Aulas particulares Idiomas Música Apoio Escolar Esporte Artes e Lazer
Compartilhar

O que cai no Enem: funções e figuras de linguagem

De Erico, publicado dia 26/07/2019 Blog > Apoio Escolar > ENEM > Conteúdos de Língua Portuguesa para o Exame Nacional

Quem pretende prestar o Enem precisa ter em mente que a capacidade de interpretação de texto é, digamos, algo imprescindível na prova.

Assim, os candidatos precisam entender a presença das funções e figuras de linguagem. Esse entendimento pode ser uma mão na roda não somente na prova de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, como pode ser eficiente em outras áreas do exame.

Milhares de estudantes têm dificuldades em resolver essas questões de Língua Portuguesa, mas antes de saber o seu significado e as suas inúmeras classificações, é importante se atentar em como utilizar recursos e estilos.

Recursos Linguísticos! Compreender funções e figuras de linguagem fará a diferença na construção de um texto!

Ao estudar funções e figuras de linguagem é interessante compreender que elas são divididas em seis componentes:

  1. Emissor: quem envia a mensagem, podendo ser uma pessoa ou um grupo;
  2. Mensagem: conteúdo ou assunto das informações transmitidas;
  3. Receptor: quem recebe a mensagem ;
  4. Canal de comunicação: meio pelo qual a mensagem é transmitida;
  5. Código: conjunto de signos e regras de combinação utilizados para a elaboração da mensagem;
  6. Contexto: é a situação ou objeto a que a mensagem se refere.

Cada um desses componentes se relaciona com uma das seguintes funções da linguagem que são muito úteis na análise e produção e textos. Vejamos:

  1. Função referencial: se refere ao objeto ou situação de uma mensagem;
  2. Função emotiva: quando se percebe a presença e atitude pessoal do emissor, ou seja, suas emoções, opiniões, avaliações;
  3. Função conativa: o texto se impõe sobre o receptor, envolvendo-o por meio do conteúdo e levando-o a adotar um determinado comportamento;
  4. Função fática: tem como foco o canal, tendo certas formas usadas para chamar a atenção. O canal de comunicação é utilizado para verificar ou fortalecer a sua eficiência. Pode ser percebida em diálogos;
  5. Função metalinguística: quando o foco está no código e a linguagem volta sobre si mesma;
  6. Função poética: quando a mensagem é realizada de forma inovadora com combinações sonoras ou rítmicas, jogos de imagem ou ideias.

É importante que você fique atento, pois em um texto podem aparecer várias destas funções, sendo importante analisar qual delas se sobressai.

O que são figuras de linguagem? Tipos e exemplos

As figuras de linguagem aparecem com frequência em romances, música e poesia e altera o significado das palavras dentro de um texto, podendo imprimir mais força, intensidade, colorido e beleza à expressão.

Para você dominar as figuras de linguagem é importante que saiba os contextos de denotação e conotação:

– Denotação: quando a palavra é empregada em seu significado literal, se referindo a uma realidade concreta;

– Conotação: quando a palavra é empregada no sentido figurado, o que dá a possibilidade de atribuir significados diferentes do sentido original, proporcionando várias interpretações.

Ao assimilar os conceitos de denotação e conotação é hora de saber que as figuras de linguagem se subdividem em quatro grupos. Acompanhe abaixo:

– Figuras de som ou sonoras: aquelas que utilizam os efeitos da linguagem com o intuito de reproduzir sons presentes nos seres. Elas podem ser:

a) Aliteração: repetição ordenada de sons consonantais.

Exemplo: “Belos beijos bebendo breves brumas boreais” (Luan Farigotini)

b) Assonância: repetição de sons vocálicos idênticos.

Exemplo: “O que o vago e incógnito desejo/de ser eu mesmo de meu ser me deu”. (Fernando Pessoa)

c) Paronomásia: aproximação de palavras de sons parecidos, mas com significados diferentes.

Exemplo: “Com tais premissas ele sem dúvida leva-nos às primícias” (Padre António Vieira)

– Figuras de construção ou sintaxe: desvios de concordância entre os termos de uma oração que podem ser em sua ordem, omissões ou possíveis repetições. Elas determinam mudanças na estrutura normal das orações e se dividem em:

a) Elipse: omissão de um termo que pode ser identificado pelo contexto.

Exemplo: “Na sala, apenas quatro ou cinco convidados.’ (omissão de havia)

b) Zeugma: elipse de um termo que já tinha aparecido anteriormente.

Exemplo: “Ele prefere cinema, eu, teatro.” (omissão de prefiro)

c) Polissíndeto: repetição de conectivos que ligam os termos da oração ou os elementos do período.

Exemplo: “…e planta, e colhe, e mata, e vive, e morre…” (Clarice Lispector)

d) Inversão: mudança da ordem natural dos termos em uma oração.

