprego em tempo integral.

Os alunos precisam de reforço escolar As crianças adoram aprender, é verdade?

Aulas particulares são generalizadas e crescem na França como em outros países.

Vamos conversar em números. Na França, uma família francesa financia, em média, 40 horas de aulas particulares por ano e por criança, com um orçamento de 1.500 euros (antes da dedução fiscal). O preço de um determinado curso varia entre 20 e 60 euros, dependendo da área geográfica e do assunto, com uma média de 35 euros por hora.

O governo tem oferecido incentivos com benefícios fiscais desde 2005, na forma de um crédito fiscal de 50% para serviços domiciliares.

Por que essa mania?

As aulas particulares tornam-se um acompanhamento complementar à educação proporcionada pelo sistema educacional em todos os países. As matérias mais procurados são matemática, física, o idioma de cada país e outras línguas estrangeiras.

Há muitas razões, como o baixo nível dos pais em determinada matéria ou a falta de tempo. Muitos pais também preferem as aulas particulares para não entrar em conflitos com seu filho adolescente ao chegar do trabalho. Portanto, o ensino particular pode ser um substituto para a ajuda dos pais para as lições de casa.

Eles podem ajudar com a preparação para o vestibular e Enem, uma prova importante, recuperação no final do ano ou a integração de uma classe preparatória. A corrida pela excelência está em particular na entrada do ensino médio. O aluno começa a se preocupar com seu conhecimento sobre as matérias para ter um bom resultado no vestibular ou no Enem.

As agências privadas de ensino são numerosas e as ofertas são bastante variadas.

A forma mais comum é a aula particular na casa do aluno para a criança ou adolescente. Eles podem ser complementados por cursos em escolas especializadas em pequenos grupos ou estadias linguísticas para a aprendizagem das línguas.

Menos aulas particulares em países do norte da Europa

Na Alemanha, Noruega, Suécia, Finlândia, Holanda e Dinamarca, o foco na educação escolar é mais orientado para a confiança. Os pais não têm a visão de um sistema educacional deficiente. Mesmo na Grã-Bretanha, as aulas particulares não são tão populares como na França.

No norte da Europa, os programas de ensino são mais profissionais.

Na França, o diploma continua sendo essencial. Mesmo que as pessoas não sejam necessariamente mais eficientes no mundo do trabalho, as formações continuam sendo a chave para integrar uma empresa ou enriquecer um currículo. Em outros países, a visão do diploma é bem diferente. Pode até parecer secundária.

Os outros países oferecem caminhos mais profissionalizantes, o equivalente ao nosso curso técnico que permitem uma imersão precoce no mundo do trabalho e uma melhor preparação.

No Brasil, por exemplo, você pode obter seu diploma de graduação, ser maior de idade e terminar seus estudos sem ter nenhum projeto profissional. Já nos países do norte da Europa, eles valorizam mais a educação continuada, com a possibilidade de uma reorientação profissional ou desenvolvimento de carreira.

Você conhece a história das aulas particulares?

Aulas particulares: uma normalidade na Ásia

Na Ásia, a corrida por desempenho e excelência é cultural. Além disso, o nível de estudantes asiáticos está entre os mais altos do mundo. A educação, ao contrário do Brasil, não é considerada como um meio de realização pessoal e profissional, mas como um vetor de ascensão social. A educação é quase vista como uma religião, para a qual os pais dedicam uma adoração ilimitada e as crianças precisam se curvar, não importa o que aconteça.

Aprenda a ensinar pela internet As matérias quase são as mesmas dos reforços escolares no mundo

As aulas particulares andam de mãos dadas com a corrida por desempenho e excelência.
Forte pressão sobre os alunos…

Na Coreia do Sul, o mercado de ensino privado excede em muito o do Brasil, com 13 bilhões de euros por ano. Toda quinta-feira, na segunda semana de novembro, o país suspende o fôlego e para para deixar as crianças passarem nos exames de admissão para as grandes escolas.

Grandes meios são colocados em prática: a polícia para a circulação, trens e horários de metrô mudam, até mesmo o aeroporto se fecha parte do dia!

A pressão é enorme: os alunos passam entre o abarrotamento e a multiplicação de classes individuais em ha-gwuan, que são classes individuais.

