O que antes era um estilo de vida de nicho, associado com certas tribos urbanas taxadas de "hippies" ou "naturebas" hoje parece ser uma tendência que veio para ficar. Tanto no Brasil, como no mundo, hoje há mais veganos do que nunca e o que previamente poderia ser visto por alguns como uma inconveniência ou um capricho, virou algo completamente normal. Inclusive, dependendo dos seus amigos e dos lugares que frequenta, pode ser que consumir carne seja mais uma exceção do que a norma.

Segundo pesquisa do IBOPE, 14% da população brasileira é vegetariana, número que inclui os veganos também. Ainda há poucos dados exatos sobre a população vegana no país, mas a tendência é que ela venha crescendo, como está acontecendo ao redor do mundo. A preocupação pelo meio ambiente, junto com os benefícios cada vez mais comprovados de uma dieta vegana para a saúde, tem feito que cada vez mais pessoas se interessem por esse estilo de vida. Por sua vez, esse interesse tem estimulado a criação de produtos, estabelecimentos e conteúdos para o público vegano, o que torna o veganismo mais visível, barateia os custos dos alimentos especializados e facilita a adaptação de novos adeptos.

Mesmo assim, alguns mitos ainda rondam o veganismo: que se trata de uma dieta cara, complicada, muito restrita e que inclusive faz mal para saúde. Neste artigo vamos desconstruir estas crenças mostrando como você pode melhorar a sua saúde adotando uma dieta vegana adaptada às suas preferências e estilo de vida. De cursos de cozinha vegana, a livros, sites e como encontrar um profissional para te ajudar; temos tudo o que você precisa para tomar os primeiros passos na direção do veganismo!

 

Comida vegana X vegetariana, qual a diferença?

produtos lácteos dieta vegana
Leite e derivados estão entre os principais produtos consumidos por vegetarianos e não por veganos

Antes de começar a listar os benefícios do veganismo e como você pode se adaptar a essa dieta, comecemos pelo básico: afinal de contas, o que é uma dieta vegana?

Estritamente falando, um vegano é aquele que corta da sua rotina os produtos de origem animal. Isso se refere principalmente aos alimentos que compõem a nossa dieta, mas também inclui outros produtos, como couro e outras peles e, dependendo do grau de compromisso, qualquer produto que use aditivos de origem animal na sua produção, o que pode incluir desde cosméticos até vinhos.

Na maioria dos casos, os veganos eliminam da sua rotina os seguintes alimentos:

  • Carne bovina e suína (e outras carnes), aves, peixes e frutos do mar
  • Ovos
  • Produtos lácteos (leite, iogurte, manteiga, queijos e outros)
  • Mel (mesmo que não haja um consenso claro na comunidade sobre o consumo de produtos derivados de insetos)

Seguindo essas restrições, a alimentação de um vegano costuma basear-se no consumo de grãos, legumes, verduras, frutas, nozes, cogumelos comestíveis, sementes e frutos secos; além de todos os produtos derivados que podem ser obtidos a partir desses ingredientes básicos, como leites vegetais.

Uma das maiores dúvidas daqueles que querem fazer a transição para uma dieta sem carne é se deveriam optar pelo vegetarianismo ou veganismo. A diferença principal entre as duas dietas é quanto o consumo de produtos de origem animal para além da carne. Ou seja, vegetarianos comem ovos, leite e derivados e mel; os veganos não. 

Mas há uma dieta mais adequada que a outra? Não necessariamente. Existe a dieta que é mais adequada para você, dependendo das suas necessidades, preferências e motivações para adotar uma alimentação sem carne. Quanto à saúde, pode-se ter uma alimentação adequada e equilibrada seguindo qualquer um dos tipos de alimentação. Em ambas você deve tomar cuidado para garantir que está ingerindo todos os nutrientes necessários, especialmente no caso do veganismo, que é um pouco mais restritivo.