Exemplo: “Do que a terra mais garrida/ Teus risonhos, lindos campos têm mais flores” (Osório Duque Estrada)

e) Silepse: quando a concordância é feita com uma ideia subentendida. Ela pode ser:

– De gênero: “Vossa excelência é pouco conhecido.” (concorda com a pessoa que o pronome está representando)

– De número: “Os Lusíadas glorificou nossa literatura.” (concordância com a obra literária)

– De pessoa: “Os brasileiros somos bastante otimistas.” (brasileiros dá a ideia de nós)

f) Anacoluto: quando um termo aparece solto em uma frase. Normalmente isso ocorre quando uma construção sintática é iniciada e depois se opta por outra.

Exemplo: “O homem, chamar-lhe mito não passa de anacoluto.” (Carlos Drummond de Andrade)

Expressão e Comunicação Alterar os sentidos das palavras e expressões, dá-se o nome de figuras de pensamento!

Figuras de linguagem do Enem

Estudando diversos estilos Entender vários tipos de textos fará a diferença na hora atribuir sentidos às palavras!

Deu pra perceber que não são poucas as figuras de linguagens, mas é imprescindível que elas estejam presentes em seu plano de estudos do Enem.

É fundamental que você consiga compreender em sua totalidade dentro de textos literários. Com isso, você terá facilidade para atribuir às palavras os seus sentidos verdadeiros.

A dica para que você se acostume é treinar a leitura, dando preferência aos textos literários como: poemas, crônicas e contos.

Se você ainda não se decidiu com relação às aulas particulares para o Enem, saiba que na internet é possível encontrar uma infinidade de sites e canais com orientações sobre este tema que, sem dúvida é um dos assuntos que mais caem no Enem.

Preparação para o Enem: 5 excelentes exercícios para o Enem

Em sua preparação para o Enem, é sempre bom optar pelos simulados e buscar exercícios que já caíram no Exame Nacional ou em vestibulares. Por isso, confira uma seleção de cinco exercícios para ajudar em sua preparação:

1 – (FGV-2001)

Assinale a alternativa que indica a correta sequência das figuras encontradas nas frases abaixo:

O bom rapaz buscava, no fim do dia, negociar com os traficantes de drogas.

Naquele dia, o presidente entregou a alma a Deus.

Os operários sofriam, naquela mina, pelo frio em julho e pelo calor em dezembro.

A população deste bairro corre grande risco de ser soterrada por esta montanha de lixo.

A neve convidava os turistas que, receosos, a olhavam de longe.

a) Ironia, eufemismo, antítese, hipérbole, prosopopeia

b) Reticências, retificação, gradação, apóstrofe, ironia

c) Antítese, hipérbole, personificação, ironia, eufemismo

d) Gradação, apóstrofe, personificação, reticências, retificação

e) Ironia, eufemismo, antítese, apóstrofe, gradação

Resposta: alternativa “A”

2 – (ENEM-2004)

Cidade grande

Que beleza, Montes Claros.

Como cresceu Montes Claros.

Quanta indústria em Montes Claros.

Montes Claros cresceu tanto,

ficou urbe tão notória,

prima-rica do Rio de Janeiro,

que já tem cinco favelas

por enquanto, e mais promete.

(Carlos Drummond de Andrade)

Entre os recursos expressivos empregados no texto, destaca-se a:

a) metalinguagem, que consiste em fazer a linguagem referir-se à própria linguagem.

b) intertextualidade, na qual o texto retoma e reelabora outros textos.

c) ironia, que consiste em se dizer o contrário do que se pensa, com intenção crítica.

d) denotação, caracterizada pelo uso das palavras em seu sentido próprio e objetivo.

e) prosopopéia, que consiste em personificar coisas inanimadas, atribuindo-lhes vida.

Resposta: alternativa “E”

3 – (FAU-Santos)

Nos versos:

“Bomba atômica que aterra

Pomba atônita da paz

Pomba tonta, bomba atômica…”

A repetição de determinados elemento fônicos é um recurso estilístico denominado:

a) hiperbibasmo

b) sinédoque

c) metonímia

d) aliteração

e) metáfora

Resposta: alternativa “D”

4 – (Mackenzie)

Nos versos abaixo, uma figura se ergue graças ao conflito de duas visões antagônicas:

“Saio do hotel com quatro olhos,

– Dois do presente,

– Dois do passado.”

Esta figura de linguagem recebe o nome de:

a) metonímia

b) catacrese

c) hipérbole

d) antítese

e) hipérbato

Resposta: alternativa “D”

Valorizando a Língua As figuras de linguagem são usadas como recursos estilísticos para dar maior valor expressivo à linguagem.

5 – (FUNCAB-ES)

No seguinte trecho “Tu és a chuva e eu sou a terra […]” predomina a figura, denominada:

a) onomatopeia

b) hipérbole

c) metáfora

d) catacrese

e) sinestesia

Resposta: Alternativa “C”

Estude, pratique e não se esqueça de guardar um tempo para a revisão do Enem.

Ah, e antes que eu me esqueça, boa sorte!

Compartilhar

Nossos leitores adoram esse artigo
Este artigo te trouxe as informações que procurava?

Nenhuma informação ? Sério ?Ok, trabalharemos o tema num próximoNa média, ufa !Obrigado. Deixe suas dúvidas nos comentários.Estamos muito felizes em te ajudar ! :) (Seja o primeiro a avaliar)
Loading...
avatar