A revista que adora os profes, os alunos, as aulas particulares e o intercâmbio de saberes

Até quando podemos estudar a língua inglesa?

Par Carolina le 29/04/2017 Blog > Idiomas > Inglês > Qual é a idade máxima para se aprender inglês?
Table des matières

No Brasil, a aprendizagem de uma segunda língua como o inglês se faz na escola. O problema é que os métodos não são realmente adaptados para adquirir uma fluidez no idioma, nem oral, muito menos escrita. As aulas de inglês na escola não são realmente eficazes, sem contar com suas velhas fitas cassetes e as poucas horas para a aprendizagem da língua…

Outra opção mais comum no nosso país é optar por uma escola de idiomas. Porém, nem todo mundo tem acesso por causa das altas mensalidades.

Ou muitas pessoas não puderam aprender o idioma enquanto jovem porque teve que trabalhar muito, cuidar dos filhos. Enfim, as prioridades eram outras quando se era mais jovem!

Mas nem tudo está perdido! Não há idade para amar e muito menos para aprender!

Por isso, muitos conseguem recuperar o tempo perdido estudando línguas depois de criar os filhos, aposentarem, ter mais tempo para dedicar a algo que gosta.

Ou melhor ainda: com uma experiência no exterior. As razões para tal podem ser muitas: trabalho, estudos, família.

A sabedoria nunca é demais, mesmo com certa idade Não meça esforços para conseguir aprender mesmo depois dos anos de experiência

A boa notícia é que nada vem por acaso! Em todo caso, a resposta para a questão « você está muito velho para aprender inglês » é não! A verdade é que o aprendizado do inglês pode ser feito em qualquer idade. Você está pronto para aprender inglês?

Não há idade para aprender inglês

Muitos pensam que a aprendizagem de uma língua estrangeira só pode acontecer muito jovem para ter a fluidez e uma expressão natural. Mas isso é falso! Nada impede a aprendizagem do inglês já adulto quando os bons métodos são bem empregados. Se seu objetivo é falar inglês fluente em um ano, você pode alcançá-lo com ou sem aulas de inglês.

Os cientistas provaram que a gente tem que mostrar para o cérebro que nós estamos em processo de aprendizagem linguística. Isso acontece porque temos que estimular as zonas cervicais previstas para esse efeito, a área de Broca (que permite a expressão oral). Quando a gente aprende uma língua estrangeira sendo criança, a área de Broca distingue a língua materna da segunda língua.

Nem por isso não podemos ser fluentes nas duas línguas. Você pode falar o segundo idioma como o primeiro, se quiser!

A simples memorização das listas de vocabulário ou conjugação não permite de estimular os conhecimentos. Isso explica o fracasso de muitos métodos da aprendizagem de inglês de escolas porque eles não utilizam esses conhecimentos em uma discussão, por exemplo.

Sim, é muito importante colocá-los em prática em paralelo, fazer exercícios não é o suficiente para aprender inglês. É por isso que para conseguir aprender e praticar o inglês nada melhor que fazer uma imersão linguística!

Há várias soluções para repetir, combinar na medida do possível:

  • Fazer uma temporada no exterior de longa duração: as destinações principais são Inglaterra, Estados Unidos e Austrália.
  • Participar de uma formação em uma universidade durante as férias para aprender e falar inglês ao longo de um programa.
  • Aprender e falar com anglófonos online ou frente à frente perto da sua casa. Vale procurar associações que organizam eventos para fazer « trocas de língua » em festas, encontros, lanches. Alguns sites também propõem a aprendizagem da língua colocando outras pessoas com o mesmo interesse.

Você sabia? Aprender as palavras do vocabulário de uma língua estrangeira como o inglês ativa as zonas do cérebro idênticas àquelas quando comemos chocolate (a do prazer e da recompensa)!

O idioma abre as portas e deixa tudo mais belo! O mundo é mais bonito com você sabendo a língua inglesa

A hipótese científica publicada na revista Current Biology pela equipe de pesquisadores alemãs em associação com o Instituto de Pesquisa Biomedical de Barcelona é a seguinte: a aprendizagem da linguagem na primeira infância é conectada a emoções positivas em interação permanentes com os pais, o que facilita a memorização. Se aprender inglês dá prazer, então não espere mais para começar!

Idade adulta e aprendizado do inglês: ajude o seu cérebro a continuar jovem

Você quer aprender inglês? Pode ser apenas por pura curiosidade, para preparar suas viagens ou ainda para utilizar em seu trabalho. Há também uma razão médica para aprender inglês adulto, mesmo aposentado. Isso só pode ser benéfico.

O Journal of Neurolinguistics publicou em 2014 um estudo feito por pesquisadores da universidade de Pensilvânia. Eles chegaram a conclusão de que a aprendizagem de uma língua estrangeira retarda o envelhecimento do cérebro, portanto, o aparecimento de problemas cognitivos. Um estudo de seis semanas aplicado em ingleses voluntários para a aprendizagem do chinês mostrou o aumento da conexão das redes cerebrais nos melhores estudantes.