O governo sul-coreano teve que intervir em 2009 com uma espécie de “toque de recolher” para proibir aulas particulares após 22 horas. A organização de aulas particulares é cada vez mais regulada. Tudo isso para garantir as aulas particulares do futuro!

No Japão, na China, na Malásia, em Taiwan, as expectativas dos pais são as mesmas ou ainda mais fortes, o que provoca estresse permanente nos jovens. Há muita pressão dos pais que gastam entre R$ 2.400 e R$ 6 mil  por mês e há uma grande taxa de suicídio entre os jovens de 15/25 anos que continua a crescer.

No Japão, não há domingo ou férias para os estudantes. Aulas particulares são oferecidas 7 dias por semana pelos juku, que são organizações de aulas particulares.

Entre a escola e as aulas, um estudante japonês pode trabalhar entre 10 e 16 horas por dia. Porém, é no Sri Lanka que os alunos têm a maior quantidade de horas / aulas por semana, em média 8 horas por semana ou até 13 horas.

O ranking das escolas asiáticas é uma das razões pelas quais, em alguns lugares, quase todos os alunos têm aulas particulares. Dependendo dos resultados, o acesso a estabelecimentos de prestígio é reservado apenas para os melhores alunos.

Zoom sobre as aulas particulares na Índia

Em um país superpovoado como a Índia, é importante para as famílias que seus filhos possam se destacar com boas notas.

Hoje, aulas particulares entraram no sistema educacional, particularmente em vários estados federais da Índia.

Esse modo educacional paralelo tornou-se um complemento recorrente ao ensino. Mais de 50% dos alunos na faixa etária de 6 a 8 anos fazem aulas particulares.

O recurso destinado aos professores particulares depende, é claro, dos recursos dos pais. As aulas particulares são reservadas para as classes média e alta e não para as classes trabalhadoras. Portanto, há uma seleção social de aulas particulares na Índia (o que não difere do Brasil).

Aprenda a dar aulas particulares As salas de aula não são suficientes para a educação?

Qual é o perfil de um aluno que faz aulas particulares na Índia? Ele pode ser de uma escola pública, cuja mensalidade é barata. No entanto, a maioria das crianças está matriculada em escolas particulares caras não subsidiadas. O objetivo não é o mesmo: alunos de escolas públicas fazem mais aulas para passar nos exames, enquanto os do setor privado querem melhores notas.

Os estudantes na Índia têm aulas em média em 3 disciplinas, ou até em todas. As aulas começam no início do ano. Na Índia, as aulas particulares podem acontecer na parte da manhã, antes de ir para a escola.

Os alunos têm aulas em organizações de coaching ou escolas privadas de ensino.

Mais curiosos, cursos individuais podem ser ministrados pelos professores das escolas dos alunos. Normalmente, isso não é muito ético. Os pais recorrem diretamente aos professores da escola onde a criança tem aulas para dar aulas de reforço escolar para seus filhos.

A Índia não é o único país onde isso acontece. Isso também é comum em Camboja.

No final, seja qual for o país, as aulas particulares são uma história de troca!

Visão das aulas particulares na Austrália

A Austrália embarcou em uma reforma do sistema educacional com grandes mudanças. Eles têm um programa mais intenso para crianças do jardim de infância com a introdução de uma língua estrangeira.

No ensino fundamental, as aulas são um pouco mais carregadas e há menos horas de aulas semanais para permitir ao professor uma melhor preparação.

Quando começar o reforço escolar? Os alunos podem ter aula desde pequenos

Quanto às aulas particulares, os pais são livres para financiá-las, mas a escola reforça a aprendizagem individual com a possibilidade de ter aulas particulares com o próprio professor da sala de aula.

Qual será o destino das aulas particulares?

Compartilhar

Nossos leitores curtem este artigo
Este artigo trouxe a informação que você estava procurando ?

Nenhuma informação ? Sério ?Ok, trabalharemos o tema num próximoNa média, ufa !Obrigado. Deixe suas dúvidas nos comentários.Estamos muito felizes em te ajudar ! :) (Seja o primeiro a avaliar)
Loading...

Deixe um comentário

avatar