Para além da saúde, é verdade que a dieta vegana pode ter um impacto ambiental maior, já que elimina mais produtos de origem animal que o vegetarianismo. Entretanto, é verdade também que se trata de uma dieta com mais restrições e que a adaptação inicial pode ser um pouco mais difícil. Mas não se preocupe! Primeiramente, você não precisa fazer nenhuma mudança radical da noite para o dia e pode ir adaptando sua alimentação gradualmente. Para além disso, há uma gama extremamente ampla de alimentos que se encaixam numa dieta vegana contendo todos os nutrientes necessários para o bom funcionamento do nosso corpo.

 

Receitinhas de culinária vegana

aulas cozinha vegana
Fazer aulas de culinária vegana pode ser um ótimo passo para ampliar seu repertório culinário!

Mesmo quando produtos e restaurantes veganos eram mais raros e menos acessíveis economicamente, o principal passo para fazer uma transição de sucesso rumo a uma alimentação vegana é a adaptação mental e em termos de repertório. Mesmo tendo uma variedade de lojas e supermercados e contando com a mais alta tecnologia agrícola, a verdade é que o nosso repertório alimentar não é tão diverso, se comparado com a infinidade de produtos comestíveis que podem ser encontrados na natureza.

Faça o exercício e tente pensar o anotar o que você come. Depois de alguns meses você vai perceber como acaba repetindo os mesmos pratos e alimentos. Isso já não é interessante nem para a nossa saúde nem para o nosso apetite em circunstâncias normais; mas quando se trata da transição para uma dieta diferente pode ser ainda mais complicado. Quando nossa alimentação depende muito de alguns poucos ingredientes, ao retirarmos um deles acabamos sentindo muito sua falta

Por isso, para se adaptar ao veganismo é fundamental ampliar nosso repertório! Para além de ingredientes naturais que você poderia não conhecer, há muitas cozinhas pelo mundo e, em especial, a asiática, que possuem um repertório extenso de pratos sem carne, muitas vezes veganos. Com a internet, você pode encontrar muita informação, desde os princípios básicos do veganismo, até receitas e dicas de como preparar produtos caseiros como pães e leites vegetais. Mas às vezes a informação é tanta que pode confundir marinheiros de primeira viagem. Nesse caso, uma ótima ideia pode ser começar por um curso de gastronomia vegana! A oferta de cursos de culinária vegana é grande e pode variar muito de local a local.

Aqui listamos alguns lugares por onde você deveria procurar para ver que curso de culinaria vegana fazer:

  • Cursos em restaurantes veganos;
  • Cursos em associações de veganos e centros de bem estar;
  • Cursos em centros culturais e comunitários;
  • Cursos de gastronomia em escolas e faculdades especializadas;
  • Curso em casa com professor particular.

Além de todas essas opções presenciais, você também pode optar por um curso de culinária online, que se adapte aos seus horários e ritmo!

 

Um cronograma diário para balancear a alimentação

menus balanceados
Uma dieta equilibrada fará diferença no seu humor, energia e até mesmo no seu sono!

Inicialmente, o veganismo estava majoritariamente associado com preocupações ambientais e alguns inclusive o apontavam como sendo uma dieta nociva à saúde, por ser muito restritiva. Entretanto, com o passar do tempo, ficou claro que não só não há riscos numa dieta vegana, mas que ela pode ser beneficial à saúde e até mesmo ajudar na perda de peso. Para isso, porém, é fundamental seguir uma dieta balanceada e equilibrada, que inclua todos os nutrientes dos quais nossos corpos precisam. Afinal de contas, uma dieta baseada somente em macarrão pode ser vegana, mas não é muito saudável.

Nossa alimentação é uma das partes mais importantes das nossas vidas. Os alimentos que ingerimos têm uma influência direta na nossa saúde, no funcionamento do nosso organismo e no nosso bem estar, afetando nossas emoções, níveis de energia, raciocínio cognitivo e até mesmo nossa forma de dormir. Há um consenso estabelecido de que uma alimentação equilibrada pode ajudar na prevenção de doenças como obesidade, diabetes, doenças cardiovasculares e alguns tipos de câncer.