Veja o que o doutor Ping Li declarou: « Ao contrário do que mostrava os estudos precedentes, o cérebro seria muito mais maleável que a gente tinha pensado. Nós registramos mudanças anatômicas do cérebro (nas pessoas idosas), o que é muito encorajador. A aprendizagem de uma nova língua pode também ajudar a envelhecer melhor. » Ou seja, aprender inglês permite ao cérebro de ficar saudável e lutar contra o envelhecimento cerebral. Isso evitaria algumas doenças ligadas à senilidade.

Um estudo canadense de 2007 também permitiu observar que pessoas que praticam duas línguas poderiam retardar em vários anos os primeiros sinais de declínio cognitivo.

Quando vários estudos chegam a mesma conclusão, ou seja, o impacto positivo de aprendizagem de uma língua estrangeira no cérebro, é porque isso deve ser verdade! Por isso, não custa verificar, não é?

Conselhos práticos para aprender inglês na vida adulta

A aprendizagem de inglês fora das aulas na escola, de uma temporada intensiva de inglês ou de uma escola de línguas é completamente possível! Resta saber como conseguir isso! Veja aqui alguns macetes para aplicar no cotidiano para se familiarizar com o inglês, desenvolver sua orelha e integrar as expressões idiomáticas:

  • Veja filmes e séries em inglês: opte por uma versão inglesa com legenda em português, depois passe para a versão inglesa com legenda em inglês. O interesse é duplo: primeiro educar o seu cérebro a escutar a língua inglesa, o sotaque, a pronúncia, as construções das frases. Em seguida, você associa aquilo que escutou à ortografia correta dessas palavras em inglês. Isso vai enriquecer o seu vocabulário e vai ajudar na pronúncia.

Não deixe de aprender nunca, até quando se sentir velho demais Sempre é possível fazer mais, mesmo com muita experiência

  • Ler matérias em inglês da mídia ou de revistas para começar. Em seguida, você pode passar a leitura de novelas, romances em inglês.
  • Traduzir e aprender as letras das músicas que você gosta na língua inglesa para parar de cantar errado.
  • Converse com anglófonos: é o ideal para analisar as construções das frases bem diferentes da língua portuguesa. Isso vai permitir de fazer pesquisas de vocabulário para enriquecer suas expressões (veja o site wordreference.com). Não deixe de pedir as pessoas para te corrigir!
  • Treine falando com os anglófonos ao vivo pelo computador (Skype vai se tornar o seu melhor amigo/ou você pode procurar aulas de inglês por esse meio).
  • Faça exercícios de gramática, sintaxe, ortografia e conjugação. Você pode treinar online em sites ou comprar cadernos de exercícios com aulas de inglês corrigidas. Outra dica: preparar-se para fazer o TOEIC com os exercícios online.

Aprender inglês em qualquer idade: método LinguaStep

Esse método de memorização linguística junta o escrito (um livro de referências) e o áudio. LiguaStep foi criado por Loren Sieber em 2006 para aprender o árabe. Depois de estudar o processo de aprendizagem de uma língua estrangeira, ele colocou em prática um método inteligente baseado em dois princípios:

  • Não perder tempo com os termos conhecidos
  • Repetir as palavras do vocabulário logo antes do cérebro esquecê-las (a repetição espaçada).

O programa se adapta à capacidade de memorização da pessoa aprendendo inglês para obter os melhores resultados com o mínimo de tempo. No caso do Capitão Joseph, ele precisou de um treinamento cotidiano de aprendizagem do árabe para ter benefícios. A gente tem quase certeza que esse método para a língua inglesa também dará excelentes resultados.

Mas não se esqueça: para uma aprendizagem eficiente de una língua, em qualquer idade, é preciso ler, memorizar, escutar e falar!

Concluindo: « Eu sou muito velho para ter aulas de inglês? », é certo que a resposta é NÃO! A língua inglesa pode ser aprendida com 25, 42, 57, 65 anos sem nenhum problema. Você precisa querer e te dar os meios de conseguir.

A Inglaterra tem uma rainha idosa em plena consciência Você pode se inspirar na rainha Elizabeth que não se limita por causa da idade

Para isso, você pode contar com várias ajudas: o entretenimento é uma delas (ver séries, filmes, entrevistas em inglês), ir a um encontro com estrangeiros para falar em inglês regularmente e, claro, fazer um pouco de « homework » (tarefas). Isso vai te possibilitar a ter um automatismo e as bases em gramática e em conjugação.

Enfim, não se esqueça que o sotaque brasileiro é visto como charmoso entre nossos amigos anglo-saxônicos. Então, esse já é um bom começo de conversa! Se você está realmente animado, você vai conseguir falar inglês em qualquer idade!

Descubra, então, como aprender inglês quando não se escuta bem.

Viu? Quando se quer algo, não há desculpas. Tudo é possível!

Nos précédents lecteurs ont apprécié cet article

Cet article vous a-t-il apporté les informations que vous cherchiez ?

Aucune information ? Sérieusement ?Ok, nous tacherons de faire mieux pour le prochainLa moyenne, ouf ! Pas mieux ?Merci. Posez vos questions dans les commentaires.Un plaisir de vous aider ! :) (Soyez le premier à voter)
Loading...
Carolina
Quero aprender italiano e espanhol, mas preciso mesmo é do inglês... Leio as plaquinhas nos museus, gosto de música e de cinema dos anos 70. De agora, só o Pablo do arrocha que serve.

Commentez cet article

avatar
wpDiscuz