A revista que adora os profes, os alunos, as aulas particulares e o intercâmbio de saberes

Guitarras elétricas: tudo o que você precisa saber sobre modelos, composição e marcas

Par Fernanda le 22/02/2017 Blog > Música > Violão > Conheça os tipos de guitarra e sua composição
Table des matières

Você quer comprar uma guitarra e seus acessórios, mas não sabe nem por onde começar? Como escolher?

Ibanez, Cort, Fender… entre marcas, modelos, equipamentos, seja você destro ou canhoto, essa escolha é decisiva para seus estudos de guitarra e vai determinar o seu progresso na aprendizagem do instrumento.

Entre todos os tipos de instrumentos musicais, os de corda possuem um número grande de categorias e estilos. Entre a guitarra folk, a guitarra acústica, a guitarra semi-acústica, o baixo o o próprio violão clássico, é preciso conhecer bem as diferentes partes que compõem cada instrumento e sua função.

As guitarras podem ser classificadas de acordo com suas características de fabricação, além da sonoridade e de sua história. Essas características variam muito.

Mesmo se já tiver decidido entre uma Stratocaster, Telecaster, Epiphone ou Fender, você ainda vai precisar escolher o modelo de cordas, o tipo do captador ou o tipo da ponte.

Ainda, vai ter de escolher um bom amplificador e todos os acessórios que acompanham (afinador, pedal…) para conseguir reproduzir e variar aqueles sons e efeitos tão desejados com sua guitarra.

Por exemplo: se você quiser tocar no palco com sua banda, certamente deverá escolher uma guitarra e equipamentos diferentes caso fosse tocar apenas entre amigos em casa.

Você está se sentindo um pouco perdido no meio disso tudo? Não desanime!

Em geral os vendedores estão suficientemente preparados para dar conselhos e orientações sobre tudo o que você possa querer saber do instrumento.

Você também pode se inspirar nos seus ídolos e nos melhores guitarristas do mundo para ter elementos de referência. Jimi Hendrix, Eric Clapton ou ainda Keith Richards, por que não? Descubra qual é a guitarra de cada um e por que eles obtiveram tanto sucesso assim.

A guitarra e os diferentes tipos de cordas

Claro que já sabe que a guitarra é formada por diversos elementos e cada um deles tem a sua importância para a performance do instrumento. Um dos principais é o jogo de cordas.

Você sabia que podemos classificar o instrumento em função do número de cordas que ele possui?

As guitarras podem variar o número de cordas. O número de cordas de um instrumento pode definir o estilo e o som que ele emite.

A guitarra de 6 cordas

Sim, é ela mesma! Essa é a guitarra mais conhecida em todo o mundo.  Ela comporta três cordas graves (as três cordas superiores) e três cordas agudas (as três cordas inferiores). Elas representam as seis notas: mi, lá, ré, sol, si, mi.

Sabia que existem pessoas que tocam uma guitarra de sete cordas?

É isso mesmo, você leu certo! Artistas como Korn ou Limp Bizkit são exemplos dessa modalidade. É geralmente nos grupos de rock que isso acontece. Mas qual a diferença na prática?

Na verdade, a única diferença é o acréscimo de uma corda afinada em si maior, um tom mais grave. As guitarras de 7 cordas foram projetadas para dar mais range, ou seja, alcance aos guitarristas. Ótima para quem quer expandir possibilidades.

A guitarra de 12 cordas

Esse tipo de guitarra é utilizado com frequência em grupos de diversos gêneros. Nesse modelo, todas as seis cordas da guitarra clássica são duplicadas. Isso quer dizer que ela possui duas cordas de mi, duas cordas de lá, e por aí vai. São guitarras utilizadas em geral em concertos e shows pois elas produzem um som mais potente. Os grupos de folk apreciam particularmente esse modelo, pois ele oferece uma sonoridade mais calorosa às músicas.

A guitarra de 4 cordas

A última categoria de guitarras é também conhecida como baixo elétrico. O baixo surgiu no ano de 1951 graças à marca Fender, que inaugurou o instrumento no mercado. Ele é afinado uma oitava mais grave que a guitarra elétrica clássica. As cordas também são mais grossas e afinadas nas notas mi, lá, ré e sol.

O baixo é utilizado para dar a base rítmica de uma música ou para intensificar o grave em um determinado momento ou trecho de uma música.

Os diferentes tipos de captadores

Depois de decidir comprar uma guitarra, você vai precisar escolher o tipo de captador que você quer (o captador é um dos elementos que compõem as partes da guitarra, como a corda e o braço). É o tipo de escolha que você não precisa fazer se toca violão.