Como fica claro pelo nome, uma dieta balanceada consiste em uma alimentação variada que inclui todos os nutrientes necessários nas porções corretas. Trata-se de uma questão de variedade e dosagem. Por isso, a chave de uma alimentação saudável reside em conhecer quais são os nutrientes de que precisamos, em que alimentos podemos encontrá-los e como combiná-los.

Isso pode não ser tão fácil assim, principalmente tendo em conta a falta de variedade da nossa alimentação e os esforços limitados quanto à educação alimentar nas escolas. Por isso, se você está querendo aderir a uma dieta vegana e quer certeza de que estará adotando uma alimentação equilibrada, uma ótima ideia é se consultar com um profissional que vai te ajudar a montar menus veganos. Porém, tome cuidado, evite os profissionais que irão te transmitir um menu fechado com algumas receitas para seguir à risca. O mais indicado é uma consulta formativa que vá na direção de te educar sobre os nutrientes necessários, a variedade de alimentos disponíveis e como combiná-los.

 

O que é PANC?

coração de bananeira veganismo
PANC também faz referência a partes comestíveis de plantas que descartamos, como o coração da bananeira

Como mencionamos anteriormente, no geral, nossa alimentação tende a ser bastante restrita e depender excessivamente de alguns poucos produtos. Essa tendência contrasta diretamente com a diversidade e quantidade de alimentos disponíveis para a alimentação na natureza. Isso é ainda mais evidente em um país com o Brasil, com um clima e biodiversidade privilegiados, mas que ainda depende muito de produtos que originalmente não são daqui, como o tomate a alface e o pimentão. Embora nos últimos anos alguns chefs renomados como Alex Atala têm estimulado o uso de produtos locais, especialmente de frutos amazônicos, a verdade é que podemos ir muito além.

É dessa preocupação que surge o movimento ao redor das PANCs, ou Plantas Alimentícias Não Convencionais. O termo, cunhado pelo biólogo brasileiro Valdely Kinupp, diz respeito a plantas que crescem espontaneamente em jardins, terrenos baldios e canteiros e muitas vezes são categorizadas como sendo "matos" ou ervas daninhas, quando na verdade são comestíveis. O movimento defende o consumo e produção de PANCs como forma de enriquecer nossa alimentação aproveitando a biodiversidade local e a vantagem de que estas plantas, por estarem bem adaptadas ao seu ambiente, muitas vezes dispensam agrotóxicos para o seu cultivo.

Um dos principais desafios do movimento é a falta de informação sobre o tema. Embora estas plantas sejam autóctonas e algumas até sejam bastante utilizadas em algumas regiões do Brasil, existe um vácuo de conhecimento sobre elas e seus usos. Isso porque, com a transição a uma sociedade industrial e com uma dieta adaptada a produtos de fora, o conhecimento local foi se perdendo ao longo dos anos. Por isso, a missão desse movimento é lutar contra o preconceito e mostrar a riqueza da nossa flora local, ao mesmo tempo em que aproxima as pessoas da natureza.

Ficou curioso? Há muito conteúdo sobre PANCs na internet, desde sites colaborativos que te ensinam onde encontrá-las na sua cidade, até catálogos e livros de cozinha, são conteúdos completos como cursos de confeitaria panc, aulas de cascas de frutas, reconhecer as plantas, etc.

E agora? Já se sente mais preparado para encarar uma alimentação vegana? Esperamos que sim! Lembre-se: procure informação, siga uma dieta balanceada e adapte-a às suas preferências e necessidades!

Precisando de um professor de Culinária ?

Você curtiu esse artigo?

5,00/5 - 1 nota(s)
Loading...

Sophia

Especialista em Direitos Sociais e graduada em Relações Internacionais. Nascida no Brasil e radicada na Espanha, ama escrever e aprender, juntando as duas paixões no blog da Superporf!