Existem três tipos de guitarras de acordo com o modelo de captador. Esses modelos vão também determinar os diferentes sons e efeitos da guitarra

Guitarras com captadores de uma bobina

Também chamados de single-coil, são captadores simples que apresentam apenas uma bobina. Frequentemente encontrado em Stratocasters, Fenders e Telecasters. Eles têm como característica principal emitir um som com bastante brilho, além de oferecer um aspecto nasal à sonoridade. Seu maior defeito é possuir mais ruído. É muito utilizado na música country, no blues e no rock n’ roll. Veja alguns usuários famosos de single-coils: Jimi Hendrix, Mark Knopfler (Dire Straits), Ritchie Blackmore (Deep Purple).

Existem captadores simples de uma bobina e captadores duplos de duas bobinas. Você também encontra tipos de captadores diferentes nas guitarras.

Guitarras com captadores de duas bobinas

Também conhecidos como Humbuckers, são captadores duplos, com 2 bobinas. Esse tipo de captador foi criado para eliminar o ruído característico dos single-coils. É utilizado em guitarras Gibson, mas também em muitas outras marcas e modelos. Possui um som mais fechado, mais grave, devido ao cancelamento do ruído. É por isso que muitos músicos ainda preferem os single-coils, apesar de tudo. Conheça alguns usuários famosos de humbuckers: Angus Young (AC/DC), bandas de rock e metal (pois utilizam distorções mais pesadas) como Metallica, Megadeth, entre outros, músicos de jazz que buscam um som mais aveludado, como John Scottfield.

Guitarras com captadores simples e duplos

Para aproveitar os benefícios dos dois tipos de captadores, você pode escolher uma guitarra que possua os dois sistemas de captação. No entanto, o contra desse modelo vai ser sobretudo o preço que você terá de pagar pelo seu instrumento…

A variação das caixas de ressonância

Bem como no caso do violão, a guitarra também pode variar em função do modelo de caixa de ressonância que possuir. Isso vai impactar bastante no tipo de som que o instrumento irá emitir.

Portanto, preste atenção nos modelos existentes e escolha o mais adequado para você!

A guitarra clássica (ou de corpo sólido)

Esse tipo de guitarra, que em inglês é denominada de guitares solid body, surgiram nos anos 1950. Elas são apreciadas por roqueiros, principalmente por não apresentar efeito de ressonância nas sonoridades, que podem ser controladas mais facilmente.

A guitarra acústica

O primeiro modelo de guitarra acústica foi introduzido ao mercado pela Gibson, em 1935. Com a intenção de se amplificar o som dos violões que acompanhavam as Big Bands em meados dos anos 1920, a guitarra acústica nada mais é do que a evolução do violão: caixa toda acústica – com uma estrutura interna que sustente o peso das cordas, tampo abaulado, bocas em « F » (f-holes) captadores agregados ao tampo, uma ponte apoiada a esse tampo abaulado (ou arch top) e um cordal para segurar as cordas, sem que essas exerçam pressão sobre o tampo.
Modelo muito utilizado por Charlie Christian, músico de jazz, e que popularizou o uso da guitarra acústica e fez com que o captador levasse seu nome. Com o final da Segunda Guerra Mundial em 1945, devido ao desenvolvimento tecnológico, a ampliação de recursos de comunicação entre outras consequências que colaboraram para o crescimento industrial, outras marcas passaram a desenvolver guitarras acústicas, como Guild, Gretsch, Epiphone.

Tipos de caixas de ressonância definem o modelo da guitarra. A guitarra acústica é muito utilizada no blues e no jazz.

A guitarra semi-acústica

O primeiro modelo de guitarra semi-acústica foi introduzido ao mercado pela Gibson, em 1958. Nesta época, o desafio era acabar com o feedback (microfonia) causado pela cavidade acústica e, ao mesmo tempo, manter a característica sonora de um instrumento acústico. Seguindo a mesma concepção dos modelos acústicos – aberturas sonoras em « F », tampo abaulado e cavidades acústicas – o corpo passou a possuir também um bloco maciço na parte central para apoiar captadores e pontes, e para diminuir o feedback da guitarra.

Diversas empresas de instrumentos musicais passaram a trabalhar com guitarras acústicas, semi-acústicas, sólidas e semi-sólidas (estas últimas possuem maior massa de madeira – mais do que o bloco central das semi-acústicas – e pequenas cavidades ocas em seu interior – com aberturas sonoras no tampo).

Diversos tipos de pontes (ou cavaletes)

As pontes (ou cavaletes) desempenham um papel importante na afinação e na precisão dos sons do instrumento. É o local onde as cordas estão presas e onde é registrada a vibração dos sons emitidos por elas. Existem basicamente dois tipos de ponte:

As pontes fixas

Como o nome sugere, a ponte fixa é livre da ação de movimentos e se mantém estável o tempo todo. Possui 6 carrinhos que servem de apoio paras as cordas que passam por dentro da guitarra. Por serem fixas, não é possível mudar o tom das notas tocadas. Uma das principais vantagens deste tipo de ponte é manter o instrumento afinado por mais tempo.

O cavalete é uma das partes mais importantes da guitarra! As pontes têm o papel de segurar e captar a vibração das cordas.

As pontes móveis – trêmulo

São as mais comuns que encontramos nas lojas de música. Elas possuem uma alavanca que, quando acionada, estica ou afrouxa as cordas, mudando o som. Elas apresentam ajuste individual dos carrinhos e também da altura das cordas. Esse tipo de ponte é fabricada por diversas marcas de guitarras.

Podemos destacar dois tipos de pontes móveis:

  • Ponte vibrato dormente (Standard Vibrato Bridge): são pontes semi-fixas, com uma parte presa ao tampo.
  • Ponte vibrato flutuante (Floating Vibrato Bridge): são pontes com alavanca e sem fixação no tampo. Elas se apoiam sobre um sistema flutuante, que se move para cima e para baixo, possibilitando vibratos mais extremos.

Escolher sua guitarra em função do braço

Na hora de escolher seu instrumento, preste atenção no comprimento do braço. Ele pode variar de acordo com o modelo da guitarra.

A média do comprimento do braço nas guitarra é 63 centímetros. No entanto, essa medida pode variar de um a dois centímetros.

Apesar de parecer que essa pequena diferença não altere muito o resultado final do som emitido, ela influencia bastante na tensão das cordas, o que modifica moderadamente a forma com a qual você vai tocar.

Quando o braço da guitarra é muito longo, há mais tensão nas cordas. O som será, portanto, mais vivo, e os trastes são mais distantes uns dos outros.

No outro caso, no da guitarra com o braço mais curto, apesar de o som emitido ser ligeiramente menos nítido, é muito mais fácil de tocar os acordes e as notas, porque há menos tensão. Os trastes são mais próximos, o que favorece aqueles que têm mão pequena.

Para as pessoas mais doidas, existe ainda a guitarra de dois braços!

De um lado há um braço com doze cordas e, do outro, um braço com seis cordas. Isso possibilita ao músico alternar os dois tipos de guitarra durante a mesma música.

Jimmy Page, do Led Zeppelin, tem um modelo de dois braços!

Além disso, o braço pode apresentar um número maior ou menor de trastes e de casas de acordo com seu comprimento.

As 4 guitarras mais conhecidas

Para ajudá-lo nessa empreitada que é escolher a guitarra mais adequada para você, decidimos apresentar aqui os modelos mais famosos no mundo da música.

Outra boa ideia é visitar um Hard Rock Café na sua cidade. O bar deixa à exposição uma variedade de guitarras bonitas e famosas. Que tal admirar esses modelos (caríssimos) e encontrar um pouco de inspiração na sua busca?

Entre todos os modelos utilizados pelos artistas mais conhecidos, destacamos aqui as 4 mais top:

1. Stratocaster de 1968

Modelo utilizado pelo famoso Jimi Hendrix, inclusive durante o festival de Woodstock. A guitarra original vale hoje 2 milhões de dólares! Os instrumentos mais novos estão por volta de 3.000 euros.

2. Washburn 22 series Hawk

Essa foi uma das 7 guitarras utilizada por Bob Marley ao longo de sua vida. O instrumento foi vendido por 1 milhão de dólares e o valor revertido em causas sociais.

3. Stratocaster Hybrid (Blackie)

Em 1970, Eric Clapton decidiu trocar as suas guitarras Gipson pela Stratocaster. E foi com partes de três guitarras diferentes que ele criou a « Blackie », sua preferida. Ele também é outro artista que vende suas guitarras e direciona o valor para causas sociais.

4. Gibson SG 1964

Esse modelo foi utilizado pelo grupo The Beatles entre 1966 e 1969, nos álbuns Revolver e White Album.

Agora você já está pronto para tocar as músicas de seus artistas prediletos? Se ainda não, não se preocupe, procure um bom professor particular no Superprof e dê início a essa aventura!

Nos précédents lecteurs ont apprécié cet article

Cet article vous a-t-il apporté les informations que vous cherchiez ?

Aucune information ? Sérieusement ?Ok, nous tacherons de faire mieux pour le prochainLa moyenne, ouf ! Pas mieux ?Merci. Posez vos questions dans les commentaires.Un plaisir de vous aider ! :) (Soyez le premier à voter)
Loading...
Fernanda
Apaixonada por educação, música e cinema, é especialista nos encontros e desencontros das línguas.

Commentez cet article

avatar
wpDiscuz